Engenharia 360

A NASA está monitorando o Brasil, entenda o porquê

Engenharia 360
por Redação 360
| 21/11/2022 | Atualizado à 2 dias 3 min

A NASA está monitorando o Brasil, entenda o porquê

por Redação 360 | 21/11/2022 | Atualizado à 2 dias
Engenharia 360

Há uma determinada região do Brasil que vem atraindo a atenção da NASA, a agência espacial norte-americana. Qual o motivo? Será que é a Amazônia ou outras riquezas do nosso país? Quem sabe o Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro? Ou ainda aquelas luzes que foram observadas no céu por pilotos de avião? Não! Na verdade, é uma grande anomalia que surgiu no Sul do nosso país. Um problema que está possivelmente afetando o campo magnético da Terra. Saiba mais no texto a seguir!

NASA
Imagem reproduzida de Firstpost

A problemática do Atlântico Sul

Já faz algum tempo que os cientistas notaram a presença de uma cavidade crescente no campo magnético da Terra. A mesma estaria localizada sobre o Atlântico Sul e parte do sul do Brasil; e foi chamada de SAMA ou, no inglês, South Atlantic Magnetic Anomaly. E a NASA acredita que este seja um fenômeno que possa causar grandes problemas para os satélites lançados ao espaço. Por isso, está realizando este monitoramento constante da região.

NASA
Imagem reproduzida de European Space Agency

Veja Também: É verdade que o magnetismo da Terra está alterando os aeroportos brasileiros?

Os efeitos além do que é analisado pela NASA

Mas pensa que a questão parou por aí? Não mesmo! A NASA pode estar cuidando dos interesses delas. Contudo, todos nós deveríamos estar atentos ao crescimento da SAMA. Sabe por quê? Pois o campo magnético do nosso planeta tem uma função importante para a nossa proteção contra os raios solares. Resumidamente, ele expulsa e prende partículas carregadas do Sol. E o que acontece nessa faixa de anomalia? Sim! As partículas passam e atingem diretamente a superfície da Terra, comprometendo os seres vivos. Lembrando que os estados ao sul do Brasil são os que apresentam mais casos diagnosticados de câncer!

NASA
Imagem reproduzida de AGU Journals – Wiley
NASA
Imagem reproduzida de AGU Journals – Wiley
NASA
Imagem reproduzida de European Space Agency

O que realmente preocupa a NASA

De acordo com especialistas, a radiação de partículas nesta região pode derrubar os computadores de bordo e interferir na coleta de dados dos satélites que passam. Óbvio que não é só isso que preocupa a NASA. Tem também a questão de como estas mudanças na força do campo magnético podem afetar toda a atmosfera da Terra, interferindo, por exemplo, nas profundezas do próprio planeta.

Agora, não há nada visível acontecendo por conta da SAMA. Porém, podemos encarar esta questão como uma doença no nosso corpo ainda sem sintomas. Sabemos que, sem tratamento, a longo prazo, as consequências podem ser irreversíveis e devastadoras. Conforme dados coletados pela agência, a anomalia está se expandindo para o oeste, mas enfraquecendo em intensidade. Outra curiosidade é que parece que existe algo como o “vale da anomalia”, ou região de força de campo mínima, que se dividiu em dois setores e deve afetar futuras missões de satélites.

NASA
Imagem reproduzida de IBTimes Singapore

Fontes: Pronatec.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo