Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

RoCycle: o robô de reciclagem que classifica materiais por meio do toque

por Kamila Jessie | 18/04/2019
Copiado!

Caixa de pizza gordurosa, copo de plástico molhado com café, potinho de iogurte melado… E aí? São recicláveis ou lixo mesmo? O que pode e o que não pode ser reciclado é muitas vezes confuso, até porque a resposta depende do tipo de destino que os resíduos têm na cidade e como eles são processados. Nesse contexto, o Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT (CSAIL) está desenvolvendo um robô de reciclagem que classifica, por meio do toque(!), o lixo que pode ser reaproveitado.

Fundamentalmente, este robô de reciclagem, chamado RoCycle, tem garras suaves e pode pegar objetos de uma esteira e identificar, por meio do toque, de que são feitos. A principal característica deste robô, portanto, são seus sensores táteis. A pinça sensorizada é totalmente acionada eletricamente, sendo capaz de detectar a diferença entre papel, metal e plástico.

Robô de reciclagem
Imagem: technologyreview.com

Por que um robô de reciclagem é importante?

De acordo com os pesquisadores que conceberam o RoCycle: “Embora as preocupações ambientais e de sustentabilidade tenham tornado crucial a ampliação das operações de reciclagem, a separação de objetos continua sendo um gargalo crítico para a escalabilidade do processo”.  Isso quer dizer que aumentar a proporção das operações de reciclagem é dificultada pois a dúvida do “é reciclável ou não?” permanece na hora de tomar decisões na separação dos resíduos destinados à reciclagem. O uso de um robô pode tornar essa separação mais acurada e rápida.

Robô de reciclagem
Imagem: technologyreview.com

Continuando, a MIT Technology Review, em um artigo sobre o RoCycle, escreveu “a maneira como classificamos e separamos o lixo precisa melhorar muito”. Ainda: “Muitos grandes centros de reciclagem já usam ímãs para retirar metais, e filtros de ar para separar papel de plásticos mais pesados. Mesmo assim, a maior parte da separação ainda é feita à mão. É um trabalho sujo e perigoso”.

“A falha em classificar corretamente os materiais para reciclagem leva ao desperdício; nos Estados Unidos, 25% dos materiais recicláveis está tão contaminado, que deve ser destinados a aterros sanitários”. E não é apenas isso! A maioria das instalações ainda emprega grandes quantidades de trabalho manual para classificar objetos que escapam à automação, o que corresponde à realidade das cooperativas de reciclagem no Brasil, por exemplo. “Isso pode levar a condições de trabalho inseguras, especialmente em instalações onde o lixo normal é misturado com recicláveis”, complementa a equipe de pesquisa.

Como o RoCycle classifica materiais pelo toque?

Os componentes da pinça do robô de reciclagem são um par de cilindros e sensores capacitivos de pressão e deformação. Sejam copos de papel, caixas vazias, garrafas de refrigerante etc., os sensores de pressão podem categorizar o material de um objeto em função de “quanto ele amassa”.

O vídeo abaixo mostra o RoCycle em ação:

Uma aplicação do RoCycle em escala real seria implementá-lo em locais como prédios, condomínios ou campi universitários, onde haveria naturalmente uma primeira separação de materiais a ser realizada por pessoas. (E onde as dúvidas já começam a surgir diante das lixeiras coloridas).

Robô de reciclagem
Imagem: giphy.com

Referências: A Simple Electric Soft Robotic Gripper with High-Deformation Haptic Feedback; Automated Recycling Separation Enabled by Soft Robotic Material Classification; MIT Technology Review.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários