Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Cientistas desenvolvem dispositivo que pode manipular células cerebrais pelo celular

por Larissa Fereguetti | 14/10/2019
Copiado!

Controlar o cérebro humano já foi uma ideia maluca de filmes de ficção. Porém, nos últimos anos, ela tem estado cada vez mais próxima da nossa realidade, tanto que alguns cientistas desenvolveram um dispositivo capaz de manipular células cerebrais pelo celular.

Para isso, eles criaram um implante cerebral e é ele quem é controlado pelo smartphone. O objetivo não é te alienar ou fazer você agir como um robô controlado. O que os cientistas querem é tentar descobrir distúrbios cerebrais como Parkinson, Alzheimer, depressão, vício e dor.

O dispositivo sem fio permite uma modulação neuroquímica que ainda não havia sido encontrada antes. Até o momento, o que tínhamos eram dispositivos grandes, com muitos fios, inadequados para implantes a longo prazo.

Os pesquisadores, que são da Coreia e dos Estados Unidos, acoplaram um cartucho substituível para injeção de substâncias, permitindo um estudo a longo prazo. Para esses cartuchos são usados canais microfluídicos para a medicação e pequenos LEDs (menores que um grão de sal) para fornecer luz.

dispositivo que pode manipular células cerebrais pelo celular
Imagem: sciencedaily.com

Tudo isso pode ser controlado por um smartphone, com uma interface de usuário simples. É possível liberar facilmente uma combinação específica de medicamentos em qualquer indivíduo sem a necessidade de estar em um laboratório ou em um ambiente específico para isso.

Por trás disso tudo está uma poderosa engenharia de micro e nanoescala e um elaborado projeto eletrônico. A tecnologia ajuda não só a compreender melhor o funcionamento do cérebro humano (que ainda tem muitos mistérios) como também fazer teste de fármacos complexos para o desenvolvimento de novas terapias para dor, dependência, estresse e distúrbios emocionais.

Claro que esses dispositivos não serão implantados em cérebros por aí de uma hora para outra. Primeiro, são realizados diferentes testes e aprimoramentos. De toda forma, eles representam um grande avanço para a ciência, mas que deve ser conduzido com ética e responsabilidade.

Referências: UW Medicine; Science Daily.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários