Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Tudo que você precisa saber sobre SPDA

Engenharia 360

7 min

POR Larissa Fereguetti 14/06/2018

É bem provável que você já ouviu falar em SPDA (Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas). Ele é popularmente conhecido como para-raios. O seu objetivo principal é minimizar/impedir o impacto das descargas atmosféricas. Se ainda não está familiarizado com o SPDA, não precisa ficar preocupado, neste texto nós vamos explicar tudo sobre ele.

spda

Imagem: bgtconsultoria.com.br

+ O que é SPDA?

Como já foi dito, o SPDA serve para proteger pessoas, edifícios, prédios, tanques, tubulações e outros contra descargas atmosféricas. A função do SPDA é direcionar e dissipar as descargas atmosféricas por um caminho seguro até a terra. Ele evita/minimiza os danos em construções e pessoas oriundos de tais descargas.

Vale ressaltar que nem sempre o sistema é totalmente eficiente, mas ele reduz os riscos consideravelmente. Ele também não evita que a descarga aconteça, visto que é um fenômeno natural.

spda

Imagem: iptegenharia.com

O SPDA é, basicamente, composto por um subsistema de captação, um subsistema de descidas, um subsistema de aterramento, um subsistema de equipotencialização e definições de distâncias de segurança. O responsável por interceptar as descargas atmosféricas que atingiriam a construção é o subsistema de captação. O subsistema de descidas conduz a corrente da descarga até o subsistema de aterramento, o qual escoa a corrente da descarga na terra.

+ Para que serve o SPDA?

É importante é saber por que você deve se preocupar com a instalação e o bom funcionamento de um SPDA. Aqui vai uma informação: de acordo com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o Brasil é o país com maior incidência de raios no mundo. Caem mais de 50 milhões de raios em solo tupiniquim todos os anos. Só com esses dados já é possível ter motivos suficientes para instalar um SPDA.

spda

Imagem: vnsplash.com

+ Para-raios

Porém, antes de falar mais sobre o SPDA, vamos conhecer um pouco sobre o funcionamento e os tipos de para-raios.

– Como funciona?

O para-raios é um dispositivo usado para proteger as edificações e sua função básica é criar um caminho seguro para a descarga elétrica. Ele é parte de um sistema completo de proteção contra raios.

Há três componentes básicos em um para-raios. As hastes agem como um terminal para uma descarga atmosférica e a maioria é um objeto pontiagudo. Já os cabos condutores transportam a corrente das hastes até o solo. Por último, há as hastes de aterramento, que são barras enterradas e nas quais os cabos condutores estão ligados.

Para visualizar e entender melhor, é só assistir ao vídeo abaixo:

– Quais são os tipos?

Os tipos de para-raios mais usados são três. O primeiro é o para-raios de Franklin. Nele, o volume de proteção é determinado por um cone, sendo que a altura da construção e o nível de proteção são considerados no dimensionamento. Ainda, há uma haste metálica onde ficam os captadores e um cabo de condução que atinge o solo, no aterramento, levando a energia da descarga elétrica. É indicado para construções altas e com pouca área horizontal.

spda

Imagem: footele.com.br

Os para-raios de Melsens usam como princípio de funcionamento a gaiola de Faraday. É muito usado em galpões e edifícios com baixa altura, mas grande área horizontal. Consiste em instalar captores formados por condutores horizontais. A forma na qual os cabos são dispostos se torna o receptor da descarga atmosférica. A teoria da gaiola de Faraday diz que o campo elétrico no interior de uma superfície condutora eletrizada é nulo. Assim, uma malha de fios metálicos é instalada no telhado e recebe as descargas.

spda

Imagem: sabereletrica.com.br

Por outro lado, há os para-raios que usam o método eletrogeométrico (ou método da esfera rolante). Este método se baseia na delimitação do volume de proteção dos captores de um SPDA. É possível usar hastes, cabos ou os dois. O “esfera” no nome é porque consiste em criar uma esfera fictícia. Os locais em que ela tocar a edificação, a descarga também pode tocar, sendo necessário proteger tais pontos. É usado para construções muito altas e/ou com uma arquitetura complexa.

spda

Imagem: osetoreletrico.com.br

Ainda, vale citar como bônus os para-raios radioativos, os quais tiveram sua produção e instalação no Brasil suspensas há muitos anos. O radioisótopo usado era o Américo-241. Neles, os captores possuem formato de discos sobrepostos.

+ ABNT NBR 5419/2015 – SPDA

No Brasil, a ABNT NBR 5419/2015 contém as normas para a proteção contra descargas elétricas. Na hora da instalação, vários fatores devem ser considerados. Além do projeto em si, é necessário considerar outros elementos, como índice ceráunico da região (relacionado ao número de dias de trovoada em um local por ano), número de pessoas, média de raios da região e outros. No site do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) é possível consultar a densidade de descargas atmosféricas para cada local do Brasil.

A NBR 5419/2015 afirma, ainda, que o SPDA é a principal e mais eficaz medida de proteção contra descargas atmosféricas. Segundo a norma, o SPDA é divido em externo e interno. O externo é destinado a interceptar uma descarga atmosférica para a estrutura, conduzir a corrente da descarga atmosférica para a terra de forma segura e dispersar a corrente da descarga atmosférica na terra. Por outro lado, o objetivo do SPDA interno é reduzir os riscos com centelhamentos perigosos dentro do volume de proteção criado pelo SPDA externo por meio de ligações equipotenciais ou distância de segurança entre os componentes do SPDA externo e outros elementos.

– Classes do SPDA

A NBR 5419/2015 também classifica o SPDA em 4 classes diferentes. Cada uma delas está relacionada a um nível de proteção (NP). Para cada NP há um conjunto de parâmetros máximos e mínimos das correntes das descargas atmosféricas. As diversas tabelas com os dados são encontradas na própria norma.

+ Softwares para projeto de SPDA

Para um SPDA ser bem projetado, é necessário considerá-lo desde o projeto da construção. Assim, é possível aumentar a eficiência e reduzir custos, visto que não será necessário fazer adaptações após a obra ficar pronta para instalar o sistema. Alguns softwares podem auxiliar no projeto, como:

QIspda: é um software que conta com um sistema de verificação visual do dimensionamento. É possível visualizar se a estrutura está totalmente protegida ou não. O software permite, ainda, dimensionar o projeto pelos métodos da gaiola de Faraday, Franklin e eletrogeométrico. Ele também gera o memorial de cálculo, tudo em concordância com a NBR 5419/2015.

spda

Gif: altoqi.com.br

– CADPROJ Elétrica: esse software auxilia no desenho, análise, classificação de risco e etapas complementares para os métodos de Faraday, Franklin e eletrogeométrico. O dimensionamento é feito de acordo com a NBR 5419/2015

Autopower: o módulo do SPDA também é adequado à NBR 5419/2015. Ele permite que o usuário dimensione o sistema manipulando as áreas que serão protegidas.

+ Laudo SPDA: elaboração, renovação e manutenção do sistema

Um laudo de SPDA contém informações sobre as condições atuais da instalação do SPDA, como a deterioração e corrosão de captores, condição da equipotencializações, a integridade física dos condutores do eletrodo de aterramento para os subsistemas de aterramento não naturais, medições, registros fotográficos, ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) e outros. Assim, o laudo técnico de SPDA descreve os resultados da inspeção técnica e contém recomendações e instruções sobre ela.

– Quem pode fazer e assinar o laudo?

Segundo a Decisão Normativa 070/2011, os profissionais que podem exercer atividades de projeto, instalação e manutenção de SPDA são: engenheiro eletricista, engenheiro de computação, engenheiro mecânico-eletricista, engenheiro de produção – modalidade eletricista, engenheiro de operação – modalidade eletricista, tecnólogo na área de engenharia elétrica e técnico industrial – modalidade eletrotécnica. Com exceção do técnico industrial – modalidade eletrotécnica, todos os outros também podem exercer as atividades de laudo, perícia e parecer profissional.

spda

Imagem: quatroases.com.br

As informações devem constar na ART. Ainda, de acordo com a ABENC (Associação Brasileira de Engenheiros Civis), após um recurso contra da decisão normativa, o TRF (Tribunal Regional Federal) confirmou que o engenheiro civil também possui atribuição para projetar e executar o SPDA.

– Inspeção

A inspeção de um SPDA deve ser feita durante a construção da estrutura, após a instalação do sistema, após alterações ou reparos ou quando houver suspeita de que a estrutura foi atingida por uma descarga atmosférica. Além disso, deve ocorrer inspeção semestral que aponte pontos deteriorados no sistema e, periodicamente, deve ser realizada uma inspeção por profissional habilitado e capacitado, emitindo documentação pertinente, em intervalos de um ano para estruturas contendo munição ou explosivos, ou em locais expostos à corrosão atmosférica severa, e 3 anos para as demais estruturas. Porém, vale ressaltar que é necessário consultar as normas estaduais e as do Corpo de Bombeiros para verificar se não há um prazo mais restritivo.

– Manutenção

A manutenção deve ser feita observando-se as recomendações provenientes da inspeção. Ainda, o profissional que elabora a documentação deve indicar um prazo de manutenção, seja ela imediata ou preventiva.

+ Quando o SPDA é obrigatório?

Por último, é preciso saber se uma edificação deve ou não ter SPDA. O sistema é exigido por normas para determinados locais. Então, para verificar se um local precisa ou não de um SPDA, é preciso consultar a legislação pertinente, incluindo a ABNT NBR 5419/2015 e as normas estaduais, como a do Corpo de Bombeiros, e outras, se houver. Com os dados da edificação em mãos é possível averiguar a necessidade de um SPDA e, em caso afirmativo, definir qual tipo de sistema é melhor para o local. O dimensionamento fica a cargo de um profissional habilitado.

Referências: Sueta (2005); Brasil.gov.br; Câmara Legislativa; Certificação Iso; Rw Engenharia; UDESC; TkTecnologia; Mundo da Elétrica.

captores
descargas atmosféricas
Faraday
Franklin
laudo spda
para-raios
raio
sistema de proteção
Softwares
SPDA
tipos de para-raios

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

mais
Engenharia 360 Engenharia 360

VEJA TAMBÉM

6 Resultados
O que você precisa saber sobre o BIM?
As 3 características fundamentais para você vencer na carreira
Tesla está trabalhando em ventiladores pulmonares feitos com partes de carros
6 dicas para otimizar seu home office | Lista 360
Robô delivery de medicamentos desenvolvido pela USP pode evitar contágio por coronavírus
Bioesterelizador desenvolvido em universidade paraibana pode atuar como mais uma frente contra coronavírus
Podcast 360
Ouça ou baixe podcasts
exclusivos da engenharia
Ver Todos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ