Engenharia 360

Soft Skills: dicas para traçar uma trajetória profissional de sucesso

Engenharia 360
por Redação 360
| 08/11/2022 | Atualizado em 12/11/2022 7 min

Soft Skills: dicas para traçar uma trajetória profissional de sucesso

por Redação 360 | 08/11/2022 | Atualizado em 12/11/2022
Engenharia 360

“Sou Ana Carolina Meirelles, me formei em Engenharia Civil na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli). Estagiei em Planejamento Técnico de Obra, mas logo quando fui efetivada e percebendo que não era bem essa área que eu queria. Então, comecei a conversar com o pessoal que estudou comigo e me encontrei na consultoria. E já dentro da consultoria, a “ficha” sobre a importância das soft skills caiu muito forte.”

“Assim, você percebe que não basta saber programar, usar Excel, etc. A maior parte do tempo você vai estar junto com o cliente e o sucesso ou o fracasso de uma empreitada está intimamente relacionado à sua capacidade de comunicação e controle da ansiedade, porque é sim uma profissão que exige bastante da parte mental, da sua capacidade de apresentar uma ideia, de gestão de tempo e prioridades. De fato, foi um grande baque para mim!”

“Passado um tempo, eu comecei a pesquisar sobre isso, o que me levou a uma pós-graduação em Neurociência. Enfim, era algo completamente diferente do que eu fazia antes!”,

“Hoje, trabalho numa empresa que dá cursos de desenvolvimento pessoal, inteligência emocional e soft skills e percebo que cada vez mais essas habilidades que diziam que eram do futuro se mostram, na verdade, como habilidades do presente, importantes na hora da contratação do colaborador

Engenharia 360: Começando com a pergunta que não quer calar: “O que são soft skills?”. Pode explicar resumidamente? – (diferenciar de hard skills, que são habilidades técnicas).

“Soft skills são habilidades comportamentais relacionadas à maneira como o profissional lida consigo mesmo e com o outro. São soft skills as habilidades de comunicação, persuasão, trabalho em equipe, liderança, adaptabilidade, criatividade ,etc. Já hard skills são habilidades técnicas, por exemplo, você saber programar, usar um software específico, e saber projetar uma estrutura X.”

Engenharia 360: Quanto os soft skills são importantes no cenário de negócios atual, tão competitivo?

“De acordo com o head de conteúdo do LinkedIn, as pesquisas rodadas mostram que 92% das empresas contratantes consideram soft skills tão importantes quanto as hard skills.”

soft skills
Imagem reproduzida de Solutis
Engenharia 360: Afinal, quais as principais habilidades com pessoas e habilidades interpessoais que deveríamos buscar desenvolver em nós mesmos? Inclusive, vamos refletir sobre porque elas seriam até mesmo um diferencial para os candidatos em processos seletivos – fora dos requisitos especificados em anúncios, como formação acadêmica, fluência em idiomas, e mais -, fazendo a real diferença entre um concorrente e outro.

“A McKinsey fez uma pesquisa para identificar as habilidades que te garantiriam um bom emprego no futuro. Ela mapeou 56 habilidades associadas à empregabilidade, salários altos e satisfação com o trabalho. E dividiu essas habilidades em 4 grupos: Habilidades cognitivas, interpessoais, autoliderança e digitais.”,

“Dentro de Habilidades cognitivas, temos pensamento crítico, planejamento, comunicação (e dentro de comunicação temos storytelling e escuta ativa) e por fim a flexibilidade mental (criatividade e imaginação, adaptabilidade, etc.). Dentro de habilidades interpessoais, temos negociação, saber inspirar o time, empatia, sociabilidade, trabalho em equipe. Dentro de autoliderança, temos autoconsciência e autogestão – seria Inteligência emocional, basicamente, entender suas emoções e saber gerenciá-las, saber o que te motiva, ter autoestima, etc. Ainda dentro de autoliderança, temos empreendedorismo, que não é só criar sua empresa, tendo mais relação com assumir riscos, ter energia e otimismo; além da capacidade de atingir objetivos. E dentro do grupo de habilidades digitais temos a fluência digital, uso e desenvolvimento de softwares e entender sistemas digitais.”,

“18 mil pessoas de diferentes nacionalidades foram testadas nesses itens. Obviamente o que ficou abaixo da média foi o digital, que sabemos que ainda temos muito a nos desenvolver, eu acho que quem está aqui que fez engenharia sabe. Só que não foi só isso que foi abaixo da média. Toda a parte de comunicação ficou abaixo da média. Storytelling, escuta ativa, capacidade de síntese; outra coisa que ficou abaixo da média foi gestão do tempo, que são soft skills. Ou seja, ter essas habilidades te deixa na frente de muita gente nos processos seletivos.”

Engenharia 360: É verdade que algumas pessoas podem já ter essas habilidades inatas, se manifestando espontaneamente, como criatividade e organização? Mas quem não tem ou deseja desenvolver outras, com este autoconhecimento, pode aprimorar essas qualidades, de que forma?

“Na verdade, tem gente que tem mais facilidade para uma coisa ou outra. Isso também está relacionado com as experiências que ela teve na vida. Então, quantas oportunidades de treinar determinado comportamento ela teve e as ‘crenças possibilitadoras’ que ela tem a respeito de suas capacidades.”,

“Existe um pesquisador chamado Robert Sternberg, que foi professor de psicologia na Yale. Ele estuda inteligência do ponto de vista das neurociências. E diz o seguinte: ‘Não só a inteligência em si, mas também as crenças sobre ela afetam como a própria inteligência se manifesta.’*.”,

“Pois bem, o problema está quando uma pessoa, que não tem facilidade em determinada coisa, passa a acreditar que não é capaz -‘Não SOU bom comunicador igual a fulano. Não SOU criativo. Não SOU.’. Ou seja, ela tem a crença de que o outro nasceu fazendo determinada coisa perfeitamente e ela não, sem enxergar as experiências de vida que o outro teve. E aí, para quebrar essa crença, existe um pressuposto na Programação Neurolinguística que diz que todo mundo tem, ou potencialmente tem, todos os recursos internos para agir efetivamente.”,

“Como assim? Por exemplo, de vez em quando aparece alguém nos cursos e fala que tem muita insegurança. Que diz que nunca foi seguro na vida. E o Neil, que é quem ministra o curso, costuma responder ‘Nunca? Nunca mesmo? Está segura disso?’. Na verdade, o que esse pressuposto diz é que não tem como a gente sentir falta de algo que a gente não conhece. Essa pessoa foi segura alguma vez na vida, em outro aspecto da vida. Agora, pode ser que ela não tenha treinado o suficiente. E é aí que está o pulo do gato: treinar!”,

“Dica: comece fazendo pequenos avanços na habilidade escolhida, e não precisa ficar bom da noite para o dia. Porque quando você se desafia e conquista as pequenas metas, você vai modificando suas crenças e vai ficando cada vez mais fácil melhorar. E aí que conseguirá dar passos mais largos!”

Engenharia 360: Como conscientizar toda a equipe da empresa, incluindo colaboradores, sobre a importância das soft skills?

“Eu acho interessante que ainda existam empresas que não se preocupam com isso. Porque as empresas pelas quais eu passei se preocupavam bastante, nunca precisei convencer ninguém. Mesmo assim, eu acho que vale aquele ditado, né? A pessoa não quer uma furadeira, ela quer o quadro pendurado na parede!”,

“Pode ser que a empresa não queira algo tão subjetivo como soft skills, mas tenho certeza de que ela quer mais produtividade da equipe. Ela quer mais foco; ela quer que o time alcance as metas. E hoje existem várias pesquisas que associam esses fatores às soft skills. Então, é isso! É apresentando melhoria nos resultados, começando por você.”

soft skills
Imagem reproduzida de National Healthcareer Association
Engenharia 360: Agora, olhando para si, para o seu plano de carreira, quais habilidades você enxerga que foram determinantes para um aumento de oportunidades, que fazem seus planos de carreira avançarem rumo ao sucesso? Inclusive, o que faz diferença neste momento de crise econômica, situações de estresse do mercado, e mais? Na sua opinião, quais decisões você tomou com relação às soft skills e que foram assertivas para melhorar sua performance?

“Olha, em primeiro lugar, desenvolver minha comunicação. Quando eu era novinha não conseguia nem falar ‘oi’ numa roda de pessoas; era realmente muito tímida. Fui atrás de teatro, de curso de oratória, de inteligência emocional para me desenvolver. Se eu não tivesse buscado ajuda provavelmente não teria passado nem das entrevistas de emprego.”

“Agora, pensando em situações de crise, é a capacidade de agir sob pressão. E aí não sou só eu que digo. Um artigo da Harvard Business Review estudou como os líderes colocam tudo a perder quando estão sobre pressão. Estar sobre pressão leva esses profissionais a negligenciar o problema e se recusar a endereçá-lo no timing correto, a pessoa se prende a soluções dentro da zona de conforto; leva à dificuldade de planejamento, o que acaba atrapalhando o time.”

“Gente, luta ou fuga é um dos comportamentos mais primitivos dos animais. É lógico que ele vai aparecer na esfera profissional. O cara é tecnicamente impecável, mas não sabe gerir emoções.”

Engenharia 360: Desenvolver soft skills me ajudaria a ser um melhor líder? A obter melhores resultados nas minhas atividades? Por quê?

“Sim. Outro artigo da Harvard Business Review estudou os currículos exigidos de pessoas do C-level. Desde os anos 2000, as habilidades sociais já cresceram mais de 30% em menções, enquanto as habilidades financeiras por exemplo caíram 40%. Uma loucura, né?”,

“Mas por quê? Bem, primeiro, por habilidades sociais eles destacaram autoconhecimento, comunicação, facilidade de trabalhar com pessoas diversas e capacidade de reconhecer a emoção e pensamentos do outro. E isso é importante, porque, em um mundo em que atividades operacionais foram automatizadas, o diferencial dessas empresas passa a ser a criatividade, a inovação e a produtividade para esse tipo de tarefa passa por você ter habilidades sociais.”

Engenharia 360: Como podemos alinhar nossa cultura com as principais soft skills?

“Vamos lá. Na nossa cultura, não é prioridade das escolas o ensino de soft skills. Contudo, está mudando um pouco.”,

“Mas, pensa: você estava lá na escola e aprende a ler, a escrever. Depois, aprende História, Geografia, Ciências e mais; e tudo isso são habilidades técnicas. Aí, na sequência, vai para o Ensino Fundamental II, vai para o Ensino Médio e se prepara para o vestibular que mede o que? Exato, habilidades técnicas! Por fim, passa no vestibular e fica mais 5 anos na faculdade (às vezes 6 ou 7) estudando habilidades técnicas. Quando você vê, passou 16 anos preciosos da sua vida ou mais estudando habilidades técnicas e chega no mercado de trabalho e o que te cobram é muito mais, muito mais que isso.”

“Colocaram na minha cabeça que o que me garantiria numa boa profissão era ter inteligência e ter inteligência estava relacionado a raciocínio lógico e resolver problemas matemáticos. E aí vem o balde de água fria: desempenho escolar não é a mesma coisa que inteligência! E inteligência é muito mais que raciocínio lógico e matemático.”

“Qual a definição de inteligência, então? Na verdade, a gente está falando de um conjunto de habilidades cognitivas. A inteligência é a habilidade de darmos uma resposta compatível àquele ambiente; de resolver um problema ou uma lacuna que apareça naquele ambiente. Ou seja, é a nossa capacidade de adaptação ao meio, de resposta às demandas do ambiente em que estou inserido.”,

“Então, às vezes a lacuna que o ambiente apresenta é um problema matemático. Nesse caso, usar a inteligência seria desempenhar uma habilidade técnica – isso a escola ensina muito bem.  Só que, às vezes, a lacuna à qual eu tenho que me adaptar no ambiente é uma situação de persuasão, de apresentação, de gestão das emoções.”,

“Hoje em dia, várias escolas já começaram a colocar esse ensino em sua grade. Gravamos 2 episódios de podcast sobre isso com diretoras de escola e com o Wagner Mota, que é o treinador dos maiores lutadores do UFC do Brasil. E ele ensina inteligência emocional para os atletas.”,

“Uma reflexão que você deve se fazer o tempo todo é: que lacuna do ambiente eu poderia estar cobrindo de uma forma melhor que eu faço hoje?”

Engenharia 360: Aliás, para finalizar, falando em soft skills, citaremos 10 delas agora.
  • comunicação
  • liderança
  • inteligência emocional
  • resolução de problemas
  • capacidade de trabalhar sob pressão
  • adaptabilidade e flexibilidade
  • resiliência
  • orientação para resultados
  • iniciativa
  • curiosidade

Nota: a engenheira Ana Carolina continuou esta conversa com nosso colega colaborador do Engenharia 360, o também engenheiro Cristiano Oliveira. Assista no vídeo a seguir!

*STERNBERG; STERNBERG, 2017

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo