Engenharia 360

Conheça algumas iniciativas brasileiras na produção de baterias de lítio

Engenharia 360
por Kamila Jessie
| 14/01/2020 | Atualizado em 22/09/2023 4 min
Imagem de Claus Ableiter via Wikipédia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Bateria_de_i%C3%A3o_l%C3%ADtio#/media/Ficheiro:Lithium-Ionen-Accumulator.jpg

Conheça algumas iniciativas brasileiras na produção de baterias de lítio

por Kamila Jessie | 14/01/2020 | Atualizado em 22/09/2023
Imagem de Claus Ableiter via Wikipédia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Bateria_de_i%C3%A3o_l%C3%ADtio#/media/Ficheiro:Lithium-Ionen-Accumulator.jpg
Engenharia 360

Nota: O Brasil é um importante produtor de lítio, utilizado em baterias de eletrônicos e veículos elétricos, com 8% das reservas mundiais, principalmente no Vale do Jequitinhonha, MG, que abriga 85% das reservas nacionais.

Aliás, vale dizer que a mineração subterrânea produz concentrado de espodumênio, rico em lítio, para baterias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A demanda global, especialmente para carros elétricos, impulsiona a produção, com planos de expansão. Por isso, empresas multinacionais também estão explorando o lítio na região. E as empresas brasileiras estão aproveitando a disponibilidade de lítio para a produção de baterias, incluindo para ônibus elétricos, promovendo a tecnologia local e exportações.

lítio
Imagem de VecMes
em Freepik

Veja Também: Estações de Energia Portáteis: TUDO o Que Você Precisa Saber


A tendência no aumento da frota de veículos elétricos e híbridos e demanda por baterias mais potentes e de longa duração para as aplicações em dispositivos inteligentes e internet das coisas vêm incentivando pesquisa e desenvolvimento em baterias eficientes. E esse tipo de iniciativa está ocorrendo no Brasil, principalmente com relação a baterias de lítio, e pode ser uma porta para profissionais de Engenharia de diversos segmentos. Continue lendo este texto do Engenharia 360 para saber mais!

Por que o interesse no lítio?

O mérito do lítio é voltado para o fato de ser um metal leve e de alta densidade energética. Isso significa que ele é capaz de acumular mais energia em um menor espaço, se comparado, por exemplo, às baterias de níquel-cádmio usadas nos primeiros celulares, ou às baterias automotivas de chumbo-ácido, empregadas no acionamento de motores de veículos a combustão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lítio-íon no Brasil

Com relação às baterias de lítio-íon, há uma combinação em que o ânodo (o polo negativo) é constituído de carbono grafite e o cátodo (polo positivo) é feito com óxido de lítio e uma mistura de metais, dentre os quais níquel, manganês e cobalto. O meio onde os átomos e íons se movem, isto é, o eletrólito, é composta de solventes orgânicos e sais de lítio.

lítio
Imagem de Claus Ableiter via Wikipédia - https://pt.wikipedia.org/wiki/Bateria_de_i%C3%A3o_l%C3%ADtio#/media/Ficheiro:Lithium-Ionen-Accumulator.jpg

O Grupo Moura, que tradicionalmente fabrica baterias de chumbo, também resolveu incluir o viés das baterias de lítio na sua produção, na sua sede em Belo Jardim (PE). A primeira versão é para atender empilhadeiras. Além disso, o Grupo Moura fechou parceria com a empresa americana Xalt Energy, que possui a tecnologia voltada principalmente para veículos pesados e, com isso, fechou contrato em 2020 com a fabricante paulista Eletra, para o mercado de ônibus.

baterias de litio engenharia 360
Imagem: Grupo Moura via Revista FAPESP

Baterias de lítio-enxofre

Uma vertente em tendência é a das baterias de lítio-enxofre (Li-S), que a gente já comentou por aqui. E adivinhem: a primeira fábrica de baterias Li-S em escala industrial do mundo vai ser da Oxis Brasil. Isso deriva de um projeto da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), que fechou um acordo ainda em 2018 com a companhia inglesa Oxis Energy e atrai investimentos (e profissionais!) para o setor.

A companhia Oxis Energy prevê o uso de lítio metálico no ânodo, substituindo o carbono grafite, e uma combinação de enxofre e carbono no cátodo. No caso, a empresa desenvolveu uma tecnologia própria para o eletrólito e o cátodo, reduzindo as temperaturas atingidas em situações de estresse, propiciando maior segurança de operação. Outra vantagem se volta para a densidade energética. Enquanto as de lítio-íon concentram no máximo 240 Wh/kg, as de lítio-enxofre armazenam 450 Wh/kg. Na prática, isso embute mais autonomia para os veículos que as empreguem, por tornar possível construir baterias menores e mais leves, concentrando mais energia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lítio e
óxidos de nióbio e titânio

Também em 2018, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e a Toshiba firmaram parceria para desenvolver baterias de lítio com anodos de óxidos mistos de nióbio e titânio (ONT). A presença do nióbio nas baterias de lítio promove maior segurança e durabilidade, pois permite armazenar mais lítio em relação às baterias com ânodos com grafite. Outra vantagem dessa modalidade é a maior velocidade de recarga. A parceria dessas empresas envolve investimentos para uma fábrica-piloto a ser erguida no Japão e a expectativa é que a produção para atender à indústria seja em torno de dois anos.

A perspectiva

As derivações das baterias de lítio já são uma realidade em 2023. Nesse cenário, o Brasil deve estar presente no desenvolvimento, garantindo autonomia em ciência e pesquisa e ainda inclui a demanda das condições de trabalho do Brasil nesse setor.

A gente fica de olho para oportunidades em diversos segmentos da Engenharia: desde química até a mecânica e dá muito apoio para essas parcerias!

Veja Também:


Fontes: Revista FAPESP.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Kamila Jessie

Doutora em Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo (EESC/USP) e Mestre em Ciências pela mesma instituição; é formada em Engenharia Ambiental e Sanitária pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) com período sanduíche na University of Ottawa, no Canadá; possui experiência em tratamentos físico-químicos de água e efluentes; atualmente, integra o Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CePOF) do Instituto de Física de São Carlos (USP), onde realiza estágio pós-doutoral no Biophotonics Lab.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo