Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Robôs de 100 gramas arrastam carro 20 mil vezes mais pesado

por Bernardo Lopes Frizero | 22/03/2016
Copiado!


 
Cientistas da conceituada universidade americana Stanford mostraram de forma radical que tamanho, de fato, não importa quando se trata de força. Os pesquisadores publicaram um sucinto vídeo exibindo seis micro robôs que pesam cerca de 100 gramas somados, conseguindo puxar nada menos que um automóvel de quase 2000 quilos!
A concepção do projeto partiu de uma mera observação de princípios da natureza, mais precisamente dos artifícios em que as formigas utilizam para mover objetos de tamanho de peso extremamente maiores do que elas, trabalhando coletivamente para alcançar o sucesso, usando uma espécie de acoplamento uma nas outras para aumentar a força exercida sobre um objeto.
mini-robos-blog-da-engenharia
Para que tal evento conseguisse se concretizar de tal forma como ocorre na natureza, algumas soluções tiveram que ser desenvolvidas, por exemplo: as partes dos micro-robôs que possuem contato com o solo foram recobertas com uma espécie de adesivo que simula as patas de uma lagartixa, onde a aderência encontrada é alta o suficiente para suportar a força de grandes cargas. Partindo do resultado encontrado em uma bateria de experimentos, ficou concretizado que os robôs que pulavam ou andavam de maneira muito acelerada eram considerados ineficientes, enquanto os que administravam essa “energia” de maneira bem cadenciada tiveram uma excelente taxa de eficácia.
Desta forma, o sistema que conecta os seis μTug, como são chamados os robôs, foi programado para aplicar uma força contínua e por um longo período, possibilitando assim que o carro, que pesa quase duas toneladas, fosse movido apenas com a força deste conjunto, como pode-se ver no vídeo acima.
A universidade já trabalha com esse projeto há algum tempo, porém só agora ele se ganhou grande repercussão justamente pelo fato de ter sido disponibilizado o primeiro vídeo exibindo de fato o protótipo em funcionamento, o que permitiu uma melhor análise de todos os críticos.
Fonte: Gizmodo

Copiado!

Comentários