Engenharia 360

Guerra da Ucrânia: como funciona o sistema antiaéreo fornecido pela Alemanha

Engenharia 360
por Redação 360
| 23/11/2022 4 min

Guerra da Ucrânia: como funciona o sistema antiaéreo fornecido pela Alemanha

por Redação 360 | 23/11/2022
Engenharia 360

Infelizmente, enquanto assistimos à Copa do Mundo, vidas se perdem ao redor do planeta, muitas em conflitos, como o mais recente, iniciado pela Rússia. Para se defender, a Ucrânia realiza todos os dias diversas manobras. Mas uma delas colocou em risco civis poloneses que habitam a fronteira com o país. Na metade do mês de novembro, uma explosão matou duas pessoas do lado da Polônia. E antes que os parceiros da Otan reagissem, foi dito que se tratava de um acidente não intencional, com um míssil perdido da própria Ucrânia.

Acontece que a Ucrânia hoje tem dificuldades de prever os mísseis russos e, com isso, tem cometidos erros que podem levar a grandes desastres. Pensando nisso, a Alemanha ofereceu ao vizinho europeu um poderoso sistema de defesa antiaéreo, o Patriot, que pode, assim, proteger a Polônia. Saiba mais no texto a seguir!

Guerra da Ucrânia
Imagem reproduzida de The National Interest

A tecnologia de defesa antiaérea Patriot

O sistema Patriot foi projetado pelos Estados Unidos nos anos de 1960, com objetivo de neutralizar diversos tipos de ameaças aéreas, como mísseis, aviões e drones maiores. E o mesmo começou a ser implementado nos anos de 1980, pelo exército norte-americano. Quem passou a fabricá-lo foi a empresa de equipamentos bélicos Raytheon. Sua promessa é de que o produto possa cobrir cerca de 68 km, rastreando até 50 alvos e atacando 5 de uma vez só. Dependendo da versão em uso, os mísseis interceptadores podem chegar a uma altitude de mais de 2 km e atingir alvos a até 160 km de distância.

Veja Também: EUA e Rússia testam mísseis intercontinentais, mas o que seria isso?

Países que já utilizam o sistema

Ucrânia e Polônia não seriam os primeiros países a utilizar o sistema Patriot. Na verdade, 18 países já o usam para a sua defesa. Só a Alemanha, em determinada ocasião, adquiriu 12 unidades, instalando 2 delas, por questão de estratégia, na Eslováquia. Mas, voltando no tempo, em 1991, os Estados Unidos e sua coalizão usaram o Patriot em diversos combates em áreas povoadas em Israel, interceptando mísseis Scud iraquianos durante a Operação Tempestade no Deserto.

Pesquisas em anos posteriores questionaram a eficácia do Patriot, sobretudo quando militares americanos foram atacados em seu alojamento na Arábia Saudita. Na ocasião, o sistema não conseguiu interceptar o míssil que chegava e 28 pessoas morreram. Por isso, a tecnologia precisou ser aprimorada, levando-a à maior eficiência.

Em 2003, o Patriot foi novamente enviado para o Iraque, durante a guerra liderada pelos Estados Unidos. Depois disso, todos os testes foram muito bem sucedidos. Mas, ainda assim, o custo se manteve bem alto. Por exemplo, a unidade enviada à Polônia tem valor de 4,75 bilhões de dólares. E um único teste com ele pode custar até 100 milhões de dólares. Diante disso, membros da Otan resolveram dividir os custos quando preciso, inclusive para compras de mais unidades Patriot.

Guerra da Ucrânia
Imagem reproduzida de Reuters
Guerra da Ucrânia
Imagem reproduzida de NATO em YouTube

O uso do Patriot na Guerra da Ucrânia

Cada unidade Patriot precisa de 90 soldados especialistas operando; esta é a parte complicada. A boa notícia é que, dependendo do tipo e da trajetória do disparo que atingiu a Polônia, o sistema tem grandes chances de interpretá-lo. Lembrando que a tecnologia tem grande potencial de defender um território contra mísseis balísticos táticos, mísseis de cruzeiro, drones, aeronaves e “outras ameaças” – não especificadas pela Raytheon. E isso é bom, levando em conta que ninguém tem ideia dos planos traçados pela Rússia.

Guerra da Ucrânia
Imagem reproduzida de Defence Blog
Guerra da Ucrânia
Imagem reproduzida de The National Interest

“A Polônia é nossa amiga, aliada e, como vizinha da Ucrânia, particularmente exposta.” – Christine Lambrecht, ministra alemã da Defesa, em reportagem de Globo.

Então, a Otan aposta suas fichas nesse sistema. O Patriot está ligado e pronto para rastrear e interceptar! Mas vamos torcer que jamais seja necessário usar qualquer um desses novos equipamentos e que esses tristes conflitos ao redor do mundo cheguem ao fim. Afinal, merecemos tempos de paz!


Fontes: Globo.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo