Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Dados acústicos são utilizados para prever desmatamento ilegal

por Redação 360 | 26/03/2021

O projeto será implementado em mais de 10 países, nos quais a rede de "guardians" do Rainforest Connection já recolhe dados acústicos

Com o propósito de prever e reduzir a exploração ilegal de biomas naturais latino-americanos, a empresa Rainforest Connection, é especializada em criar sistemas de monitoramento de dados acústicos. A ideia é fornecer para a bioacústica e a ecoacústica ferramentas eficientes, que possam detectar em tempo real ruídos de motosserras, por exemplo.

Jaguar sob uma árvore. Floresta amazônica, Brasil. Ilustra local onde seria implementado projeto de dados acústicos
Jaguar sob uma árvore. Floresta Amazônica, Brasil. Fonte: WWF.

Segundo a ONG internacional World Wide Fund for Nature (WWF), uma área de floresta tropical do tamanho de um campo de futebol é destruída a cada dois segundos. Desse modo, a extração ilegal de madeira ameaça animais, plantas e biomas inteiros. As comunidades indígenas também vivem sob essa constante ameaça. “Nós vimos em primeira mão que, se você protege as árvores, acaba protegendo todo o resto”, diz a apresentação da Rainforest Connection, em seu site oficial.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além disso, segundo pesquisa realizada em conjunto pela por organizações do Reino Unido e Noruega, pelo menos 80% do desmatamento ilegal nas florestas tropicais é impulsionado pela agricultura extrativista. Como se não bastasse, esta prática também contribui para a emissão de gás carbônico na atmosfera terrestre. Ou seja, a exploração ilegal se insere numa complexa cadeia de grupos de interesse e ameaças ambientais.

Impressão bioacústica ajuda contra a extração ilegal

A princípio, a iniciativa da Rainforest Connection foi a de construir dispositivos que detectam dados acústicos. Os chamados “guardians” podem distinguir sons de motosserras e outros equipamentos. Em tempo real, avisos são enviados para os guardas reais (guardas florestais), para que possam verificar o local.

Contudo, o sistema apresentava uma lacuna na eficiência, pois o processo de localização de motosserras e afins pode demorar até duas semanas. Para esse problema, a Hitachi Vantara, um braço da empresa de soluções digitais Hitachi, trouxe uma solução.

Se utilizando da Lumada, sistema IoT desenvolvido pela Hitachi, é possível diminuir consideravelmente o tempo de latência entre a detecção de um ruído e a localização da ação ilegal em si. No caso, o sistema cumpre a função de extrair uma “assinatura bioacústica” do local.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sendo assim, não há tanta dependência de detectar o ruído exato de um equipamento de extração madeireira, embora isso seja fundamental. Mas de forma complementar, a assinatura bioacústica fornece informações sobre como a própria ambiência sonora do local está se comportando. Por isso, é possível prever ações ilegais de forma mais otimizada, pois a emissão de sinais vinda da própria floresta (seus animais, em maior parte) serve como aviso.

A cooperação entre as empresas existe desde 2019, quando a Hitachi Vantara doou 250 mil dólares para apoiar a iniciativa da Rainforest Corporation.

Topher White, CEO da Rainforest Connection, afirma: “Os projetos com a Hitachi Vantara são uma mudança de jogo para Rainforest Connection”.

Atualmente, o projeto está programado para implementação em mais de 10 países, nos quais a a rede de “guardians” do Rainforest Connection já está atuando. “Seremos capazes de aumentar nossas operações e fornecer aos guardas-florestais maior certeza sobre quando os eventos ilegais provavelmente acontecerão”, garante White.

Fontes: Rainforest Connection; Rainforest Alliance; TI inside

E você, o que achou desta inovação no campo da bioacústica? Conte nos comentários!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Engenharia para todos.