Engenharia 360

Arquitetos e engenheiros se inspiram em espécie de esponja para criar projetos de arranha-céus

Engenharia 360
por Redação 360
| 26/08/2021 | Atualizado em 17/01/2023 4 min

Pesquisadores analisaram uma espécie de esponja para entender como criar prédios, pontes, navios e aeronaves mais resistentes. Saiba mais!

Arquitetos e engenheiros se inspiram em espécie de esponja para criar projetos de arranha-céus

por Redação 360 | 26/08/2021 | Atualizado em 17/01/2023

Pesquisadores analisaram uma espécie de esponja para entender como criar prédios, pontes, navios e aeronaves mais resistentes. Saiba mais!

Engenharia 360

Projetar ou construir estruturas como arranha-céus ou pontes, em que se deve considerar a ação dos ventos, tempestades e tremores, é sempre um grande desafio. O grau de dificuldade poderia ser comparado a projetar navios e aeronaves, por exemplo.

A saber, um dos itens mais importantes na construção de um arranha-céu é a sua sustentação. Isso é o que garante a segurança das instalações. Explicando melhor, para ser possível criar uma estrutura realmente alta, são necessárias colunas e gradeamentos feitos com ferro de alta resistência. E esses elementos é que formarão o esqueleto que dará sustentação à edificação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O edifício Torre Mode Gakuen Cocoon, com 204 metros e 50 andares, localizado no distrito de Nishi-Shinjuku, Tóquio, Japão, é um exemplo. Sua estrutura pode ser desafiadora, tanto pelo seu formato, quanto pela sua altura. Veja na imagem a seguir!

arranha-céus
Torre Mode Gakuen Cocoon – Imagem reproduzida de Pinterest
Observação: a construção da Torre Mode Gakuen Cocoon antecede o estudo apresentado a seguir. Contudo, é um exemplo de design que melhor representa como a natureza pode inspirar a elaboração de trabalhos em Arquitetura e Engenharia!

A esponja de vidro do mar

Uma parceria entre pesquisadores da New York University Tandon School of Engineering e cientistas da Universidade de Roma Tor Vergata resultou no estudo da estrutura de uma esponja cesta de flores de Vênus (E. aspergillum), conhecida como “esponja de vidro” do mar. E a estrutura desta esponja, desde então, tem inspirado projetos mais seguros e eficientes em Arquitetura e Engenharia

arranha-céus
Imagem reproduzida de Twitter

Características físicas e dinâmicas

Parte do estudo foi observar como as cavidades e os cristais no corpo do organismo marinho influenciam a hidrodinâmica da água que penetra na esponja e como esse movimento constante consegue melhorar suas propriedades mecânicas. 

O formato da “esponja de vidro” é cilíndrico com paredes finas e um grande átrio central. Sua estrutura é formada por espículas (corpúsculos siliciosos) entrelaçadas; compostas por três raios perpendiculares, formando uma malha muito fina que garante uma rigidez que permite que ela sobreviva em grandes profundidades. Sendo percebido que, interagindo com o movimento de águas profundas, o corpo da “esponja de vidro” consegue se deformar sem abalar sua estrutura.

Os estudantes, estudando a estrutura da esponja e observando o fluxo dos fluidos internos e externos à sua cavidade, concluíram que, a estrutura diminui o arrasto causado pelo movimento da água. Fora isso, também cria redemoinhos dentro da cavidade usada para alimentação e reprodução. Isto seria resultado da organização das cavidades e dos cristais dentro da própria estrutura corporal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

arranha-céus
Imagem reproduzida de DW
arranha-céus
Imagem reproduzida de Gavilte

Reprodução na Engenharia

Um dos propósitos deste estudo da New York University Tandon School of Engineering e Universidade de Roma Tor Vergata é encontrar a “fórmula perfeita” para se conseguir construir estruturas mais resistentes e eficientes usando-se menos materiais. Com isso, seria possível construir edifícios mais fortes e mais altos, pontes mais longas e espaçonaves mais leves.

arranha-céus
Imagem reproduzida de Canal Tech
arranha-céus
Imagem reproduzida de Engenharia Compartilhada

Em análises feitas em laboratório, os pesquisadores utilizaram modelos 3D e realizaram simulações computadorizadas. Cerca de 100 bilhões de partículas virtuais foram utilizadas para eles poderem reproduzir as condições hidrodinâmicas ideais do fundo do mar.

Apesar dos bons resultados já obtidos, é necessário o completo estudo da estrutura da “espoja de vidro”, suas propriedades e geometria. O entendimento de como se comportam, minimizando o arrasto das águas, poderá tornar mais seguros os projetos de prédios muito altos, pontes, navios e aeronaves, já que estes também sofrem com o arrasto causado por ventos e pela água.

arranha-céus
Imagem reproduzida de Canal Tech

Veja Também: Startup de Israel cria material com propriedades resistivas parecidas às teias de aranhas

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


O Engenharia 360 tem muito mais a compartilhar com você! Confira ao webstories a seguir!


Fontes: Yahoo, Engenharia Compartilhada, Canal Tech.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo