Engenharia 360

Explorando as Profundezas: A Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas para Estudo do Titanic

Engenharia 360
por Redação 360
| 18/05/2023 | Atualizado em 20/06/2023 5 min
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL

Explorando as Profundezas: A Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas para Estudo do Titanic

por Redação 360 | 18/05/2023 | Atualizado em 20/06/2023
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL
Engenharia 360

Atualização: Submarino Titan desapareceu explorando destroços do Titanic na segunda semana de junho de 2023. Ha buscas em andamento por guardas costeiras dos EUA e Canadá. A embarcação sumiu a 600 km da costa do Canadá com cinco pessoas. E a empresa responsável mobiliza recursos para resgate. Dentre os passageiros está o bilionário britânico e ex-militar francês.

Veja Também: Titanic: saiba como fazer HOJE MESMO uma visita virtual a este majestoso dos mares

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


RMS Titanic, ou apenas Titanic, foi um navio britânico operado pela White Star Line e construído em Belfast pela Harland and Wolff. Lançado em 1911, era considerado "inafundável". Sua viagem inaugural de Southampton para Nova York, em 1912, terminou em tragédia. A embarcação colidiu com iceberg e afundou, com mais de 1.500 pessoas a bordo. Um estudo posterior revelou falhas no projeto e regulamentações marítimas. Por fim, os destroços foram encontrados em 1985, por Robert Ballard.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de ResearchGate - https://www.researchgate.net/figure/Dr-Robert-D-Ballard-co-discoverer-of-the-wreck-of-the-Titanic-in-1985-Fig-2-A_fig1_346657290

De que modo Robert Ballard descobriu os destroços do Titanic na década de oitenta?

A expedição de Robert Ballard revelou que o naufrágio do navio ocorreu em duas partes, com a proa e a popa separadas por 800 metros. A proa está relativamente bem preservada, com interiores intactos, enquanto a popa está completamente destruída.

Os destroços foram encontrados a uma profundidade de quase quatro quilômetros e estão cercados por um campo de detritos com dimensões de aproximadamente 8 km por 4,8 km. Eles contêm uma grande quantidade de itens, como peças do navio, mobília, louças, artefatos pessoais, e detritos de ossos, representando um local de descanso para as vítimas do naufrágio.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Titanic Connections - https://www.titanicconnections.com/wreck/robert-ballard-whoi-1985-1986/
Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de loveEXPLORING - https://www.loveexploring.com/news/116974/interview-robert-ballard-titanic-discovery-scientist

Como a Engenharia contribuiu para a localização do Titanic nas profundezas do oceano?

A tecnologia de Engenharia utilizada para a localização do Titanic nas profundezas do oceano em 1985 envolveu principalmente o uso de sonares e veículos submarinos operados remotamente (ROVs). Aqui estão os principais componentes tecnológicos envolvidos:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sonares Laterais

Utilizados por Ballard e sua equipe para mapear grandes áreas do oceano em busca dos destroços do Titanic. Emitem pulsos sonoros para o fundo do oceano e registram os ecos refletidos pelos objetos encontrados, processando esses dados para criar imagens detalhadas do leito marinho.

ROVs (Remotely Operated Vehicles)

Veículos submarinos controlados remotamente, equipados com câmeras de alta resolução, luzes, sonares e outros instrumentos. Utilizados por Ballard e sua equipe para visualizar e investigar os destroços do Titanic em profundidades extremas. Transmitiam imagens e dados em tempo real para a equipe de superfície.

Sistemas de Posicionamento Acústico

Utilizados para localizar com precisão os destroços do Titanic. Os ROVs emitiam sinais sonoros que eram recebidos por hidrofones instalados no fundo do oceano. Com base no tempo de viagem dos sinais, era possível determinar a localização exata do veículo e dos destroços.

Tecnologia de Transmissão de Dados Submarinos

Utilizada para enviar as imagens e informações coletadas pelo ROV para a equipe de superfície em tempo real. Isso permitiu que a equipe acompanhasse e documentasse as descobertas à medida que ocorriam.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja Também: Fotos inéditas do Titanic, naufragado em 1912, são reveladas em altíssima resolução

O que mudou para a Engenharia após esta descoberta?

A Engenharia foi essencial para localizar o Titanic no fundo do oceano, impulsionando o avanço de tecnologias, como ROVs.

Recapitulando, sonares avançados foram usados para mapear o leito marinho e identificar possíveis alvos, incluindo os destroços do Titanic. Sistemas de posicionamento precisos permitiram rastrear a localização exata do ROV e dos destroços, enquanto a tecnologia de transmissão de dados submarinos possibilitou a transmissão de imagens e informações em tempo real.

Além disso, a Engenharia desempenhou depois disso um papel ainda mais importante na construção de veículos submarinos resistentes, capazes de operar em profundidades extremas. Essas tecnologias combinadas permitiram que os engenheiros explorassem e documentassem essa descoberta histórica.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de UA News Center - The University of Alabama - https://news.ua.edu/2016/10/titanic-explorer-robert-ballard-comes-to-ua/

Qual a necessidade fazer de novas varreduras digitais dos destroços do Titanic?

Ao longo dos anos, várias pessoas, incluindo exploradores, cientistas, cineastas e turistas, visitaram os destroços do Titanic. No entanto, esses destroços têm sofrido danos acidentais causados por submarinos e por uma bactéria comedora de ferro que vive no casco, resultando em uma deterioração contínua. Prevê-se que todo o casco do Titanic entrará em colapso nos próximos cinquenta anos.

Recentemente, foi realizado o primeiro mapeamento digital em tamanho real dos destroços do Titanic usando tecnologia de mapeamento de águas profundas. A empresa especializada em mapeamento de águas profundas, Magellan, e a Atlantic Productions, responsável pelo documentário sobre o projeto, conduziram esse projeto de varredura e documentação.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL

As etapas do novo estudo

Durante o processo, mais de 700.000 imagens foram capturadas de todos os ângulos usando submersíveis controlados remotamente por uma equipe a bordo de um navio especializado. Essas imagens permitiram a criação de uma reconstrução 3D precisa do transatlântico afundado.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Wikimedia, Teufelbeutel, Creative Commons, via Casa e Jardim

As varreduras subaquáticas dos destroços foram realizadas a uma profundidade de cerca de 3.800 metros. Parece que os destroços permanecem dispersos no fundo do Atlântico. Enfim, foram revelados detalhes minuciosos, como o número de série em uma das hélices, a proa reconhecível e a popa danificada.

Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL
Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL
Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL
Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL
Tecnologia de Mapeamento de Águas Profundas Revela Segredos do Titanic
Imagem reproduzida de Atlantic Productions, Magellan, via UOL

O que pode ser revelado neste novo estudo sobre os destroços do Titanic?

Essa nova varredura digital dos destroços do Titanic enfrentou desafios devido à profundidade do naufrágio e às correntes oceânicas, além da necessidade de preservação dos destroços. A varredura concentrou-se na popa do navio para obter informações sobre o naufrágio e revelou danos significativos e objetos espalhados ao redor.

As imagens resultantes da varredura oferecem uma oportunidade de estudar os destroços em contexto e perspectiva, buscando informações sobre o naufrágio eesclarecer as circunstâncias precisas do acidente. No entanto, informações específicas sobre a colisão com o iceberg ainda não foram obtidas. Mas o estudo da popa do navio pode ajudar a compreender melhor a dinâmica do naufrágio e como o navio interagiu com o fundo do mar.

Veja Também:


Fontes: Época Negócios, Wikipédia.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, liderada pelo engenheiro Eduardo Mikail, e com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo