Engenharia 360

Digitalização da produção: descubra como a tecnologia aumenta a segurança da Indústria Automotiva

Engenharia 360
por Samira Gomes
| 08/09/2020 | Atualizado há 24 horas 4 min
Imagem de usertrmk em Freepik

Digitalização da produção: descubra como a tecnologia aumenta a segurança da Indústria Automotiva

por Samira Gomes | 08/09/2020 | Atualizado há 24 horas
Imagem de usertrmk em Freepik
Engenharia 360

Muitas empresas tiveram que se adaptar ao chamado "novo normal". As fábricas do setor automotivo, por exemplo, sofreram um grande impacto, devido ao elo essencial formado entre os operadores na cadeia de produção dos veículos. Com essa pressão, as atuais linhas de produção foram ajustadas e otimizadas para a nova realidade.

Mudanças foram impostas: os operadores inevitavelmente trabalhavam com muita proximidade. Dividiam caixas de peças, ferramentas e outros materiais habituais, utilizados em suas respectivas tarefas. Cenário que vai contra as medidas de segurança indispensáveis para a saúde dos funcionários, inviabilizando muitas outras condições na manufatura.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

indústria automotiva
Imagem de usertrmk em Freepik

A revolução na área da Indústria Automotiva

Para preservar a saúde dos funcionários, as indústrias automotivas tiveram que reorganizar e adequar apressadamente suas instalações de fabricação. Embora sejam fundamentais, essas intervenções podem influenciar definitivamente a produtividade e o ganho de uma área de produção.

Analisando as estações de fabricação, por exemplo, enxergamos que estas precisam ser remanejadas em uma determinada linha de produção, para que os operadores humanos exerçam suas tarefas a uma distância mínima de um metro e meio. Além disso, cada funcionário deve ter seus próprios recursos de produção, para evitar a disseminação de doenças por meio do compartilhamento de ferramentas e outros objetos que possam estar contaminados. Mudanças aparentemente ínfimas, mas que podem atrapalhar o rendimento dos trabalhadores.

indústria automotiva
Imagem de usertrmk em Freepik

Outra modificação, que também pode interferir negativamente na produtividade da indústria, se refere à troca de turno. Com o intuito de garantir a segurança dos funcionários, os fabricantes devem designar um tempo aditivo entre os turnos para higienizar todo o ambiente de trabalho e os instrumentos manuseados, bem como averiguar se os operadores chegam saudáveis à fábrica. Dessa maneira, as mudanças de turno mais prolongadas correspondem a um tempo maior de produção parada e redução da quantidade diária de turnos.

Novas tecnologias de manufatura passaram a ser empregadas pelas empresas, com o propósito de amenizar os efeitos das novas medidas de segurança nas linhas de fabricação e estações de trabalho. Manufatura aditiva, realidade virtual e robótica avançada são alguns exemplos de tecnologias empregues para auxiliar no crescimento da segurança e eficiência da produção.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Um exemplo disso são os veículos guiados e automatizados (AGVs – automated guided vehicles), capazes de substituir caixas de utensílios compartilháveis, automatizar a entrega de materiais à linha de produção habilmente e realizar outras tarefas de logística, possibilitando o afastamento físico entre os operadores.

Veja Também: Quais as tendências estratégicas do setor automobilístico pós-pandemia

Como a digitalização garante um processo mais eficiente

Ainda que tragam muitos benefícios, a implementação dessas inovações tecnológicas pode requisitar grandes investimentos. Fora os desafios financeiros, as novas estações de produção devem ser testadas, averiguadas e aprovadas, de maneira que possíveis problemas sejam evitados durante a realização da produção.

É importante enfatizar que não são apenas os fabricantes de equipamento original (OEMs) que estão se habituando ao novo cenário. Os fornecedores também são responsáveis por alterar sua área de produção, respeitando, assim, as novas orientações de segurança. E enquanto ocorre essa adaptação, a digitalização mostrou-se primordial na tarefa de efetuar a produção com segurança, agilidade e superação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para aferir, certificar, captar problemas e aprimorar a linha de produção, soluções de softwares modernas, como o gêmeo digital, são capazes de ser simuladas, com o também objetivo de manter os funcionários seguros em seu ambiente de trabalho.

indústria automotiva
Imagem de usertrmk em Freepik

Essas soluções podem abranger dados de fontes diversificadas da produção e uni-los em relatórios importantes e contextualizados. No entanto, uma técnica de digitalização vigorosa não deve ficar restrita apenas ao layout e gerência de produção.

É imprescindível englobar gerenciamento do ciclo de vida produto (PLM), planejamento de recursos corporativos (ERP), gerenciamento de operações de manufatura (MOM) e design de produto e produção, para que as empresas consigam converter a complexidade em proveito competitivo após descomplicar as operações e aperfeiçoar a colaboração nas cadeias de suprimento.

Como ser mais resiliente mediante à digitalização

Além de tudo, a digitalização também propicia a união de empresas automotivas em situações de crise, a fim de compartilhar experiências e melhorar a colaboração. Um dos pontos positivos desse novo cenário para o setor serão as lições adquiridas com a conquista de novas parcerias. A indústria automotiva passará a ser mais resistente e solucionará desafios futuros com mais preparo.

Você concorda que essa nova tecnologia pode minimizar as consequências das novas medidas de segurança na indústria? Compartilhe a sua opinião nos comentários!


Fontes: Crypto ID.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com contato@engenharia360.com para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Samira Gomes

Engenheira de Produção formada pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF); certificada como Yellow Belt em Lean Seis Sigma.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo