Engenharia 360

Importância da manutenção e vistoria de estruturas: o caso da marquise em Vitória

Engenharia 360
por Clara Ribeiro
| 05/02/2021 | Atualizado em 18/11/2021 3 min

Conheça as causas do acidente que deixou um ferido

Importância da manutenção e vistoria de estruturas: o caso da marquise em Vitória

por Clara Ribeiro | 05/02/2021 | Atualizado em 18/11/2021

Conheça as causas do acidente que deixou um ferido

Engenharia 360

Foi na manhã do dia 29 de outubro de 2020 que, repentinamente, a marquise de um imóvel na Praça Oito, na região central de Vitória (ES), desabou. O ocorrido destaca a importância da manutenção e vistoria de estruturas.

O vendedor ambulante Willian Barbosa, de 44 anos, foi a única pessoa atingida. Segundo matéria exibida pela TV Gazeta, o camelô sofreu ferimentos na cabeça e foi levado para o antigo Hospital São Lucas, atualmente o Hospital de Urgência e Emergência. 

Condições do imóvel antes do desabamento

Segundo a Defesa Civil municipal, a construção do prédio data de 1930, no entanto teve sua marquise construída tempos depois de sua inauguração. Contudo, não há mais informações sobre quando isso ocorreu.  

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Continue Lendo

Atualmente o imóvel funciona como loja de produtos eletrônicos e acessórios para celulares. A loja, aliás, foi inaugurada no próprio dia do acidente. Apesar de não ter havido feridos entre os que estavam na loja, pelo menos cinco pessoas ficaram presas no local, esperando a ajuda de militares e bombeiros. 

De acordo com Tenente Pennafort, do Corpo de Bombeiros, houve falta de manutenção e inspeção preventivas no imóvel.

“A estrutura é envelhecida. Eles colocaram as placas da loja tapando a marquise, então não conseguimos ter uma visualização exata da estrutura, mas parece se tratar mesmo de falta de manutenção. (…) Com o acúmulo de água pode ocorrer infiltração, porque a marquise tem pouca drenagem, então vai acumulando e com o tempo as drenagens entopem, a infiltração chega na armadura e vai corroendo o ferro”, relata o Tenente. 

Na verdade, a própria placa do estabelecimento pode ter ajudado a estrutura a cair. Para Jonathan Jantorno, coordenador da Defesa Civil de Vitória, as condições do imóvel estavam realmente precárias.

“(…) Existia uma placa de publicidade muito grande que não permitia a visualização do dano. Inclusive a placa pode contribuir para a sobrecarga da estrutura. A partir de agora nós fizemos a retirada, demolição e limpeza do local, para evitar novos acidentes, e vamos fazer a avaliação de risco”, disse Jantorno.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

desabamento marquise vitória

Interdição do imóvel 

Logo depois do ocorrido, a Guarda Municipal de Vitória isolou o local. Para a retirada da estrutura que bloqueou a entrada da loja, foi utilizada uma retroescavadeira.

Além disso, também foi removida uma parte da marquise que ficou pendurada, assim como a marquise lateral, que embora estivesse intacta, precisou ser demolida a fim de evitar novos acidentes.  

A vistoria do local foi feita na tarde do mesmo dia, pela Defesa Civil Municipal. Assim, o imóvel foi interditado. Foi exigido que o dono do estabelecimento, chamado Davi Rodrigues, apresentasse um laudo técnico. Segundo ele, a queda foi completamente inesperada.

“A gente não esperava por isso. Temos outra loja também, três pontos antes de onde foi o acidente”, conta o dono do estabelecimento. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Manifestação do Crea

A queda da marquise trouxe à tona um debate necessário acerca da manutenção de estruturas. Logo após a ocorrência, o presidente do Crea do Espírito Santo, Ricardo Guariento, se manifestou. Para ele, tudo aconteceu por mero descaso à situação da edificação.

“Engenharia sem manutenção não é engenharia”, sentenciou Guariento.

Além disso, fez questão de falar sobre a importância da vistoria pela prefeitura e órgãos responsáveis. Assim como lembrou da necessidade de avaliar o tipo de cada construção.

“Na engenharia, todo local em que passa um grande volume de água, pode ocorrer a agressão das armaduras ao longo do tempo, gera oxidação, a estrutura pode perder a resistência e termos o colapso daquela estrutura. São efeitos de causa e consequência”, explicou o presidente do Crea.

Qual a sua opinião sobre esse e outros acidentes que ocorrem por negligência? Conte para a gente aqui embaixo!

Engenharia 360

Clara Ribeiro

Jornalista especializada em arquitetura e engenharia. Ávida consumidora de informação; viciada em produzir conteúdo; amante das letras, das artes e da ciência.

Comentários



Assine nossa newsletter
e receba
uma curadoria exclusiva de conteúdos:

Continue lendo