Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Ecolágua: o purificador de água por meio de energia solar

por Larissa Fereguetti | 05/08/2015
Copiado!

A região Amazônica possui água em abundância. No entanto, boa parte dessa água não recebe tratamento, principalmente a utilizada nas áreas mais isolada.

Pode não parecer para nós, que estamos tão acostumados com a água tratada, mas a falta de tratamento é um problema sério e responsável pela morte de milhares de crianças espalhadas pelo mundo. Baseados nesse fato, pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) desenvolveram o Ecolágua, um purificador de água por meio de raios ultravioleta e movido a energia solar.

purificador-blog-da-engenharia

Imagem: g1.globo.com

A capacidade do Ecolágua é de purificar até 400 litros de água por hora. O aparelho está sendo implantado em comunidades e também em aldeias indígenas que retrataram casos de morte por ingestão de água contaminada na região amazônica. Nesses locais também não há energia elétrica, de forma que é necessário que o aparelho funcione com energia solar.

A eficiência é de eliminação de até 99,5% das bactérias e fungos da água dos rios por meio de uma lâmpada de luz ultravioleta. A lâmpada fica no interior de um tubo metálico e, quando a água passa por ele, recebe o ultravioleta e sai desinfetada. No entanto, não garante eliminação de metais pesados.

purificador2-blog-da-engenharia

Imagem: radioboanova.com.br

O processo é como o SODIS, que nós já mostramos aqui no BDE. Porém, no processo convencional de SODIS é necessário que a água fique exposta durante um tempo considerável aos raios ultravioletas do sol. No Ecolágua, a lâmpada simula o sol e o processo é bem mais rápido. Há uma bateria que acende a luz e ela é recarregada por energia solar.

O Ecolágua funciona acoplado a uma caixa de água e a um painel solar. O aparelho consiste em uma caixa metálica de, aproximadamente, 13kg. O custo do sistema é de dois mil reais, incluindo o painel solar e o filtro. A duração da lâmpada e da bateria é, em média, de três a quatro anos.

purificador-blog-da-engenharia

Imagem: tnsustentavel.com.br

O problema da engenhoca é que, para funcionar efetivamente, a água precisa ser translúcida, ou seja, não pode haver turbidez, de forma que a luz atravesse e cumpra seu papel. Na região Amazônica, o Rio Negro, por exemplo, recebe esse nome não é em vão, mas porque suas águas realmente são de coloração escura. Para amenizar o problema, é possível acoplar filtros ao Ecolágua de forma que os sedimentos fiquem retidos, como o barro, por exemplo, permitindo melhor eficiência. Os primeiros aparelhos receberam filtros convencionais, mas o INPA já está estudando um filtro natural feito com PVC e sementes de plantas.

purificador4-blog-da-engenharia

Imagem: pinterest.com

O Ecolágua foi lançado oficialmente durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2014. Atualmente, algumas ONGs já pretendem levar o purificador para países africanos que também sofrem com o problema de mortes decorrentes da falta de tratamento de água.

Referências: INPA; NatGeo; G1, LEMNews.

 
 

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários