Engenharia 360

Descubra as Inovações do Wi-Fi 7 para uma Conectividade Mais Rápida e Confiável

Engenharia 360
por Renan Augusto de Oliveira
| 17/01/2024 5 min
Imagem de Freepik

Descubra as Inovações do Wi-Fi 7 para uma Conectividade Mais Rápida e Confiável

por Renan Augusto de Oliveira | 17/01/2024
Imagem de Freepik
Engenharia 360

A evolução do Wi-Fi, embora uma história de sucesso, tem sido marcada por desafios persistentes que causam frustrações aos usuários. Mesmo com sua onipresença em nossas vidas, a tecnologia Wi-Fi muitas vezes decepciona com serviços intermitentes, lentidão e desconexões frequentes, gerando uma imagem de pouca confiabilidade.

Com a chegada do Wi-Fi 7 neste último ano, uma nova abordagem busca reverter essa imagem e concentrarse em melhorar a confiabilidade da conexão. Continue lendo este texto do Engenharia 360 para entender o caso!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

wi-fi 7
Imagem reproduzida de Canaltech

Evolução das gerações de Wi-Fi

Antes de tudo, vale destacar que cada geração de Wi-Fi traz novos recursos e áreas de foco, geralmente relacionados à taxa de transferência. Ou seja, à capacidade de transmitir mais dados do ponto 'A' para o ponto 'B'.

As inovações do Wi-Fi 7 resultarão em uma geração de tecnologia sem fio mais voltada para a confiabilidade e menor latência, ao mesmo tempo em que busca novas maneiras de aumentar as taxas de transferência de dados.

Ênfase na confiabilidade

Carlos Cordeiro, membro sênior da Intel e CTO de conectividade sem fio, destaca a necessidade de
tornar o Wi-Fi mais confiável: "A pergunta que nos fizemos foi: 'O que fazemos agora?' O Wi-Fi
realmente precisava se tornar mais confiável… Acredito que é hora de olharmos mais para a latência
e tornarmos mais determinísticos.". Essa ênfase renovada na confiabilidade é impulsionada por aplicações emergentes.

Imagine um robô de fábrica sem fio em uma situação em que um trabalhador de repente se coloca à sua frente e o robô precisa tomar uma decisão imediata. "Não se trata tanto da taxa de transferência, mas você realmente quer garantir que seu pacote [de dados] chegue na primeira vez que você o envia", destaca Cordeiro.

Além da automação industrial e robótica, as tecnologias de realidade aumentada e virtual, assim como os jogos, têm potencial para se beneficiar de sinais sem fio mais rápidos e confiáveis.

wi-fi 7
Imagem de Freepik

Operações de vários links no Wi-Fi 7

Operações de vários links tornarão o Wi-Fi mais confiável; e a chave para um futuro Wi-Fi em que se pode confiar é algo chamado operações de vários links (MLO). "É o recurso principal do Wi-Fi 7", afirma Kevin Robinson, presidente e CEO da Wi-Fi Alliance. Aliás, a MLO apresenta duas variantes. A primeira, mais simples das duas, permite que dispositivos Wi-Fi distribuam um fluxo de dados por vários canais em uma única banda de frequência. Essa técnica torna o sinal coletivo do Wi-Fi mais resiliente a interferências em uma frequência específica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Diferença entre Wi-Fi 7 e gerações anteriores

O que realmente diferencia o Wi-Fi 7 das gerações anteriores é uma versão do MLO que permite que dispositivos distribuam um fluxo de dados por várias bandas de frequência.

Para contextualizar, o Wi-Fi utiliza três bandas - 2,5 gigahertz, 5 GHz e, a partir de 2020, 6 GHz. Seja distribuindo sinais por vários canais na mesma banda de frequência ou por canais em duas ou três bandas, os objetivos são os mesmos: confiabilidade e redução da latência. Dispositivos poderão
dividir um fluxo de dados e enviar por diferentes canais simultaneamente, reduzindo o tempo total
de transmissão, ou transmitir cópias dos dados por canais diversos, caso um canal esteja ruidoso ou
prejudicado.

Veja Também: Como saber se alguém está conectado à minha conexão Wi-Fi?

Inovações em MLO

"MLO é o recurso principal do Wi-Fi 7", destaca Kevin Robinson, presidente e CEO da Wi-Fi Alliance.

MLO não é a única novidade no Wi-Fi 7, embora especialistas do setor concordem que seja a mais notável. O Wi-Fi 7 também verá um aumento no tamanho do canal, de 160 megahertz para um novo máximo de 320 MHz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Canais maiores significam maior capacidade de transferência, ou seja, mais dados no mesmo período de tempo. No entanto, canais de 320 MHz não estarão universalmente disponíveis, pois o Wi-Fi utiliza espectro não licenciado e, em algumas regiões, não existem blocos contínuos de 320 MHz de espectro não licenciado devido a outras alocações de espectro.

Já nos casos em que canais completos não são possíveis, o Wi-Fi 7 inclui outro recurso chamado "puncturing". "Antes, suponha que você estivesse procurando por 320 MHz em algum lugar, mas bem no meio havia uma interferência de 20 MHz. Você precisaria procurar em um dos lados", explica Andy Davidson, diretor sênior de planejamento de tecnologia na Qualcomm.

Antes do Wi-Fi 7, você ficaria funcionalmente restrito a um canal de cerca de 160 MHz acima ou abaixo dessa interferência. "Com o Wi-Fi 7, você pode simplesmente remover a interferência… Você ainda tem um canal efetivo de 300 MHz", destaca Davidson.

Preparativos e perspectivas para o lançamento do Wi-Fi 7

O lançamento mais próximo que uma geração Wi-Fi tem de uma "data de lançamento" é quando a Wi-Fi Alliance lança sua certificação, um processo para garantir que os produtos sem fio atendam aos padrões acordados pela indústria quanto à segurança, interoperabilidade e protocolos de dispositivos. O Wi-Fi Certified 7, por exemplo, previsto para o primeiro trimestre de 2024, é o resultado de anos de trabalho colaborativo da indústria sem fio para determinar quais recursos devem ser incluídos na nova geração.

Após o acordo sobre os recursos, há meses de trabalho de validação em implementações iniciais desses recursos para garantir que funcionem, separadamente e em conjunto, de acordo com Robinson. As implementações iniciais do Wi-Fi 7 são testadas no laboratório de P&D da organização em Santa Clara, Califórnia. Finalmente, os novos recursos são consolidados e a Wi-Fi Alliance lança seu programa de certificação.

Separadamente do processo de certificação da Wi-Fi Alliance, o IEEE ratificará uma nova versão do padrão 802.11. Os dois processos não são totalmente equivalentes - nem tudo especificado no padrão é incluído na certificação da Wi-Fi Alliance. Independentemente disso, a nova versão - 802.11be - também deve ser ratificada ainda este ano, após o lançamento da certificação Wi-Fi 7.

O Futuro da Engenharia com o Wi-Fi 7

Quando o Wi-Fi Certified 7 for lançado, os fabricantes levarão seus dispositivos a um dos 20 laboratórios de teste autorizados ao redor do mundo para confirmar que seus dispositivos estão em conformidade com as especificações estabelecidas pela Wi-Fi Alliance. Mais importante ainda, dispositivos certificados têm a garantia de funcionar corretamente em conjunto.

Roteadores, chips e outros dispositivos Wi-Fi 7 já estão disponíveis, antes do lançamento do Wi-Fi
Certified 7. Isso é prática comum: as empresas lançam seus produtos compatíveis com Wi-Fi 7 e passam pela certificação oficial quando ela se torna disponível. Andy Davidson, da Qualcomm, explica que é comum as empresas trabalharem a partir de rascunhos anteriores do IEEE assim que fica claro quais recursos e requisitos a próxima geração sem fio incluirá.

Enquanto isso, o trabalho já está em andamento para o que se tornará o Wi-Fi 8. "Pense nisso como um pipeline", diz Robinson. "Enquanto a Wi-Fi Alliance está dando os toques finais na comercialização de uma nova geração de Wi-Fi, as organizações de padrões como o IEEE já estão olhando para o que vai entrar na próxima geração."

Veja Também:


Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Renan Augusto de Oliveira

Redator de conteúdo, formado em Segurança da Informação pela Universidade Anhembi Morumbi e Testes de Intrusão pela HackerSec.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo