Engenharia 360

Entenda a óptica adaptativa, uma ferramenta muito poderosa para a astronomia

Engenharia 360
por Rafael Panteri
| 25/05/2021 | Atualizado em 28/01/2023 2 min

O objetivo da óptica adaptativa é diminuir imperfeições nas observações astronômicas. Entenda melhor como essa técnica é utilizada!

Entenda a óptica adaptativa, uma ferramenta muito poderosa para a astronomia

por Rafael Panteri | 25/05/2021 | Atualizado em 28/01/2023

O objetivo da óptica adaptativa é diminuir imperfeições nas observações astronômicas. Entenda melhor como essa técnica é utilizada!

Engenharia 360

A astronomia é a ciência natural que estuda corpos celestes e fenômenos com origem fora da atmosfera terrestre. É uma das áreas de estudo mais antigas da humanidade. Mas só foi com o advento dos telescópios que atingimos a astronomia moderna. Contudo, apesar dos enormes avanços tecnológicos, uma observação crua feita por um telescópio ainda apresenta imperfeições e “ruídos”. E para corrigi-los, os cientistas utilizam a óptica adaptativa!

Sobre a óptica adaptativa

A óptica adaptativa é uma técnica instrumental que tem como objetivo corrigir defeitos ópticos dinamicamente – na astronomia, essas aberrações são causadas pela atmosfera terrestre. O sistema consiste em um Sensor de Frente de Onda, responsável por detectar o “formato” da frente da onda que passa pelo sistema óptico; um Espelho Deformável, cujo formato é controlado eletronicamente; e um Subsistema de Controle.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estrutura responsável pela óptica adaptativa de um telescópio. Imagem: GMT
Estrutura responsável pela óptica adaptativa de um telescópio. Imagem: GMT

Segundo o professor João Steiner, astrofísico do IAG – Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP -, a “óptica adaptativa realiza milagres na astronomia”. Ele explica que a técnica “corrige as imagens em tempo real, deformando os espelhos do telescópio com a mesma frequência e a mesma fase que a turbulência”.

Esquema da tecnologia óptica adaptativa
A imagem da esquerda foi feita sem a utilização da óptica adaptativa. A da direita foi utilizada a técnica na mesma região do céu. Imagem: GMT
A imagem da esquerda foi feita sem a utilização da óptica adaptativa. A da direita foi utilizada a técnica na mesma região do céu. Imagem: GMT

Veja Também: Substituto para telescópio Hubble

A Estrela Guia

O sistema da óptica adaptativa necessita de uma referência, a chamada “Estrela Guia” para calibrar o Sensor de Frente de Onda. Essa referência deve ser suficientemente brilhante e estar localizada na vizinhança da estrela observada.

Apesar da enorme quantidade de estrelas no céu, essa operação não é fácil. Por isso, os cientistas criaram uma estrela virtual – uma estrela laser. Um feixe de laser é enviado para camada de sódio da mesosfera – algo entre 50 e 100 quilômetros de altitude; e, ao “richecotear”, cria a tal estrela artificial.  

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Very Large Telescope, no Chile, demonstra a técnica da estrela virtual

Eis os principais telescópios que utilizam essa técnica: GMT ou Giant Magellan Telescope, ainda em construção, e VLT ou Very Large Telescope, ambos no Chile.

E você, o que achou dessa tecnologia? Escreva sua opinião nos comentários!


Fontes: USP, GMT, Óptica adaptativa

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo