Engenharia 360

Diversidade na Engenharia: Meu Depoimento como Pessoa LGBTQIA+

Engenharia 360
por Redação 360
| 28/06/2020 | Atualizado em 11/06/2023 4 min

Diversidade na Engenharia: Meu Depoimento como Pessoa LGBTQIA+

por Redação 360 | 28/06/2020 | Atualizado em 11/06/2023
Engenharia 360

Atualização: No começo do mês de junho acontece a Parada do Orgulho LGBTQIA+ em SP. O evento tem como finalidade principal celebrar a diversidade sexual e de gênero, além de promover a igualdade e lutar pelos direitos da comunidade LGBTQIA+.

A parada é um evento festivo que reúne milhões de pessoas em um desfile colorido pelas ruas da cidade, com o objetivo de combater a discriminação, o preconceito e a homofobia, bem como promover a visibilidade e o respeito à diversidade sexual. Além disso, a Parada do Orgulho LGBT+ também serve como um espaço de conscientização, educação e mobilização política, buscando promover a inclusão e a igualdade de direitos para todas as pessoas, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

LGBTQIA+
Imagem de Sketchepedia
em Freepik

Meu nome é Eduarda (@dudavc), sou recém formada em engenharia civil, e como estamos no mês da visibilidade LGBTQIA+, resolvi expor algumas das experiências que tive até então no ramo da engenharia, sendo do grupo em questão.

Bom, para começar, sou lésbica assumida para a minha família, só que ser lésbica assumida ao menos uma vez não é sinônimo de ser assumida em todos os lugares e ambientes em que frequento, como por exemplo o curso de engenharia e lugares em que já trabalhei. Sendo assim, é necessário múltiplas decisões em se assumir para cada grupo de pessoas que convivo, mas o questionamento é, é sempre necessário declarar minha orientação sexual? Não vemos pessoas cis gêneros e heterossexuais declarando sua identidade de gênero e orientações a todo tempo, como é esperado por nós LGBTQIA+. Isso gera sim algum incomodo, não é porque minha família hoje me aceita como sou que em todos os lugares as pessoas irão me respeitar, e mais uma vez fica o critério de se assumir ou não, no tal ambiente.

Veja Também:

Conheça a maior ciclovia com cores do arco-íris do mundo [óbvio, na Holanda]

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Minha jornada como LGBTQIA+ na Engenharia

Como mulher, o ambiente da engenharia já é algo desafiador, há muito patriarquismo envolvido, e sendo assim, é um ambiente conservador por si só.

Como lésbica, esse ambiente é duas vezes mais desafiador. A princípio, eu sou bem tímida, talvez envolva a insegurança da bagagem que trago, e receosa com a recepção que irei receber, minha aparência não é padrão de uma mulher em que o conservadorismo espera, isso gera incertezas, a luta é diária e a todo momento, em conversas descontraídas e até mesmo sobre o trabalho em si há empecilhos a ser debatidos e refutados.

No curso de engenharia, como é um ambiente acadêmico, tudo se torna um pouco mais descontraído, então essa necessidade de aceitação fica mais leve.

LGBTQIA+
Image by Alexander Grey from Pixabay

Quando se começa a procura do primeiro estágio, existem aquelas dicas que já sabemos, aparência importa, currículo e postura excepcionais, e por aí vai. Como citado anteriormente, venho com a minha presença divergente, e é encontrado um tabú. Enfim, no primeiro estágio que entrei, na última entrevista de emprego, admito dolorosamente que mascarei um pouco do meu “eu”, mudando o penteado e alternando as roupas, por fim, não digo que foi essa a postura correta para obter esse estágio, mas entrei.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nesse primeiro estágio que obtive, as conversas eram singulares, trabalho era o que importava, algum tempo extra numa semana ou outra falávamos sobre nossas vidas pessoais, como eu não tinha uma relação confortável com os demais, jamais mencionei o fato de ser lésbica.

Vem o segundo estágio adquirido, onde fiquei por mais tempo, não tive essa apresentação unânime pré-requerida por empresas, pois foi concurso. Assim entrei, o começo é preciso, há aquele conhecimento geral de todos, e com o passar do tempo, todos ficaram mais próximos. É claro que num ambiente em que se trabalha com várias pessoas, nem todos sabiam de tudo sobre mim, mas alguns sim, e essa aceitação torna-se mais leve a vivência diária. Isso pode parecer bobo para alguém que seja heterossexual, mas é uma grande conquista para quem é homossexual, são essas aquisições diárias que fazem a diferença no meu dia-a-dia e os enfrentamentos frequentes que me acompanham desde sempre.

Obs: Nesse segundo estágio, já me peguei em uma discussão com o meu superior sobre a drag queen Pabllo Vittar, onde o mesmo não a considerava mulher, ou ao menos, não sabia qual o órgão genital que a Pabllo possuía. São coisas assim que temos que ouvir frequentemente, e sempre sexualizando alguém LGBTQIA+, esse eterno discurso sobre sexos e órgãos genitais, que não ouvimos constantemente com alguém cis gênero e heterossexual, mantendo-se particulares e íntimo.

E você, tem algum relato? Conte para a gente nos comentários!

Veja Também: Dia do Orgulho LGBTQI+: Orgulho em Ser Livre


Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo