Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

BIM será obrigatório para todas as obras? | 360 Explica

por BIM na Prática | 12/07/2021

O Decreto BIM tornará o BIM obrigatório para todas as obras? Como funcionará a adoção da metodologia pelo setor público e pelo mercado privado? Confira!

Neste ano, o ‘Decreto BIM‘ entrou em vigor pelo Governo Federal! Mas será que isso quer dizer que o BIM será obrigatório para todas as obras? Então, é importante entender bem alguns fatores chaves para não se enganar!

Assim, por meio do Decreto Nº 10.306, de 2 de abril de 2020, ou também conhecido como Decreto BIM, iniciou-se a aplicação de estratégias ao nível Nacional para implementação da Modelação da Informação da Construção de maneira gradual no Brasil. A iniciativa tem o objetivo de trazer mais transparência e eficiência, e menor desperdício para o setor da Construção Civil. 

Temos um marco de 10 anos para que o país se adapte às novas mudanças! Mas, afinal, quais são os objetivos a serem cumpridos, prazos e obrigatoriedade? Já desmistificamos alguns mitos do BIM em outro post, por isso, neste a seguir, vamos focar em como esse processo de transformação de mercado se dará! Confira!

A Origem da Estratégia BIM BR

Antes de mais nada, é importante entender a linha do tempo da regulamentação do BIM BR para ter uma contextualização da mesma.

  • 17/05/2018 – Decreto Nº 9.377 – (Revogado): Institui a Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information Modelling.
  • 22/08/2019 – Decreto Nº 9.983 : Dispõe sobre a Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information Modelling e institui o Comitê Gestor da Estratégia do Building Information Modelling.
  • 02/04/2020 – Decreto Nº 10.306: Estabelece a utilização do Building Information Modelling na execução direta ou indireta de obras e serviços de engenharia realizados pelos órgãos e pelas entidades da administração pública federal, no âmbito da Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information Modelling- Estratégia BIM BR, instituída pelo Decreto nº 9.983, de 22 de agosto de 2019.
Decreto BIM - BIM obrigatório para obras públicas
Decreto 10306 de 2020 oficial do governo federal

Os 9 objetivos da Estratégia BIM BR

A Estratégia BIM BR tem o objetivo de “Promover um ambiente adequado ao investimento em Modelação da Informação da Construção e sua difusão no país”, para isso, foram definidos 9 objetivos

  • I) Difundir o BIM e seus benefícios;
  • II) Coordenar a estruturação do setor público para a adoção do BIM;
  • III) Criar condições favoráveis para o investimento, público e privado, em BIM;
  • IV) Estimular a capacitação em BIM;
  • V) Propor atos normativos que estabeleçam parâmetros para as compras e contratações públicas com uso do BIM;
  • VI) Desenvolver normas técnicas, guias e protocolos específicos para a adoção do BIM;
  • VII) Desenvolver a Plataforma e Biblioteca Nacional BIM;
  • VIII) Estimular o desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias relacionadas ao BIM ;
  • IX) Incentivar a concorrência no mercado por meio de padrões neutros de interoperabilidade BIM.

Disseminação da Estratégia BIM BR

Para o Decreto Nº 10.306 foram definidos os órgãos que contribuirão com as ações de disseminação da estratégia, sendo: 

  • Ministério da Defesa: 
    • Exército;
    • Marinha; e
    • Aeronáutica;
  • Ministério da Infraestrutura: 
    • Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC); e
    • Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Os 5 órgãos serão pilotos para adoção e disseminação do uso da Modelação da Informação da Construção. Dito isso, a partir de 1º de janeiro de 2021, qualquer empresa interessada em prestar serviços a algum desses órgãos deverá seguir a metodologia BIM.

De qualquer forma, a implantação e uso da Modelação da Informação da Construção não se restringem aos órgãos mencionados. Por mais que ainda sem obrigatoriedade, a intenção é que outros órgãos e empresas já adequarem seus processos, modelos e pessoas para adoção do BIM. 

Metas

Uma vez entendido os objetivos e os envolvidos, podemos partir para o entendimento das metas. Isso começa a tangibilizar justamente no ponto central do post, quando a Modelação da Informação da Construção se tornará obrigatório para todas as obras, uma vez visto que, inicialmente, o alvo são obras dos 5 órgãos citados.

  1. Produtividade: Aumentar a produtividade das empresas em 10% (produção por trabalhadores das empresas que adotarem o BIM); 
  2. Aumentar o PIB: Elevar em 28,9% o PIB da Construção Civil (com a adoção do BIM, o PIB do setor, ao invés de 2,0% ao ano, espera-se que cresça 2,6% entre até 2028. Ou seja, terá aumentado 28,9% no período contando a partir de 2018, atingindo um patamar de produção inédito);
  3. Adoção de BIM: Aumentar em 10% a adoção do BIM (a meta é que 50% do PIB da construção adote o BIM); e
  4. Redução de custos: Reduzir custos em 9,7% (custos de produção das empresas que adotarem o BIM).

Prazos

Como a maturidade do uso, a Modelação da Informação da Construção irá evoluir juntamente com as subáreas da Engenharia Civil, que passarão a ser obrigatórias no BIM. Dessa forma, em 7 anos, é esperado que até o pós-obra esteja inserida no processo.

Embora o prazo pareça longo, pensando que uma graduação leva 5 anos, os alunos mais novos na Engenharia Civil provavelmente sairão para um mercado de trabalho totalmente diferente do atual.

01/01/2021 – Projetos de Arquitetura e Engenharia

  •  Elaboração de modelos para a Arquitetura e Engenharia (projeto arquitetônico, de estrutura, hidráulica, AVAC e elétrica);
  • Compatibilização, além de detecção de interferências físicas e funcionais entre as diversas disciplinas do modelo BIM;
  • Extração de quantitativos; e
  • Geração de documentação gráfica extraída dos modelos.

01/01/2024 – Execução e Gestão de Obras

  • Os usos previstos na 1º fase;
  • Orçamento, planejamento e controle da execução de obras; e
  • Atualização dos modelos e de suas informações como construído (“as built”) para obras cujos projetos tenham sido em BIM.

01/01/2028 – Gerenciamento e Manutenção

  • Os usos previstos na 1º e na 2º fase; e
  • Gerenciamento e a manutenção do empreendimento após a sua construção (comissionamento, operação, manutenção, reforma), cujos projetos e a obra tenham sido executados em BIM.

E a obrigatoriedade para as obras

Por mais que atualmente a obrigatoriedade seja apenas para obras públicas de alguns órgãos, o setor privado sempre deve buscar a forma eficiente de entregar seus serviços e produtos. E em um ambiente cada vez mais competitivo, quem não se adapta às necessidades do mercado vai ficando para trás!

Assim como há 20 anos ninguém queria entrar no mercado fazendo projetos no papel, e sim no AutoCAD, hoje, os novos entrantes no mercado querem entender bem de obra e se prepararem para fazer projetos em Modelação da Informação da Construção.

Vídeo explicando sobre a obrigatoriedade da Modelação da Informação da Construção

Quer aprender TUDO sobre Modelação da Informação da Construção? Confira, clicando aqui, o guia preparado pelo BIM na Prática com o apoio do Engenharia 360!

PS.: Para os que baixarem o material, preparamos um presentinho para daqui a alguns dias!

Voltando ao assunto do texto, e só para finalizar, o Decreto de longo prazo deixa evidente a necessidade do mercado AEC (Arquitetura, Engenharia e Construção) de se capacitar e se desenvolver para acompanhar as novas demandas de crescimento do setor.

Então, o que achou deste artigo? Escreva as suas impressões nos comentários!

Comentários

Engenharia 360

Paulo Maragno | BIM na Prática

Ajudamos estudantes e profissionais a aprenderem as habilidades necessárias para o novo mercado da construção, por meio de cursos de BIM e soft skills em parceria com a Trilho.