Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Missão MarCO: entenda como dois pequenos satélites foram essenciais para a NASA

por Larissa Fereguetti | 02/04/2019
Copiado!

No ano passado, dois satélites foram lançados para Marte pela NASA: MarCO A e MarCO B. Esses dois, de tão “cativantes”, foram carinhosamente apelidados de Wall-E e Eve. O objetivo era que esses satélites do tipo CubeSats protegessem a InSight, uma espaçonave que aterrissou no planeta vermelho em novembro.

MArCO Nasa Marte
Imagem: mars.nasa.gov

Esses pequenos satélites são usados por várias entidades como uma forma mais acessível de observação do céu. Porém, eles nunca tinham viajado para tão longe. Quando a InSight aterrissou, foram eles que reportaram o feito. Isso mostra como podem influenciar as viagens espaciais e, quem sabe, estrelarem suas próprias missões.

O fato é que a missão MarCO (abreviação para Mars Cube One) surpreendeu os engenheiros da NASA, que não esperavam que tudo desse tão certo. Os CubeSats coletaram informações rapidamente e forneceram cerca de 97% dos dados da InSight. Ainda, ter os dois satélites destinados para cuidar disso eliminou a preocupação com o posicionamento dos outros satélites que poderiam realizar o serviço. Porém, um mês depois da chegada a Marte, a agência perdeu o contato com os dois satélites. A expectativa é de que ela talvez retome o contato, mas, por enquanto, eles estão vagando em algum lugar do sistema solar.

+ MarCO em um longo caminho para Marte

Apesar de terem sido essenciais, a missão MarCO foi cancelada várias vezes. Isso porque os satélites não teriam um papel vital na missão InSight. O argumento da equipe responsável pelo projeto foi de que o custo era baixo (18 milhões de dólares) e compensava o investimento. A questão era que, se tudo corresse bem, isso seria uma prova de que espaçonaves simulares poderiam fornecer suporte a outras grandes missões e, além disso, fazer suas próprias missões.

Antes de tudo, foi preciso construir modelos 3D e planejar a melhor forma de construção dos equipamentos. O baixo orçamento resultou na necessidade de fazer improvisos (também chamados de gambiarras). Os MarCOs funcionam com energia solar e o combustível é fluido de extintor de incêndio. O rádio é bem parecido com o que pode ser encontrado em um iPhone.

MArCO Nasa Marte
Imagem: universetoday.com

O percurso até Marte foi duro. Durante os seis meses, os dois perderam o contato com a Terra algumas vezes. MarCO B, por exemplo, teve um problema de vazamento de combustível e começou a girar pelo espaço. Porém, quando menos se esperava, o controle foi retomado. Um dia antes do pouso, MarCO B tornou a perder o contato e só voltou na hora. Entre apertos e alívios, os dois funcionaram de forma comportada durante os 7 minutos de terror da aterrissagem da InSight, para a alegria dos engenheiros.

+ A porta para o futuro

Como os CubeSats são mais baratos que grandes espaçonaves, uma ideia é usá-los como cobaias para experimentos incertos, como estudar a atmosfera de Vênus (aquela cheia de gás carbônico e nuvens ácido sulfúrico) ou fazer a escolta de outras naves em busca de vida em outros planetas. Porém, para que essas missões não sejam suicidas, é preciso preparar os satélites cobaias. Por exemplo, é necessário fazer adaptações para cada ambiente específico. Isso também significa aumento do custo e é nesse ponto que a Engenharia é desafiada.

MArCO Nasa Marte
Imagem: jpl.nasa.gov

Entretanto, os engenheiros já mostraram que o desafio foi aceito. Enviar os MarCOs para Marte foi um deles e esse fato abriu várias possibilidades. Um exemplo é o sistema de comunicação, que precisou ter um custo muito mais barato que o normalmente utilizado.

Assim, o MarCO mostra que é uma prévia do que está por vir. Vale lembrar que o novo não necessariamente será algo bom, mas será algo diferente. Então, o infinito e além, Engenharia!

Referências: NASA; The New York Times.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários