Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Índice de Qualidade do Ar: o que é e como consultar os valores da sua região

por Larissa Fereguetti | 29/10/2019
Copiado!

Depois que o céu de algumas cidades brasileiras ficou bizarro, transformando o dia em noite, muitas pessoas começaram a se preocupar com a qualidade do ar da região em que vivem. Só em 2016, esse mal nem tão invisível assim foi a causa de mais de 4 milhões de mortes no mundo todo. Para ter uma noção sobre a sua região você pode consultar os valores do Índice de Qualidade do Ar, o IQA.

índice de qualidade do ar
Imagem: scmp.com

O IQA (cuidado para não confundir o Índice de Qualidade do Ar com o Índice de Qualidade da Água, já que a sigla é a mesma), como o próprio nome diz, é um índice que indica, diariamente, a qualidade do ar a partir das concentrações de poluentes. O IQA resume essas características em um valor numérico que vaira entre 0 e 300.

Quando maior o IQA, pior a qualidade do ar. Normalmente, ela é considerada boa para os valores de 0 a 50; regular para 51 a 100; inadequada para 101 a 199; má para valores entre 200 e 299 e péssima para valores acima de 300.

O IQA é usualmente calculado com base em alguns poluentes principais, como dióxido de enxofre, monóxido de carbono, material particulado, ozônio e dióxido de nitrogênio. O cálculo é bem simples e usa as concentrações medidas nas estações de monitoramento.

índice de qualidade do ar
Imagem: ambientesst.com.br

No Brasil, a Resolução CONAMA 491/2018 (que revogou e substitui a antiga CONAMA 03/1990) dispõe sobre os padrões de qualidade do ar. Nela, há valores de padrões de qualidade do ar para cada poluente atmosférico em diferentes períodos de referência.

Consultar o IQA da sua região é um pouco mais complicado do que parece. Você precisa encontrar o site que fornece os dados de cada estado (se é que seu estado faz o monitoramento) e escolher a estação de monitoramento que quer pesquisar (se houver uma em sua área). Há uma Plataforma de Qualidade do Ar com algumas estações de monitoramento (em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Rio Grande do Sul e Distrito Federal).

Nas consultas por estado separadamente, para o caso de São Paulo, quem oferece essas informações é a CETESB. Em Minas Gerais, a FEAM publica o Boletim Diário. No Rio de Janeiro, há o MonitorAR, que mostra os boletins atualizados. Vale ressaltar que muitos estados não monitoram porque não há grandes problemas com poluição (como indústrias, tráfego intenso e demais fatores contribuintes para um IQA ruim).

Você também pode consultar a qualidade do ar em alguns mapas digitais mundiais com o Índice de Qualidade do Ar em tempo real, como o waqi ou o aquicn (que, infelizmente, para o Brasil, só mostram cidades de São Paulo).

O que tudo isso mostra é que, no Brasil, ainda somos deficientes no monitoramento da qualidade do ar. Apesar de não haver monitoramento em algumas regiões porque ele não é realmente necessário, quando pensamos em uma escala maior, precisamos considerar que a poluição de desloca para outros locais (como a possível consequência das queimadas na Amazônia ter ido parar no céu de São Paulo).

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários