Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Self-balanced lines: uma alternativa às tradicionais linhas de produção

por Jéssica Dias | 03/06/2014
Copiado!

Quando se fala de linhas de produção, provavelmente o primeiro pensamento que nos vem são as tradicionais linhas de montagem, compostas por trabalhadores lado a lado, cada um em sua estação de trabalho desempenhando uma tarefa e passando o produto à próxima estação até que o mesmo seja finalizado. Este modelo exige que, para evitar gargalos e diminuir o tempo de ciclo, as estações de trabalho estejam balanceadas, ou seja, que o tempo de processamento ou montagem do produto em cada uma delas seja bastante similar ou igual.

assemblyline-blog-da-engenharia

A necessidade de balanceamento requer que os engenheiros tenham profundo conhecimento das tarefas desempenhadas e a partir disso dividam o trabalho entre os empregados. Entretanto, um novo conceito – conhecido como “bucket-brigades” ou “self-balanced line”– tem o potencial de romper com essa maneira de organização de forma que, como o próprio nome sugere, a linha de produção balanceie a si mesma.

Como funciona?

Primeiramente, os trabalhadores são dispostos na linha de acordo com o tempo que demoram a montagem completa de uma unidade, com o mais lento no começo e o mais rápido no final. Em tese, cada trabalhador vai montar um produto até sua finalização; quando o último trabalhador finalizar um produto, ele voltará ao seu predecessor e continuará a montagem de onde o mesmo parou, e este voltará ao seu predecessor e tomará seu trabalho e assim ocorrerá sucessivamente até o início da linha, onde o primeiro empregado começará um produto novo.

metodotradicional-blog-da-engenharia

bucketbrigade-blog-da-engenharia

Quais as vantagens dessa forma de organização?

Com as linhas balanceando a si mesmas, elimina-se a necessidade de se fazer estimativas de tempo de movimento para dividir o trabalho, pois o balanço será alcançado usando o tempo real que o trabalhador leva para desempenhar sua função. Outros benefícios incluem: redução do tempo gasto em planejamento; aumento na produtividade, pois a linha gerará espontaneamente a divisão ótima do trabalho; maior flexibilidade na produção e facilidade de implementação.

Qual a aplicabilidade deste conceito?

O conceito de bucket-brigades não é aplicado somente a linhas de montagem, mas também a centros de distribuição. Em linhas gerais, se é usado o método zone-picking, onde o armazém é dividido em zonas e para cada uma delas existem trabalhadores designados a montar os pedidos, a ideia de auto balanceamento pode ser aplicada e tem o potencial de aumentar a produtividade do centro.

Saiba mais!

Para mais detalhes sobre bucket-brigades, visite bucketbrigades.com (inglês). Lá serão encontradas mais informações, vídeos explicativos e demonstrações que o ajudarão a entender melhor este conceito.

Referências:
BucketBrigades.com
LeanInsider
InventoryOps

Copiado!
Engenharia 360

Jéssica Dias

Engenheira de Produção formada pela UENF com mais de dois anos de experiência em cadeia de suprimentos (supply chain), passando por funções nas áreas de logística, processos e planejamento de materiais. Apaixonada por tecnologia, leitura, ensinar o que sei e ajudar a outras pessoas a serem melhores em suas carreiras.

Comentários