Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Obra no Tietê é 1º passo para o hidroanel

por Eduardo Mikail | 27/09/2012
Copiado!

O governo de SP pediu a licença ambiental prévia para iniciar as obras da eclusa da barragem da Penha, no rio Tietê (zona leste da capital), primeiro passo para viabilizar antigo projeto do Estado: o hidroanel metropolitano.

Eclusa é uma obra de engenharia hidráulica que possibilita navegar em locais onde há desnível no leito do rio –ela permite ao barco subir ou descer, conforme o caso.

A licença prévia foi pedida à Cetesb (agência ambiental paulista) e pode ser concedida dentro de um mês.

A eclusa tornaria navegável um trecho de 14 km do rio, até São Miguel Paulista, no extremo leste da cidade. Hoje, o Tietê tem 41 km navegáveis, entre a Penha e a cidade de Santana do Parnaíba.

O projeto do governo é construir um hidroanel de 170 km ao redor da capital, que incluiria os rios Tietê e Pinheiros e as represas Billings (zona sul e ABC) e Taiaçupeba (Suzano). Um canal artificial de 18 km precisará ser feito para ligar as duas represas.

Embora o projeto contemple o transporte de passageiros (principalmente nas represas), a prioridade é transportar lixo, entulhos, material de dragagem do rio, resíduos da construção civil e lodo retirado das estações de tratamento, além de produtos hortifrutigranjeiros.

“É viável a construção do hidroanel. O projeto, se realmente for feito, já se justifica só pelo transporte de material de dragagem e lodo”, diz Alexandre Delijaicov, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Ele é um dos pesquisadores que ajudou a elaborar os projetos iniciais – a faculdade venceu uma licitação.

O horizonte para concluir o hidroanel é 2045. Mas há obras de curto prazo, que podem terminar em cinco anos.

A licitação da eclusa será aberta em breve, segundo Casemiro Tércio Carvalho, diretor do Departamento Hidroviário de SP. “Estamos terminando os orçamentos.”

No total, a implantação do hidroanel deve custar algo em torno de R$ 4 bilhões.

Ao longo da hidrovia estão previstas a construção de 60 ecoportos (que recebem material já triado), 11 eclusas e 3 portos de destino. “São locais que vão promover a interligação do barco, do trem e do caminhão”, diz Delijaicov.

A principal vantagem do hidroanel, dizem os técnicos, é retirar das ruas caminhões que transportam resíduos.

Em alguns casos, será possível usar os rios como uma espécie de piscinão. “É uma alternativa contra as enchentes, que poderá ficar mais barata”, afirma Delijaicov.

LIXO DOMÉSTICO

O ponto negativo: como os barcos vão transportar também lixo doméstico, por exemplo, existe sempre risco de contaminação das águas.

Se o Tietê e o Pinheiros não vão sentir muita diferença, a parte limpa da Billings, onde existe inclusive a captação de água para consumo humano, pode sentir bastante qualquer tipo de incidente.

Via Folha de S. Paulo

Copiado!
Engenharia 360

Eduardo Mikail

Engenheiro Civil, empresário e empreendedor digital. É fundador do Engenharia 360 e sócio-fundador da Bronks content., produtora de conteúdo e projetos digitais. Formado em Engenharia Civil e Administração com especialização em Marketing pela ESPM, já trabalhou em uma das maiores construtoras do país e hoje está à frente da Mikail Arquitetura e Engenharia. Interessado por tecnologia, iGadgets e nas horas vagas curte viagens, música e fotografia. Segue lá no Instagram @eduardomikail

Comentários