Engenharia 360

Por que a Terra Treme? Explorando a Natureza dos Terremotos

Engenharia 360
por Rafael Panteri
| 01/06/2021 | Atualizado em 11/09/2023 4 min
Imagem reproduzida de Gente de Opinião – https://www.gentedeopiniao.com.br/colunista/montezuma-cruz/ouvido-de-sismografo-do-reporter-e-as-verdades-e-mentiras-nas-eleicoes

Por que a Terra Treme? Explorando a Natureza dos Terremotos

por Rafael Panteri | 01/06/2021 | Atualizado em 11/09/2023
Imagem reproduzida de Gente de Opinião – https://www.gentedeopiniao.com.br/colunista/montezuma-cruz/ouvido-de-sismografo-do-reporter-e-as-verdades-e-mentiras-nas-eleicoes
Engenharia 360

Nota: No dia 8 de setembro de 2023, três dias antes de atualizarmos este texto, um forte tremor de 6,8 atingiu o Marrocos, matando milhares de pessoas. Ele é considerado já o mais poderoso na história moderna do país, atingindo Marraquexe, devastando vilarejos, deixando também muitos feridos e centenas de desaparecidos. Infelizmente, equipes de busca, incluindo militares de outros países, enfrentam dificuldades nas buscas devido à construção de casas na região afetada.

Veja Também: Segurança Sísmica: Por Que Devemos Priorizar a Construção à Prova de Terremotos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Terremotos são eventos assustadores! No dia 11 de março de 2011, o terremoto de Fukushima, ou Grande Terremoto de Tohoku, atingiu o Japão. Com magnitude de 9.1 na escala Richter, foi o mais intenso sismo registrado no país e um dos maiores do mundo. As consequências foram devastadoras:

  • Mais de 18 mil mortos e desaparecidos;
  • Deslocamento da costa do Japão; e
  • Alteração entre 10 e 25 centímetros no eixo de rotação da Terra, encurtando o dia em 1,8 microssegundos.

Como se tudo isso já não bastasse, um tsunami e acidente nuclear foram causados após o terremoto!

terremotos
Imagem da cidade de Fukushima após terremoto | Imagem extraída de MDig
terremotos
Imagem da cidade de Fukushima após terremoto | Imagem extraída de Revista Exame

Veja Também:

Engenharia anti-sísmica do Japão

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas o que geram os terremotos?

Para entender a origem desses fenômenos da natureza, é preciso compreender a crosta terrestre!

A Teoria das Placas Tectônicas, sucessora da Teoria da Deriva Continental, afirma que a crosta terrestre não é uma placa imóvel, mas sim blocos rochosos semirrígidos que se movimentam sobre o manto de forma lenta e contínua, podendo se afastar ou se aproximar umas da outras.

placas tecntônicas
Representação das placas tectônicas | Imagem reproduzida de Eric Gaba via Wikipédia - https://pt.wikipedia.org/wiki/Placa_tect%C3%B3nica#/media/
Ficheiro:Tectonic_plates_boundaries_detailed-en.svg

A Terra é dividida em 52 placas tectônicas, sendo 14 maiores e principais e 38 menores. A partir da movimentação do magma abaixo da crosta terrestre, as placas tectônicas se deslocam e podem acabar se encontrando. Esse movimento é lento e gradual, por isso é que as tensões entre as placas se acumulam durante anos até atingirem o limite de resistência das rochas. Quando isso ocorre, há o rompimento - em questão de segundos -, liberando toda energia acumulada; e as ondas sísmicas se espalham, atingindo regiões próximas.

A saber, abalos sísmicos que ocorrem em áreas continentais, ou seja, em terra firme, são chamados de terremotos. Já os abalos ocorridos nos oceanos são chamados de maremotos. E o ponto onde começa o tremor é o epicentro!

Veja Também: O Que São os Terremotos Lentos e Como Eles Ajudam a Prever Grandes Abalos Sísmicos?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Intensidade e escala de medição

A intensidade dos terremotos é medida pelo sismógrafo. Esse aparelho é capaz de analisar o movimento do solo na direção norte-sul, leste-oeste ou cima-baixo utilizando a Escala Richter como unidade de medida. Observe as imagens a seguir!

terremotos
Representação de um sismógrafo | Imagem extraída de Wikiciencias - https://wikiciencias.casadasciencias.org/wiki/index.php/Sism%C3%B3grafo
terremotos
Sismógrafo real | Imagem extraída de InfoEscola, via Yamaguchi先生 em Wikipédia - https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kinemetrics_seismograph.jpg

Elaborada por Charles Richter, em 1935, essa escala mostra o quão forte pode ser um tremor. Seus valores vão de 1 a 10 – aliás, quanto mais alto esse valor, mais forte é o terremoto. Esses valores se comportam de forma exponencial (10^n), ou seja, terremotos de escala 2 são 10 vezes mais forte do que terremotos de escala 1 e assim por diante.

Outra escala muito utilizada é a Mercalli, que mede o poder de destruição de um terremoto na sociedade. Ela varia de I a XII - onde I é o mais fraco e XII é o mais forte. E essa forma de medição é interessante quando relacionada com a Richter, pois, muitas vezes, os abalos podem ocorrer em áreas desérticas, causando pouco dano à população.

Mas, em 2011, a situação no Japão foi outra. Veja uma mostra deste terrível evento no vídeo a seguir!

Que outro tópico você gostaria de uma explicação? Escreva as suas sugestões nos comentários!

Veja Também:


Fontes: Brasil Escola, UFMS

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia, com parte da graduação em Shibaura Institute of Technology, no Japão; já atuou como estagiário em grande conglomerado industrial, no setor de Sistemas Elétricos de Potência.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo