Engenharia 360

Por que o Brasil não forma mais profissionais nas áreas de Engenharia Civil e Arquitetura?

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 20/11/2020 | Atualizado em 16/01/2023 5 min

Por baixo de discussões políticas há uma sociedade brasileira que pouco sabe sobre a importância de se investir em áreas da ciência, como Arquitetura e Urbanismo, que tem impacto na indústria e preservação da natureza.

Por que o Brasil não forma mais profissionais nas áreas de Engenharia Civil e Arquitetura?

por Simone Tagliani | 20/11/2020 | Atualizado em 16/01/2023

Por baixo de discussões políticas há uma sociedade brasileira que pouco sabe sobre a importância de se investir em áreas da ciência, como Arquitetura e Urbanismo, que tem impacto na indústria e preservação da natureza.

Engenharia 360

Mesmo em tempos de crise, a construção civil resiste. É que sempre vai haver mercado para quem quer trabalhar com novos empreendimentos e também com reformas de imóveis antigos. Sendo assim, a demanda de trabalhos em Arquitetura e Engenharia Civil, além de técnicos em edificações, é constante. Mas a pergunta que fica é: por que o Brasil ainda forma poucos profissionais nessas áreas? Vamos debater o assunto no texto a seguir!

mulher e homem conversando representando engenheiro (s) de produção
Imagem: This is Engineering | Via Unsplash

Qual a importância da Arquitetura e Engenharia para a indústria brasileira?

Atribuições profissionais

A Arquitetura e a Engenharia Civil trabalham com pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica na área civil, atendendo às necessidades da sociedade. Seus profissionais é que irão projetar e gerenciar as obras de edifícios, praças, ruas, pontes e mais – cada qual com as suas capacidades. Ou seja, eles vão planejar desde os ambientes internos dos prédios ao desenho das quadras das cidades – todos os espaços construídos que habitamos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Obra de engenharia em andamento
(imagem de Pixabay)

Por esta lista de atribuições, podemos concluir, então, que a contribuição da Arquitetura e Engenharia para a ciência é fundamental; e que construção e crescimento de um país depende disso.

Confira: Engenharia Civil – O que é e para que serve?

Obstáculos da carreira

O problema é que, infelizmente, o Brasil, neste segmento, ainda não é autossuficiente. Explicando melhor, nosso país apenas oferece sua matéria-prima aos outros países – às vezes, de modo subestimado – e não explora ou valoriza adequadamente sua mão-de-obra, muito menos investe como deveria na produção de tecnologia!

Esta lamentável atitude por parte do Governo acaba se refletindo também na imagem que a população brasileira faz da própria Arquitetura e Engenharia.

Muitos simplesmente não compreenderem a importância do trabalho destes profissionais, preferindo terceirizar serviços sem controle de qualidade e acompanhando técnico especializado. E, como é de se esperar, as consequências deste ato são as piores possíveis, tendo impactos maiores na economia e preservação da natureza em solo nacional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Arquitetos e engenheiros conversando
(imagem de Pixabay)

Necessidades do mercado

Arquitetos e engenheiros podem orientar a sociedade sobre a melhor forma de extrair, proteger e fabricar materiais. Toda a produção habitacional também deve ser guiada por eles. E sabemos que estes dois segmentos são alguns dos que o nosso país está mais deficiente.

Por exemplo, pense no enorme déficit habitacional, além das péssimas condições de saneamento básico, ao qual enfrentamos atualmente. E justamente parte destes problemas vem do fato de que há uma baixa formação e qualificação nestas áreas da construção civil!

Mudança do quadro

Sabe-se que, de um lado, existe a necessidade de mais contratações para trabalhos de Arquitetura e Engenharia. Mas, de outro, poucos candidatos capacitados. E o que deveria ser feito para mudar esta realidade?

A resposta é só uma: investir em educação – sobretudo técnico e superior. Depois, estimular uma competição saudável entre esses profissionais. Fazer as leis que regulam estes serviços serem seguidas e, por fim, conscientizar a população sobre os benefícios de se contratar os serviços de arquitetos e engenheiros.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Responsável técnico: por que ter um profissional na obra é tão importante?

planta baixa ilustrando arquitetura e engenharia
(imagem de Pixabay)

Quais os maiores desafios da formação superior de arquitetos e engenheiros no Brasil?

Dificuldades dos alunos

Há vários motivos que levam à pouca formação de arquitetos e engenheiros no Brasil. Uma das linhas de análise que fazemos é sob o ponto de vista de quem é estudante. Primeiramente, é preciso destacar que ambos os cursos são caros. E que, mesmo frequentando instituições públicas, os alunos precisarão comprar muitos materiais e livros para acompanhar as aulas e realizar os exercícios solicitados.

Arquitetura e Engenharia são cursos com muita teoria e prática também. As disciplinas são difíceis e requerem muita dedicação, inclusive fora de sala de aula. E, desde cedo, é essencial conciliar o estudo acadêmico com estágios.

Só as disciplinas envolvendo desenho já assustam algumas pessoas. Mas o que mais apavora a maioria são as cadeiras de cálculo. E é possível que a raiz deste problema venha de muito antes do ingresso na faculdade.

pessoa estudando sobre mesa usando notebook e caderno, fazendo anotações e ilustrando arquitetos e engenheiros
(imagem de Pixabay)

Deficiência no ensino

O fato é que os alunos já chegam na universidade com graves deficiências em matemática; e matemática é algo fundamental para o exercício das profissões de Arquitetura e Engenharia!

A realidade é pior do que se pensa. Por causa da falta de incentivo às ciências no país, faltam professores para dar as aulas das disciplinas básicas de cálculo, álgebra e física – conhecimentos necessários para dar continuidade a diferentes estudos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Atualmente, temos muito mais opções de cursos de graduação e pós graduação no Brasil. Contudo, até por conta disso, formações mais específicas, como matemática e história, têm sido menos procuradas, o que acaba se refletindo no ensino de Arquitetura e Engenharia também.

Fora isso, a criação apressada de cursos nas áreas da construção civil, e chocantes adaptações mal feitas de seus currículos para o método EAD, pioraram a formação destes estudantes, que muitas vezes saem com dúvidas demais, impedindo o exercício da sua profissão.

mulher estudando sobre mesa, ilustrando arquitetura e engenharia
(imagem de Pixabay)

Reflexos no sistema

Por conta de tudo isso, há menos interessados em cursar Arquitetura e Engenharia e também em contratar arquitetos e engenheiros. Já se percebe uma redução de vagas para estes profissionais no mercado, inclusive em concursos públicos. Mas as necessidades do mercado estão aí, como dissemos no tópico anterior.

Seria preciso exigir que o poder público reverta o quadro, contando com a ajuda de ministérios do governo, como o da Educação, para uma melhor capacitação e contratação de professores, além da revisão dos currículos e planos de ensino das instituições. Também investir mais em propagandas para esclarecer dúvidas da sociedade sobre tal nicho de mercado. E, ainda, incentivar a população a contratar sempre mão-de-obra qualificada, sobretudo fazendo valer as normas naquilo que tange o exercício legal na construção civil!

Para você, qual o principal motivo pelo qual o Brasil não forma tantos profissionais em Engenharia Civil e Arquitetura?

Saiba Também: Os desafios para a faculdade à distância e a pesquisa acadêmica durante a pandemia


Fontes: Amazonas Atual.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais, Jornalismo Digital e Marketing Digital; estudante de Gestão de Projetos; e proprietária da empresa Visual Ideias.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo