Engenharia 360

Catástrofe: cabos submarinos de Internet danificados comprometem a comunicação global

Engenharia 360
por Redação 360
| 08/11/2022 | Atualizado em 27/01/2023 4 min

Catástrofe: cabos submarinos de Internet danificados comprometem a comunicação global

por Redação 360 | 08/11/2022 | Atualizado em 27/01/2023
Engenharia 360

Não sei se você sabe, mas sob os nossos oceanos há, hoje, muitos cabos submarinos instalados pelo homem. São cerca de 550 cabos de fibra óptica, que conectam todos os continentes do globo, com exceção da Antártica.

https://www.instagram.com/p/CkizIQANhD_/

Para que servem? Bem, para a manutenção da Internet no mundo. Por exemplo, há o cabo Asia-Africa-Europe (AAE-1), que conecta Hong Kong a Marselha, na França, com ramificações passando pelo Sudeste Asiático, Oriente Médio, África e Europa, somando 24,94 mil km de extensão. Acontece que o mesmo, recentemente, foi danificado, cortado – acredita-se que por uma âncora. E as consequências foram as piores possíveis!

Por exemplo, regiões como da Etiópia e Somália perderam a conectividade quase que total. Houve blecautes, lentidão e queda de serviços na nuvem de grandes companhias, como Google, Amazon e Microsoft, da Ásia até a Europa. Por sorte, foi possível corrigir estas falhas depois de algum tempo relativamente curto. Mas o que preocupa os engenheiros é que casos assim são cada vez mais comuns!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

cabos submarinos
Imagem reproduzida de djibouti data center

A instalação dos primeiros cabos submarinos no mundo

Acredite ou não, os primeiros cabos submarinos instalados no mundo seriam para uso de telégrafos, ainda no século XIX. O primeiro deles, de 1850, ligava a Inglaterra com a França pelo Canal da Mancha, não tinha proteção nenhuma e só funcionou por 3 dias, quando foi cortado por um pescador. Contudo, mesmo assim, o experimento foi válido, servindo de base para futuras empreitadas. Por exemplo, não podemos esquecer do primeiro cabo transatlântico, entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, instalado em 1858. Ele funcionou por três semanas, mas pelo menos permitiu uma troca de mensagem entre a rainha Vitória e o presidente James Buchanan.

cabos submarinos
Imagem reproduzida de Mar Sem Fim

As novas conexões submarinas para comunicações

Com o passar dos anos, se percebeu ser preciso usar cabos mais robustos, também mais bem protegidos, até porque saímos do uso da tecnologia dos telégrafos para a dos telefones; e agora ainda usamos a Internet de alta velocidade. Acontece que os riscos não desapareceram – inclusive porque o leito dos oceanos é um lugar instável e repleto de criaturas como os tubarões. Mesmo assim, até mesmo a latência da Starlink ainda não supera a capacidade de conexões físicas submarinas; fora que, por hora, ainda é mais barato puxar cabos de rede sob as águas.

cabos submarinos
Imagem reproduzida de TecMundo

Acontece que estamos em risco, porque temos uma alta dependência das conexões submarinas para comunicações. Resumindo, não se tem hoje como todos nós solicitarmos Internet de alta velocidade sem que se tenha instaladas estas conexões submarinas. Por mais que as posições destas sejam bem especificadas em cartas náuticas, não raras são as ocasiões em que navios soltam suas âncoras de qualquer jeito, atingindo os cabos em cheio. E as consequências você já sabe!

Aliás, a saber, o próprio Canal de Suez, uma das principais passagens marítimas comerciais, atravessa o mesmo trecho em que os cabos estão. Isso faz com que o trecho do Mar Vermelho seja um dos mais críticos do mundo em se tratando de manutenção da Internet.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As formas de evitar incidentes com conexões via cabos submarinos

Claro que os engenheiros não ficam simplesmente desenrolando cabo oceano afora, não é assim que a coisa funciona. Há vários fatores envolvidos, como custos e riscos ambientais, além de que algumas rotas simplesmente não são seguras por ameaças de conflitos entre nações. E a triste realidade é que não há solução que impeça estes incidentes com cabos submarinos. O que se pode fazer é estudar rotas alternativas, a fim de diminuir pontos críticos – onde há navegadores imprudentes, soltando âncoras de qualquer jeito. E, sim, a fibra óptica continua sendo a tecnologia mais confiável.

cabos submarinos
Imagem reproduzida de Olhar Digital

Então, no futuro, se a sua Internet banda larga cair, consulte as notícias. Vá que alguém ancorou seu navio onde não devia!


Fontes: Meio Bit.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo