Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Pesquisadores desenvolvem lente mais fina e leve para celulares e drones

por Kamila Jessie | 06/11/2019

Fato comum entre engenheiras e engenheiros é dar certa
atenção às especificações de eletrônicos na hora de comprar um novo. Escolher
uma câmera boa e um design legal para smartphones, contudo, ultrapassa a
categoria do pessoal das exatas e atinge todos os usuários. E vamos convir:
ninguém gosta daquelas lentes protuberantes na parte traseira do celular.

lentes mais finas e leves
Imagem: pnas.org

Lentes planas e mais finas:

Com o perdão do trocadilho, uma equipe de pesquisadores da
Universidade de Utah, nos Estados Unidos, se uniu para acabar com a saliência:
profissionais de engenharia elétrica e de computação desenvolveram um novo tipo
de lente ótica, muito mais fina e leve do que a das câmeras convencionais, que
também funcionam com imagens noturnas, um benefício futuro para smartphones e
drones, além de câmeras de visão noturna para soldados ou cientistas em campo,
por exemplo.

Enquanto as lentes convencionais para câmeras de smartphones
têm alguns milímetros de espessura, as lentes recém-desenvolvidas têm apenas
alguns mícrons de espessura. Isso significa que são mil vezes mais finas que as
lentes comuns, o que também reflete (tu dum tss) no seu peso. O processo de
desenvolvimento desta nova lente envolveu a fabricação de um tipo de polímero
com várias microestruturas que dobram a luz na direção do sensor.
Paralelamente, houve a criação de algoritmos que calculassem a geometria dessas
microestruturas.

Quer um plus? O design dessas microlentes permite que elas
sejam confeccionadas em plástico, em vez de vidro, o que também pode reduzir o
custo de fabricação.

processo de desenvolvimento de câmera com lente mais fina e leve
Imagem: pnas.org

Aplicações futuras:

O resultado é uma lente plana, em vez de curvada, e mais de
20 vezes mais fina que um cabelo humano, com a capacidade adicional de ser
usada em imagens baseadas em visão de calor (por infravermelho) para ver
objetos no escuro.

Um exemplo de uso mais imediato dessa tecnologia seria
permitir que drones militares mais leves voassem por mais tempo em missões
noturnas ou mapeassem incêndios florestais ou procurassem vítimas de desastres
naturais. Outra possibilidade, também voltada para o mapeamento de áreas e
busca seria na ciência, no que tange biologia e meio ambiente. Além disso,
soldados, pesquisadores ou quem quer que seja, poderiam carregar câmeras de
visão noturna e drones muito mais leves por períodos mais longos.

Fonte: PNAS.

Quer saber sobre a aplicação do reconhecimento de imagens? Leia mais: Reconhecimento de padrões por inteligência artificial.

Comentários

Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217