Engenharia 360

O que é o tal 'asfalto morno' que algumas cidades brasileiras usam nas vias públicas?

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 27/05/2022 | Atualizado em 21/11/2023 4 min
Imagem reproduzida de Alpha Autos

O que é o tal 'asfalto morno' que algumas cidades brasileiras usam nas vias públicas?

por Simone Tagliani | 27/05/2022 | Atualizado em 21/11/2023
Imagem reproduzida de Alpha Autos
Engenharia 360

O Brasil é um país com tamanho praticamente continental, como bem sabemos. E a sua malha viária é de extrema importância para a economia, visto que temos uma deficiência histórica de ferrovias, além de que o transporte aéreo e marinho é muito caro e inviável para alguns tipos de cargas e rotas. Por isso, ruas e estradas do nosso território precisam passar por manutenções rigorosas constantes. Mas uma das preocupações dos engenheiros é como fazer essas melhorias de pavimentação através de processos mais sustentáveis, aliada à uma perspectiva de vida útil mais longa para os revestimentos.

asfalto morno
Imagem reproduzida de Gazeta do Povo

Veja Também: Asfalto regenerativo: uma opção para tapar os buracos das rodovias

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O uso do asfalto morto no mundo

Como você pode imaginar, essa questão é mesmo bastante complexa. Mas, dentre diversas alternativas consideradas, as chamadas misturas asfálticas mornas, em comparação a processos tradicionais, têm se mostrado de melhor potencial até agora, cumprindo os objetivos básicos traçados pelos pesquisadores. Seria uma mistura morna, bem como diz o nome, com menos viscosidade do ligante asfáltico - algo que se consegue por meio de aditivos ou processos físicos de modificação do ligante, entre outros mecanismos. A saber, sua usinagem passa por espumação do asfalto por adaptação das próprias usinas com incorporação de câmaras de expansão e bicos injetores.

asfalto morno
Imagem reproduzida de DocPlayer

Essa tendência do asfalto morno começou em países como Estados Unidos, Inglaterra, Itália e França. Aqui, no Brasil, essa técnica de engenharia ficou mais popular por volta do final dos anos de 1990, com obras como a BR-277, no Paraná. E agora muitas cidades, por meio de projetos de suas secretarias municipais de serviços urbanos, têm usado esse tipo de asfalto para manutenção e conservação de vias públicas. Com relação aos projetos do governo federal, a ideia é ampliar isso para dar um salto na produtividade da economia, melhorando as condições do setor rodoviário nacional.

Veja Também: Estudantes gaúchas criam o Poliway, um inovador asfalto ecológico

Os motivos que levam o Brasil a apostar no asfalto morno

Explicando melhor, o material mais usado atualmente para manutenção de vias no mundo é o Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ), que precisa ser operado em altas temperaturas. O asfalto morno - ou Warm Mix Asphalt, no inglês - possibilitaria, portanto, a otimização das operações com esse concreto por conta de sua característica intrínseca, permitir a usinagem e compactação a temperaturas menores do que as usuais. E quais as vantagens disso? Listamos algumas:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  1. Diminuir os efeitos de envelhecimento impostos ao ligante asfáltico durante a usinagem do concreto.
  2. Aumentar a vida útil dos pavimentos.
  3. Aumentar o tempo de percurso da massa asfáltica, permitindo que a massa de concreto seja transportada por um período de tempo maior, da usina para o local da obra, evitando que haja perda de qualidade final do serviço;
  4. Reduzir a viscosidade do ligante, garantindo complicações reduzidas sem perda significativa na trabalhabilidade da massa.
  5. Permitir a compactação de vias e em temperaturas menores do que as usuais.
  6. E permitir a compactação em dias frios - inclusive com menos de 10 graus, algo comum no sul do Brasil. Isso permitiria abrir uma janela de horários de trabalhos bem maior, o que traria mais produtividade para os serviços, que poderiam começar cedo pela manhã, inclusive no inverno.
asfalto morno
Imagem reproduzida de Jornal do Comércio

Veja Também: Bioasfalto: O asfalto vegetal que pode ser a solução para estradas de terra

Então, se as obras de manutenção de ruas e estradas podem ser realizadas mais rápidos e sem necessidade de retrabalhos, só se colhe benefícios com a aposta. Por exemplo, menos bloqueios no trânsito. Aliás, a razão de classificar o asfalto morno como sustentável é porque o acréscimo dele na massa de concreto faz aumentar essa vida útil dos pavimentos, reduzindo a emissão de CO2 e NO2. E é esse tipo de olhar que precisamos ter para o uso de materiais na Engenharia, pensar que o retorno positivo para o meio ambiente é justamente por essa questão de ser mais durável. O que acha disso? Escreva a sua opinião na caixa de comentários, logo abaixo!

Veja Também:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: Fatos e Asfaltos, Prefeitura de Porto Alegre, Dimensional Engenharia.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada nos cursos de Arquitetura & Urbanismo e Letras Português; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais, Jornalismo Digital, Marketing Digital, Gestão de Projetos, Transformação Digital e Negócios; e proprietária da empresa Visual Ideias.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo