Engenharia 360

EUA e Rússia testam mísseis intercontinentais, mas o que seria isso?

Engenharia 360
por Redação 360
| 22/08/2022 | Atualizado em 21/09/2022 3 min

EUA e Rússia testam mísseis intercontinentais, mas o que seria isso?

por Redação 360 | 22/08/2022 | Atualizado em 21/09/2022
Engenharia 360

Recentemente, militares dos Estados Unidos e Rússia testaram mísseis intercontinentais de seus programas nucleares. Os americanos, por exemplo, realizaram testes com o míssil balístico Minuteman III, fabricado pela Boeing, e que eles acreditam ser bastante eficaz e letal; o mesmo viajou 6.760 km, a partir de uma base espacial na Califórnia – sendo que pode alcançar mais de 9.660 km a uma velocidade de aproximadamente 24 mil km/h. Já os russos testaram o Sarmat, chamado de “o mais poderoso” de todos os sistemas antiaéreos modernos; ele foi disparado de Plesetsk e percorreu 6 mil km até a Península de Kamchatka.

mísseis intercontinentais
Míssil russo | Imagem reproduzida de Barcelos na NET

A dúvida que fica é: o que são mísseis intercontinentais? Veja no texto a seguir!

Sobre os mísseis intercontinentais

Um míssil balístico intercontinental (MBIC) é um míssil que possui o mais longo alcance a uma velocidade maior que outros tipos de mísseis. Ele é normalmente desenvolvido para carregar armas nucleares. Então, o país que afirma ter um míssil desses é porque tem, de fato, um programa nuclear ativo. Atualmente, as nações que mantém esse tipo de sistema operacional funcionando nas suas atividades militares – de modo oficial – são: Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, China e Coreia do Norte.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Continue Lendo
mísseis intercontinentais
Simulação míssil americano | Imagem reproduzida de Wikipédia

Agora, não quer dizer que esses países tenham a matéria-prima para fabricar esses mísseis. Pode ser que eles precisem de fornecedores e fabricantes. Aí entram na lista nações como Paquistão, Coreia do Norte, Índia, Síria, Irã, entre outros.

Aliás, falando na Coreia do Norte, a mesma afirma ter realizado, em 2017, um teste bem-sucedido com um míssil intercontinental chamado Hwasong-14, que teria sido disparado simulando atingir o estado americano do Alasca. E, na verdade, o governo americano acredita mesmo que os norte-coreanos alcançaram, na ocasião, êxito em sua tecnologia balística intercontinental.

mísseis intercontinentais
Desfile militar na Coreia do Norte | Imagem reproduzida de Diário do Turismo

O destino da humanidade

É claro que ninguém, em sã consciência, deseja usar mísseis intercontinentais, pois eles levariam o mundo à Terceira Guerra Mundial – que é o mesmo que Armagedom. Contudo, todas as grandes potências têm seguido nessa linha, de apostar nas armas nucleares como solução para estratégias de proteção e ataque. Mas, tentando impedir que essa escalada acabe em algo incontrolável, por muitas vezes, ao longo da história, foram assinados acordos. Só que, em um momento ou outro, visando interesses próprios, alguns países descumprem ou alegam que precisam descumprir porque outros teriam descumprido antes.

mísseis intercontinentais
Míssil russo | Imagem reproduzida de Defesa Aérea & Naval

Enfim, é lamentável que a raça humana tenha chegado nesse ponto. Tomara que um dia a engenharia seja apenas usada para o bem. Era isso que pensava os grandes cientistas que tiveram seus trabalhos desviados para o mal. Não podemos nos esquecer do aeronauta brasileiro Santos Dumont, que morreu na tristeza por ver aquilo que ele tanto amava, o avião, ser usado no combate mundial. O que você acha? Escreva nos comentários!

mísseis intercontinentais
Teste míssil americano | Imagem reproduzida de Revista Força Aérea

Veja Também: Conheça o drone brasileiro lançador de mísseis


Fontes: Wikipédia, Agência Brasil, Poder 360.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários



Assine nossa newsletter
e receba
uma curadoria exclusiva de conteúdos:

Continue lendo