Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Essas perguntas foram feitas em entrevistas de emprego do Google. Você conseguiria respondê-las?

por Larissa Fereguetti | 16/01/2018
Copiado!

“Qual animal você gostaria de ser?” “Por que a nossa empresa deveria escolher você?” “Fale sobre você, o que gosta de fazer?”. Cansado de responder ao mesmo tipo de pergunta em entrevistas de emprego? Esqueça essas perguntas padrão se você fizer uma entrevista na Google. Conhecida por um ambiente de trabalho nada formal e por ter projetos e funcionários criativos, o processo seletivo da empresa também é diferente dos que você está acostumado.

Imagem: seroundtable.com

O objetivo das perguntas é avaliar o raciocínio do candidato. Assim, não há uma resposta exata para a maioria, mas é preciso que a sua resposta seja lógica e respeite as restrições definidas na pergunta. No livro “Are you smart enough to work at Google?” (“Você é inteligente o bastante para trabalhar na Google?”, na edição em português), William Poundstone apresenta e discute várias perguntas feitas nas entrevistas de emprego na companhia. Algumas delas você confere abaixo:

Como pesar um elefante sem balança?

Imagem: moziru.com

A ideia é colocar o elefante em uma embarcação fazendo um risco na altura do nível da água. Em seguida, você pode pegar sacos de areia ou qualquer outra coisa e ir jogando na embarcação até que o nível da água alcance a marcação. Sabendo quantos quilos de areia você colocou, você sabe quanto pesa o elefante.

Seja a sequência 10, 9, 60, 90, 70, 66. Qual é o próximo número?

Imagem: pinterest.ca

Neste caso, é preciso pensar em inglês: escreva cada um deles (ten, nine, sixty, ninety, seventy, sixty-six), conte o número de letras (3, 4, 5, 6, 7 e 8) e observe o padrão: há mais números com essa mesma quantidade de letras, mas esses foram escolhidos. Assim, o próximo número pode ser qualquer um com nove letras que termine com 0, 9 ou 6.

Você precisa ter certeza de que Bob tem o seu número de telefone, mas não pode fazer a pergunta diretamente. É necessário escrever a mensagem para Eve, outra pessoa, levar. Ela entregará o papel para Bob e trará uma resposta para você. O que você escreve para Bob, sendo que não quer que Eve tenha seu número?

Imagem: cs110.wellesley.edu

Eve, neste caso, é de “eavesdropping”, que significa espionagem. A pergunta está relacionada à criptografia, mas não é preciso desenvolver um sistema de decodificação. Basta pedir a Bob para ligar em um horário específico e, se ele souber o seu número, ele ligará (considerando que Bob não esquecerá de ligar).

Você consegue encaixar uma pilha do tamanho do Empire State Building em uma sala?

Imagem: ifasale.blogspot.com.br

A resposta dessa pergunta é “sim” ou “não”. Não é preciso saber que o edifício tem 102 andares (381 metros) e partir para as contas. Você sabe que não há uma sala com um pé direito tão alto, mas você pode dividir a pilha em várias pilhas menores, fazendo caber em uma sala com altura comum. Então, a resposta é “sim”.

Você e seu vizinho estão fazendo um bazar no mesmo dia e os dois pretendem vender um objeto igual. Enquanto você quer vender por 100 dólares, seu vizinho quer vender por 40 dólares. O que você faz, sabendo que a sua relação com seu vizinho não é muito amigável?

Imagem: reinaux.wordpress.com

O alerta para essa questão é a parte que diz que sua relação com o vizinho não é amigável, o que faz com que você precise de uma resposta estratégica. Você poderia dizer ao seu vizinho que ele está perdendo dinheiro e que poderia vender por 100 dólares, mas isso faria com que um comprador tivesse a chance de escolher entre o seu e o dele. Assim, a forma mais simples de tirar o objeto do vizinho do mercado é comprá-lo. Os preços da pergunta foram escolhidos de forma que os 40 dólares sejam comparáveis ao dano econômico que ele lhe causa. Depois, você pode vender pelo preço que quiser (e pode também escondê-lo e esperar vender o primeiro para depois exibir o segundo a um preço menor, de acordo com a hora do dia).

Há três caixas e uma delas contém um prêmio, as outras estão vazias. Você pode escolher uma, mas não sabe se ela está vazia ou não. Uma das outras caixas é aberta e ela está vazia. Você pode continuar com a caixa que escolheu ou pode trocar pela outra que ainda não foi aberta. O que você escolhe?

A questão parece um programa em que os participantes devem escolher uma porta para saber se ela contém um prêmio. Fãs do seriado NUMB3RS (uma série cujo protagonista é um matemático que ajuda seu irmão, o outro protagonista, a resolver os casos do FBI) vão lembrar do curso de “Matemática para não matemáticos” apresentado no último episódio da primeira temporada. A intuição te diz que, com duas caixas, tanto faz, a chance é 50-50. Mas, ela só estaria certa se a caixa revelada fosse escolhida aleatoriamente, o que não acontece (ela é revelada por alguém que sabe que o prêmio não está ali). Assim, a caixa que você escolheu ainda tem 1/3 de chance de conter o prêmio. Por outro lado, a caixa restante passa a ter 2/3 de chance de conter o prêmio, pois a outra estava vazia e quem revelou sabia disso. Então, a melhor opção é trocar de caixa, visto que você dobra a chances ganhar.

A explicação também é apresentada no vídeo abaixo:


A partir das perguntas mostradas, é fácil ver que apresentar a resposta mais simples e prática é uma vantagem. A Google quer as pessoas que têm habilidade para intuir soluções simples e funcionais, e não pessoas que fazem as coisas difíceis porque podem fazer. Por exemplo, supondo que você tenha um milhão de folhas de papel, cada um com os dados de um estudante universitário, como você faria para classificá-los em ordem de idade (em anos)?

Um engenheiro da Google fez essa pergunta para a sua mãe e a resposta foi mais eficiente que a de muitos candidatos com um nível de instrução elevado entrevistados por ele. Ela respondeu que faria pilhas por idade (ex: 19, 20, 21 anos) e, no final, ela juntaria as pilhas em ordem. Como a restrição da pergunta é em anos, a resposta funciona perfeitamente. Esse procedimento é muito mais rápido que o Quicksort, um algoritmo de ordenação (considerado eficiente em muitos casos) sugerido pelos candidatos.

Referências: “Are you smart enough to work at Google?” (William Poundstone); The Guardian; Business Insider.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários