Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Arquitetos querem transformar os estádios da Copa do Mundo em moradia

por Colaboradores BDE | 27/07/2014
Copiado!

Dois arquitetos franceses, Sylvain Macaux and Axel de Stampa, querem transformar os estádios da Copa do Mundo em moradia para os sem-teto.

Créditos:  Fast Co.

Créditos: Fast Co.


Chamado de Casa Futebol, o projeto prevê a instalação de até duas mil casas dentro de cada estádio, criando aproximadamente 20 mil moradias, a um custo de R$ 9 bilhões. Segundo a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad), publicada pelo IBGE em 2012, a família brasileira é composta, em média, por três integrantes. Assim, a Casa Futebol poderia abrigar, em média, 60 mil pessoas.
3aaa4e9358fcaf2e1b8d53a53a904c34[1]
2f44af73271d6d70aea7e214b9570ace[1]
Apesar disso, esse número só representa 24% das 250 mil pessoas que foram deslocadas de suas moradias para dar lugar às obras da Copa do Mundo.
O conceito é interessante, pois alguns estádios ficarão tão ociosos, que até o desembargador Sabino Marques, presidente do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Amazonas, afirmou que vai indicar a Arena da Amazônia como local para funcionar como centro de triagem de detentos de Manaus.
O arquiteto Macaux acredita que os estádios da Copa do Mundo são tão grandes que “é quase absurdo”.
“Lemos, como todo mundo, sobre os protestos sociais no Brasil e sobre todo o dinheiro gasto na Copa do Mundo,” Macaux disse à Fast Company. “Nós tentamos encontrar uma resposta para o problema da nossa maneira, com um conceito e uma imagem poderosa”.
8f6e171b2744806d77b7790314b3e66f[1]

Créditos para todas as imagens: 1Week 1Project

Várias cidades já declararam que será um desafio aproveitar os estádios, agora que a Copa do Mundo acabou. Talvez este conceito sirva para conscientizar nossos políticos acerca das necessidades reais do povo brasileiro, e quem sabe, até se tornar realidade.
Com informações do Mic.
 


+ Texto por Douglas Moura. Estudante de Engenharia Civil, saxofonista amador e programador auto-didata, acredita que pode mudar o mundo um passo de cada vez. Ama jazz, software livre e ciências exatas.


Quer ter seu texto publicado aqui? Nos envie por email para [email protected] e se o conteúdo for aprovado nós publicamos!

Copiado!

Comentários