Engenharia 360

Índice de Qualidade do Ar: o que é e como consultar os valores da sua região

Engenharia 360
por Larissa Fereguetti
| 29/10/2019 | Atualizado em 03/10/2023 3 min
Imagem de rawpixel.com em Freepik

Índice de Qualidade do Ar: o que é e como consultar os valores da sua região

por Larissa Fereguetti | 29/10/2019 | Atualizado em 03/10/2023
Imagem de rawpixel.com em Freepik
Engenharia 360

Nota: Em setembro de 2023, o Amazonas teve o segundo maior número de focos de queimadas desde 1998, comprometendo a qualidade do ar na região. Foram identificados quase 7 mil pontos de incêndio, sendo superado apenas pelo mesmo mês em 2022. A região da Amazônia Legal, que inclui outros estados, teve um total de 34.470 focos de queimadas no mesmo período, ocorrendo durante uma seca severa.

Veja Também: O Que Você Precisa Saber sobre o Mercado de Carbono e sua Relevância Global

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Em 2019, após fenômenos atmosféricos que transformaram o dia em noite em algumas cidades brasileiras, aumentaram as preocupações sobre a qualidade do ar nas regiões habitadas. Um exemplo preocupante ocorreu em 2016, quando a poluição do ar foi responsável por mais de 4 milhões de mortes em todo o mundo. Para compreender a qualidade do ar em determinada região, é possível consultar o Índice de Qualidade do Ar (IQA).

qualidade do ar
Imagem de Ralf Vetterle por Pixabay

Veja Também: Explorando a Engenharia de Mobilidade e suas Oportunidades Profissionais

Índice de Qualidade da Água sobre a Qualidade do Ar

O IQA, diferentemente do Índice de Qualidade da Água, é um indicador diário que reflete a qualidade do ar com base nas concentrações de poluentes presentes. O IQA resume essas informações em um valor numérico que varia de 0 a 300.

Quanto maior o valor do IQA, pior é a qualidade do ar. Valores entre 0 e 50 são considerados bons, de 51 a 100 são regulares, de 101 a 199 são inadequados, de 200 a 299 são ruins e acima de 300 são péssimos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O IQA é calculado levando em conta alguns poluentes principais, tais como dióxido de enxofre, monóxido de carbono, material particulado, ozônio e dióxido de nitrogênio. O cálculo é simples e utiliza as concentrações medidas nas estações de monitoramento.

qualidade do ar
Imagem: ambientesst.com.br

Medidas adotadas para mudar o cenário brasileiro

No Brasil, a Resolução CONAMA 491/2018 estabelece os padrões de qualidade do ar, revogando e substituindo a antiga CONAMA 03/1990. Essa resolução define os padrões de qualidade para cada poluente atmosférico em diferentes períodos de referência.

A obtenção do IQA para uma determinada região é um processo um tanto complexo. É necessário encontrar o site que fornece os dados do estado em questão e selecionar a estação de monitoramento desejada, caso esteja disponível na área de interesse. A Plataforma de Qualidade do Ar engloba algumas estações de monitoramento localizadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Para consultar os dados em cada estado separadamente, em São Paulo, as informações são disponibilizadas pela CETESB. Em Minas Gerais, a FEAM publica o Boletim Diário, enquanto no Rio de Janeiro há o MonitorAR, que apresenta os boletins atualizados. É importante ressaltar que muitos estados não realizam o monitoramento devido à ausência de grandes problemas de poluição, como indústrias, tráfego intenso e outros fatores que contribuem para um baixo IQA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Também é possível consultar a qualidade do ar em mapas digitais globais, como o waqi ou o aquicn, que fornecem o Índice de Qualidade do Ar em tempo real. Infelizmente, essas plataformas abrangem apenas as cidades de São Paulo no Brasil.

Essas informações evidenciam que o monitoramento da qualidade do ar ainda é deficiente no Brasil. Embora a ausência de monitoramento em algumas regiões seja justificada pela falta de necessidade real, é fundamental considerar que a poluição pode se deslocar para outras áreas, como ocorreu com as queimadas na Amazônia, cujas consequências se refletiram nos céus de São Paulo.

Veja Também:


Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Cientista e Engenheira de Saúde Pública, com mestrado, também doutorado em Modelagem Matemática e Computacional; com conhecimento em Sistemas Complexos, Redes e Epidemiologia; fascinada por tecnologia.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo