Engenharia 360

Linha 15 - Prata: os detalhes do acidente no Monotrilho em São Paulo

Engenharia 360
por Redação 360
| 09/03/2023 4 min
Imagem reproduzida de TV Globo

Linha 15 - Prata: os detalhes do acidente no Monotrilho em São Paulo

por Redação 360 | 09/03/2023
Imagem reproduzida de TV Globo
Engenharia 360

Esta semana foi agitada para São Paulo. Em um curto prazo de tempo, trens da Linha 15 – Prata do Monotrilho - que transporta cerca de 115 mil passageiros por dia - bateram de frente entre as estações de Sapopemba e Jardim Planalto.

Na madrugada do dia 9 de março de 2023, ocorreu a última colisão enquanto os operadores estavam nos trens - um deles ficou ferido. As atividades no local tiveram que ser interrompidas e o Sistema Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) foi acionado. Os trens envolvidos no incidente foram recolhidos para o Pátio Oratório.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

colisão Linha 15 - Prata
Imagem reproduzida de Joven Pan

O que se sabe do acidente na Linha 15 - Prata de SP

De fato, os dois trens da Linha 15 - Prata estavam indo em direções opostas - sendo que o que saiu da estação Sapopemba estava seguindo na direção correta. No entanto, é necessário entender o motivo disso acontecer! Alguns incidentes anteriores podem fornecer pistas.

colisão Linha 15 - Prata
Imagem reproduzida de TV Globo via IG
colisão Linha 15 - Prata
Imagem reproduzida de Sabina Simonato - TV Globo
colisão Linha 15 - Prata
Imagem reproduzida de Sabina Simonato - TV Globo 2

Incidentes anteriores

Por exemplo, em janeiro foi descoberta uma trinca na estrutura de concreto do Monotrilho da Linha 15 - Prata devido a um deslocamento, entre as estações Vila Prudente e Oratório. Em outro incidente, uma peça dos trilhos que estava solta, chegou a cair sobre uma ciclovia. E anteriormente, em 2017, passageiros encontraram uma peça de metal na Avenida Professor Luiz Ignácio Anhaia Mello, por onde passam os volts que energizam o trem.

Já houve relatos de colisões de trens próximas à estação Sapopemba em outras ocasiões. Em 2019, houve um incidente semelhante, mas felizmente, não houve vítimas. A Comissão de Segurança do Metrô atribuiu a culpa a um erro humano na colisão do Monotrilho da Linha 15 - Prata. Ficou registrado que a ação de um funcionário tornou o trem estacionado na estação Jardim Planalto "invisível ao sistema". Como resultado, a composição que vinha logo atrás não percebeu o trem e houve uma colisão entre os dois.

Naquela ocasião, todos os procedimentos operacionais da Linha 15 - Prata foram revisados. No entanto, agora é necessário uma investigação mais detalhada, pois o caso parece ser diferente. A gestora do Monotrilho decidiu reduzir a velocidade e aumentar o intervalo de paradas nas operações do restante da linha, por enquanto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Linha 15 - Prata
Imagem reproduzida de Metrô CPTM

Possíveis causas do acidentes

Para a engenharia, a colisão frontal de trens em monotrilho pode ter diversas causas, algumas delas incluem:

  • Falhas no sistema de sinalização e controle de tráfego: se o sistema que controla a circulação dos trens no monotrilho apresentar falhas, os trens podem colidir frontalmente, especialmente em pontos onde a via é única e não há possibilidade de desvio.
  • Problemas técnicos nos trens: problemas mecânicos ou elétricos em um ou em ambos os trens podem fazer com que eles percam o controle e colidam frontalmente.
  • Erros humanos: erros de operação, falha de comunicação, falta de treinamento adequado dos operadores, entre outros, podem levar a uma colisão frontal.
  • Problemas na infraestrutura: falhas na manutenção da infraestrutura do monotrilho, como problemas com a via ou com as estruturas de suporte dos trilhos, podem levar a uma colisão frontal.
  • Violações de regras de segurança: violações de regras de segurança, como excesso de velocidade, não respeitar sinais e semáforos, entre outros, podem levar a uma colisão frontal.
  • Falhas na supervisão e fiscalização: a falta de supervisão adequada da operação do monotrilho e da fiscalização da manutenção e da segurança do sistema pode aumentar o risco de uma colisão frontal.
  • Interrupções no fornecimento de energia elétrica: se houver uma interrupção no fornecimento de energia elétrica para o monotrilho, os trens podem perder o controle e colidir frontalmente.

Em resumo, a colisão frontal de trens em monotrilho pode ser causada por uma variedade de fatores, incluindo problemas técnicos, erros humanos, condições climáticas adversas, falhas na infraestrutura e violações de regras de segurança. O que será que pode ter acontecido com a Linha 15 - Prata? Deixe seu palpite na aba de comentários do Engenharia 360!

Veja Também: Análise dos fatores por trás do colapso do teto do Osasco Plaza Shopping


Fontes: Petro no Branco, G1.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, liderada pelo engenheiro Eduardo Mikail, e com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo