Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

6 mudanças necessárias para que a arquitetura amenize a desigualdade nas cidades

por Simone Tagliani | 31/03/2021

Será que todas as pessoas que habitam as cidades brasileiras tem acesso igual àquilo de bom que as cidades oferecem?

Recentemente, vários teóricos têm proposto discussões sobre equidade versus desigualdade, tentando alertar as pessoas sobre como nós temos vivido em sociedade, convivendo com um desenvolvimentos precários. Infelizmente, em pleno século XXI, ainda precisamos discutir questões como diferenças entre gênero, raça, cor e muito mais. E estes cidadãos, que são chamados de minoria, têm juntado forças para transformar a realidade. No mundo da arquitetura, isso significa um desenvolvimento urbano e igualitário. E você sabe como isso seria possível? Descubra no texto a seguir!

Veja também: Crise Urbanismo: uma reflexão sobre a Arquitetura Brasileira e a qualidade das cidades pós-pandêmica

Formas de promover um desenvolvimento urbano igualitário

1. Parcelamento e direito sobre o solo 

A maior parte da população brasileira vive hoje no meio urbano. Por conta do desenvolvimento desordenado deste território, é comum que surjam frequentemente tantas tensões e brigas envolvendo o parcelamento do solo e a instalação de unidades básicas de serviços – como áreas verdes, postos de saúde e mais. E será que todos que vivem nestas zonas recebem as mesmas oportunidades? Têm o mesmo direito sobre a cidade? É claro que não!

Moradores de rua representando desigualdade nas cidades
Moradores de rua – imagem de pixabay

Seria preciso coordenar tudo isso de forma urgente, primeiro pensando numa ocupação de território mais compacta e auto sustentável. E quanto aos outros problemas, eles só poderiam ser resolvidos com boas ações iniciadas por gestores públicos em união com aqueles que vivem no próprio território – levando em consideração seus dilemas e problemas que enfrentam no cotidiano, envolvendo estes cidadão na elaboração de uma agenda e na discussão de soluções.

Exemplo de loteamento
Exemplo de loteamento – imagen de Wikimedia

2. Reconhecimento da desigualdade

Nada de bom pode sair deste trabalho dos gestores e planejadores urbanos se os mesmos não admitirem quais são os reais problemas da sua sociedade e o que está, de fato, ao seu alcance para resolver. E dentro dessa questão aparece, obviamente, a desigualdade socioespacial – algo que afeta ainda mais quem reside na periferia e está em situação de vulnerabilidade.

Urbanismo em Favelas Rio de Janeiro
Favelas Rio de Janeiro (imagem de Pixabay)

3. Qualificação profissional científica

Só pode dar as respostas quem as tem!

O planejamento das cidades, por exemplo, é uma coisa que só poderia começar com o trabalho de um arquiteto urbanista. Outras questões também só poderiam ser respondidas por pesquisadores na área da saúde e mais. Só que no Brasil, por algum motivo, tem político que acha que pode encontrar sozinho e sem experiência adequada todas as soluções, negando a capacidade científica de achar as melhores alternativas para a população e o meio ambiente. A consequência muitas vezes é a desistência da formação profissional superior e especialização nas áreas nas quais estamos mais deficientes!

4. Representação igualitária na arquitetura

De acordo com o Instituto Americano de Arquitetos, a maior parte dos profissionais dessa área no país são homens brancos. Se tomarmos este dados como base, podemos acreditar que a maior parte dos arquitetos no mundo não são mulheres e não são pessoas de cor ou indígenas. E o que isso nos diz? Quer dizer que as pessoas que representam comunidades diferentes, com pensamentos, culturas e necessidades distintas não estão sendo ouvidos de forma igualitária. E se fossem, isto traria um desenvolvimento diferente e melhorado para os projetos de arquitetura e urbanismo no mundo!

Como será que as pessoas portadoras de alguma dificuldade se sentem nas cidades brasileiras? Os moradores de rua que precisam lidar todos os dias com uma arquitetura hostil, que os expulsa dos espaços públicos? As pessoas que passam fome e que poderiam se beneficiar de projetos sustentáveis, como das hortas urbanas? E os trabalhadores que encontram dificuldade em uma rede de infraestrutura de transporte público totalmente caótica?

falta de acessibilidade representando desigualdade nas cidades
cidadãos – imagem de Jornal O Sul
horta urbana

5. Mobilidade e acessibilidade

Por falar na questão do trânsito, as cidades brasileiras parecem colocar os carros em primeiro lugar antes dos pedestres e ciclistas. Em alguns locais, existe um disparate entre o percentual de edifícios residenciais sobre comerciais e edifícios altos sobre baixos, ou vice-e-versa. E tem muitas regiões que possuem um índice de folhagens significativamente baixo, enquanto tem outras com árvores frondosas que jamais passam por qualquer avaliação, caindo no primeiro temporal.

E por que citamos todas estas coisas? Porque mobilidade e acessibilidade não tem a ver só com carros e pedestres. Isso também faz relação com uma variedade de narrativas socioeconômicas e a capacidade de um projeto urbano considerar essas diferenças, prevendo a resiliência e as constantes mudanças de uma cidade!

ciclista pedalando em ciclovia
ciclovia – imagem de Flickr

Veja Também: Urbanismo no Brasil: desafios e oportunidades para as cidades antes e pós pandemia

6. Estética urbana

Por fim, existe mais uma coisa que a arquitetura pode fazer para a construção de um território brasileiro mais igualitário, que é o tratamento das fachadas das moradias.

Sim, alguns bairros de cidades brasileiras precisam de um projeto de intervenção urgente para que voltem a ter a boa aparência que tinham um dia. Isso traria vários benefícios, como o afastamento da criminalidade, a valorização dos imóveis e o engajamento da comunidade. Veja o que disse o arquiteto Ruy Ohtake quando trabalhou com a paisagem de Heliópolis, na região sudeste de São Paulo: 

“Procuro fazer com que a estética seja de toda a cidade, junto com a preocupação social, acompanhando o desenvolvimento da comunidade.”

cidades heliópolos
Heliópolis – imagem de prefeitura de São Paulo

Se todos os profissionais pensam como Ohtake? É claro que não! Infelizmente a Arquitetura Brasileira ainda é muito tradicionalista e conservadora! Muitos ainda preferem seguir sistemas e tendências já ultrapassadas ou simplesmente desconsideram a opinião de diversos personagens que habitam as nossas cidades. Por conta disso, abriu-se a brecha para que oportunistas tomassem o lugar do bom planejamento urbano, negando o direito básico àqueles que necessitam. E está mais do que na hora de mudarmos esta situação!


Fontes: UOL, O Estadão, O Estadão 2, CAURS, Vitruvius, ArchDaily.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; especialista em Artes Visuais; estudante de Jornalismo Digital e proprietária da empresa Visual Ideias - Redação, Edição e Produção de Conteúdos.