Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Telescópio com espelho de 39 metros de diâmetro está em construção no Chile

Engenharia 360

5 min

POR Eduardo Slabocicor Cavalcanti 26/12/2018

Observar os objetos mais distantes, conhecer mais sobre a matéria escura e os exoplanetas, aqueles que estão fora do Sistema Solar, são alguns dos desafios aos astrônomos. Mas no que depender de um novo e potente equipamento, operado pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), essas e outras descobertas vão ser possíveis. Estamos falando do Extremely Large Telescope (ELT), ou o maior telescópio do mundo, que está em construção no Deserto do Atacama, no Chile.

Projeção de como será o telescópio ELT no alto do morro

Imagem: ESO/L. Calçada

Atualmente, o país da América do Sul já é o que apresenta três quartos dos equipamentos de pesquisa astronômica do mundo, incluindo o maior telescópio já construído até hoje, o Very Large Telescope (VLT). O motivo de o Chile ser o local escolhido, mais especificamente no deserto, é devido ao céu ser dos mais limpos, sem nuvens devido à baixa umidade do ar, e ao longo de boa parte do ano, o que facilita as observações.

O ELT será construído no topo do Cerro Armazones, que fica a 1200 km ao norte de Santiago e tem 3046 metros de altitude. A região foi toda preparada para receber a construção do telescópio, desde 2014. A construção de fato teve início em maio de 2017, e a previsão é de que o ELT esteja pronto em 2024, possibilitando uma visão privilegiada e detalhada do Universo, algo antes não alcançado.

Imagem aérea do Cerro Armazones

Imagem: ESO

As características deste que será o maior telescópio do mundo já impressionam. Ele contará com um sistema de 5 espelhos, sendo que o principal do equipamento terá 39 metros de diâmetro. Atualmente o maior telescópio existente, o VLT, apresenta um espelho primário com 8,2 metros. O ELT – ou também conhecido como E-ELT, abreviatura de European Extremely Large Telescope – terá 790 segmentos hexagonais, cada um deles com 1,4 metros de largura e 5 centímetros de espessura, além de ocupar uma área de 978 metros quadrados e uma estrutura à prova de terremotos. O domo terá 80 metros de altura e 85 metros de diâmetro.

A estrutura do VLT. Imagem: ESO/ G. LOMBARDI, JOSÉ FRANCISCO SALGADO, J.L. DAUVERGNE & G. HÜDEPOHL (ATACAMAPHOTO.COM)

or esses números já é possível entender o quanto este telescópio infravermelho será diferenciado, com resultados inéditos, captando até 13 vezes mais luz do que o atual VLT, instalado no Observatório do Paranal, a apenas 20 km de distância de onde será construído o ELT. No Chile, há ainda observatórios em La Silla e Alma, correspondendo no total a mais de 700km de extensão dos centros astronômicos.

+A importância

O ELT será fundamental para o conhecimento das primeiras galáxias e a evolução das mesmas, bem como medir com que rapidez acontece a expansão do Universo. Portanto, os objetivos são ambiciosos e o conhecimento esperado vai além do Sistema Solar.

Imagem: ESO

Além disso, o estudo da matéria escura é um dos objetivos, por ser tema ainda desconhecido para os astrônomos, e por representar boa parte de tudo que existe no Universo.

Imagem gráfica de planeta, à sombra de estrela luminosa, como o sol

Imagem: ESO

O Governo do Chile doou para a ESO a área em que será construído o telescópio, bem como seu entorno, correspondendo a 189 km². A concessão é válida por um período de 50 anos. O custo previsto do projeto é de 1,2 bilhão de euros.

+ E o Brasil?

Atualmente quinze países europeus fazem parte da ESO: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Grã-Bretanha. No consórcio do projeto do ELT, o Chile faz parte como país sede. A participação do Brasil, entretanto, já passou por diferentes fases e não se concretizou até o momento.

Imagem do Deserto do Atacama e do céu limpo, à noite

Deserto do Atacama. Imagem: ESO

O primeiro passo seria o Brasil se tornar membro efetivo do ESO, o que vem sendo discutido há 7 anos. O ESO faz questão da participação do país, mas a crise econômica e uma não definição por parte dos representantes brasileiros foram alguns dos entraves para que o Brasil passasse a fazer parte do consórcio.

Em 2011, foi assinado um acordo entre a ESO e o Brasil, e o país ficou como “membro em ascensão”. O acordo foi ratificado em 2015 pelo Congresso Nacional, mas não recebeu a sanção presidencial até hoje.

Até março deste ano, pelo fato de o Brasil ser um país membro, os pesquisadores poderiam acessar as instalações do observatório. Mas desde então os brasileiros precisam passar por um crivo mais rigoroso, pois nesse mesmo mês a ESO suspendeu a participação do Brasil.

Além da sanção presidencial do acordo, para concretizá-lo e o país fazer parte do consórcio, seria necessário que o Brasil efetivasse o pagamento de parte do valor do projeto, calculado conforme o PIB de cada país, o que seria equivalente a R$1 bilhão.

Imagem gráfica de como será o telescópio

Imagem: ESO/L. Calçada/N. Risinger

Entre as empresas que participam do projeto, a Quadrante, empresa portuguesa de engenharia, será responsável pelos projetos de arquitetura e estrutura de um edifício que servirá de apoio à construção do telescópio, servindo para a limpeza de suas lentes. A notícia foi bem recebida em Portugal, e sem dúvidas é promessa de retorno financeiro e em conhecimento ao país.

Apesar das mudanças, a ESO reitera que a participação do Brasil seria muito importante. O mesmo valeria ao Brasil, que poderia ter o retorno do investimento e estimular financeiramente distintas áreas, além de aumentar o incentivo à ciência e à pesquisa.

Referências: ESO, G1, Estado de S. Paulo, Diário de Notícias, Época Negócios, Revista Galileu

Chile
ELT
Extremely Large Telescope
Observatório do Paranal
telescópio

Eduardo Slabocicor Cavalcanti

Escreve para a internet desde 2008 e tem paixão por consumir informação e descobrir coisas. Adora gatos, inovação e é curitibana – fala “duas vinas”, mas dá “bom dia” no elevador.

mais
Engenharia 360 Engenharia 360

VEJA TAMBÉM

20 Resultados
Será que vale a pena ser um(a) engenheiro(a)?
A gravidade é real? Entenda uma das forças fundamentais da natureza e na Engenharia
5 tendências que mostram o futuro da eficiência energética
The Ocean Clean Up System 001: um sistema de limpeza oceânica
5 maneiras como a IA mudará a construção civil
Missão MarCO: entenda como dois pequenos satélites foram essenciais para a NASA
O que leva uma mulher a desistir da carreira na Engenharia?
Confira a lista de Aplicativos para Engenharia de Abril de 2019
Como conseguir uma bolsa para fazer Engenharia Civil?
IA pode detectar doenças antes da manifestação dos sintomas
10 dicas e recursos gratuitos para quem quer programar em C e C++
11 situações que só quem é ou já foi calouro de engenharia entende
Honda CR-V 2019: confira as novidades da nova versão e nossas impressões ao dirigir
Afinal, Engenharia é Ciência?
A era do reconhecimento facial: estamos sendo escaneados?
O nome da faculdade pesa no currículo? Mito ou verdade?
5 motivos para você (e a sua empresa) conhecer Design Thinking
O desafio dos 10 anos é mesmo só uma brincadeira? Entenda a polêmica!
Sinal de internet para todos: já ouviu falar no Project Loon, da Google?
Como ganhar dinheiro durante a faculdade?
Podcast 360
Ouça ou baixe podcasts
exclusivos da engenharia
Ver Todos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

20 Resultados
Titulo do Post
Titulo do Post
Titulo do Post
Titulo do Post
Titulo do Post
Titulo do Post