Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

CANAIS ESPECIAIS


O que podemos aprender sobre engenharia com o acidente de Grosjean na Fórmula 1?

por Rafael Panteri | 01/12/2020

Muitos equipamentos de segurança contribuíram para que o piloto conseguisse escapar do acidente.

Os amantes de Fórmula 1 tomaram um susto no último domingo (29/11), durante o Grande Prêmio de Bahrein 2020. O piloto Romain Grosjean, da equipe Hass, se envolveu em um acidente gravíssimo na primeira volta da corrida.

Logo na curva 3, Grosjean teve contato com outro piloto e saiu da pista direto para o guard rail. O impacto, a 222km/h, dividiu seu carro ao meio e as chamas começaram logo em seguida. O francês escapou apenas com queimaduras leves após ficar 29 segundos dentro do automóvel em chamas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

carro de Grosjean em chamas durante acidente
Imagem da internet

O resumo dessa história mostra como a revolução da segurança na F1 salvou a vida de Grosjean e a importância da engenharia em momentos como esse. Mas o que, de fato, contribuiu para que o piloto saísse andando depois do grave acidente?

1. HALO

Implantado em 2018, o dispositivo de segurança HALO fornece a proteção frontal do piloto. No caso de Grosjean, foi crucial para que o guard rail não atingisse a cabeça do francês, além de criar um espaço para que ele pudesse sair, uma vez que seu carro estava preso entre as ferragens.

halo, equipamento presente nos carros da F1
Foto: infoesporte
halo, equipamento presente nos carros da F1
Foto: infoesporte

2. Roupa antichama

Sair apenas com queimaduras leves, depois de ficar 29 segundos em meio ao fogo, também é mérito da engenharia. Os macacões usados pelos pilotos de Fórmula 1 resistem a temperaturas de até mil graus Celcius por 20 segundos. Embaixo disso, os pilotos ainda usam camiseta antichama.

roupa antichamas usadas por pilotos de fórmula 1
Foto: infoesporte
Capacete de Grosjean que derreteu por conta do fogo
Capacete utilizado por piloto de drag race . Mostra a importância da utilização dos equipamentos de segurança em corridas. Imagem da internet

Mesmo com tais conquistas da engenharia, essa história trouxe alguns questionamentos aos organizadores da Fórmula 1 . Para o diretor desportivo Ross Brawn, o fato do guard rail se romper, permitindo que o cockpit o atravessasse e ficasse preso, é algo que deve ser analisado. “Também é preciso entender por que houve um incêndio e por que o carro se partiu em dois”, acrescentou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Reconstrução gráfica do acidente de Grosjean. A partir dele é possível entender as falhas, tanto do cockpit quanto do guard rail.
Carro de Grosjean após o acidente
Imagem da Internet

A partir de agora, o foco na segurança das corridas será redobrado. Acidentes como esse mostram a importância da engenharia nos esportes, bem como sua real funcionalidade. O final dessa história não foi mais trágico por mérito dos equipamentos e tecnologias de proteção.

Fontes: Folha, Racing, Autoportal, GE, F1Mania

Leia também: Engenheiros hackearam veículos elétricos para demonstrar vulnerabilidades de cibersegurança

O que achou dessa matéria? Deixe nos comentários!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Comentários

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.