Engenharia 360

Entenda como é feita a blindagem de veículos

Engenharia 360
por Redação 360
| 20/06/2022 | Atualizado em 10/07/2022 4 min

Entenda como é feita a blindagem de veículos

por Redação 360 | 20/06/2022 | Atualizado em 10/07/2022
Engenharia 360

Recentemente, foi notícia na mídia nacional a morte de um jovem de 36 anos no Rio de janeiro. O mesmo estava em um automóvel atingido por tiros de fuzil. Mas o que queremos destacar dessa história é que o carro era blindado. Isso levantou a dúvida sobre porquê tal tecnologia não foi suficiente para defender a vítima desse incidente. Aliás, também porquê tantos brasileiros procuram cada vez mais o serviço de blindagem de veículos.

A questão é que o nível de violência no trânsito no Brasil gera muito medo e insegurança para os condutores. O número de assaltos e uso de armas de fogo cresce a cada ano. E ter um carro blindado é uma opção para as pessoas terem um pouco mais de segurança e proteção contra tiros e explosões. Trata-se de colocar um reforço com camadas de materiais resistentes à balística na carroceria dos veículos. Saiba mais no texto a seguir!

blindagem de veículos
Imagem reproduzida de Autoesporte

Tipos de blindagem de veículos

Por que o jovem do Rio morreu se seu carro era blindado? Bem, porque o nível de blindagem do veículo não era suficiente para barrar tiros de fuzil. Sim, existem tipos de blindagem diferentes, cada um oferecendo margem de segurança. Entenda!

  • Nível 1: protegendo contra disparos de armas 22 e 38.
  • Nível 2: protegendo contra disparos de pistolas 9 mm e revólveres 357 Magnum.
  • Nível 3 – A: mais procurado nas concessionárias, protegendo contra disparos de submetralhadoras 9mm e revólveres 44 Magnum.
  • Nível 3 -B (proibida no Brasil, dependendo de licença especial do Exército): protegendo contra disparos de fuzis e armas de uso restrito.
  • Nível 4 (proibida no Brasil, permitido apenas para pessoas jurídicas e transportadoras de valores): protegendo contra disparos de outras armas.

Saiba que, no fim das contas, depois de ser blindado, o carro só poderá proteger até 150 ou 250 kg, como dois ou três passageiros. E também que o mesmo ficará mais pesado, precisando que seu centro de gravidade seja alterado, além de outras mudanças que requererão mais atenção do motorista e manutenção periódica – inspeções que devem levar em conta mais de 250 itens. Inclusive, o conselho dos fabricantes é que os usuários até façam cursos para entender como proceder.

blindagem de veículos
Imagem reproduzida de BlindaPro

Veja Também: Estaleiro brasileiro lança embarcação blindada e de baixa percepção por radares

Empresas que fazem a blindagem

Não se pode fazer a blindagem de veículos em qualquer local. O certo, por lei, é buscar uma empresa certificada pelo Exército e autorizada para realizar tal tipo de serviço. Os materiais balísticos utilizados e possíveis testes realizados também devem ser pré-aprovados. Mesmo assim, é preciso antes pesquisar sobre qual o nível de blindagem atenderá as necessidades, sem contar os anos de garantia para o veículo, incluindo para os vidros.

Etapas do processo de blindagem veicular

Etapa 1. Autorização do Exército

Exato! É preciso solicitar ao Exército autorização para blindar um veículo, algo que pode levar 120 dias.

Etapa 2. Desmontagem do veículo

Nessa etapa é mantida apenas a lataria, o motor e o painel, retirando a capa interna do teto, o forro das portas, os bancos, os vidros e as todas.

blindagem de veículos
Imagem reproduzida de Protecta
blindagem de veículos
Imagem reproduzida de Portal Blindados

Etapa 3. Instalação interna dos materiais com resistência à balística

São colocadas três camadas de vidro – constituídas de placas de policarbonato intercaladas com vidro de até 1,8 cm, 2,1 cm ou 4 cm, a depender do nível de blindagem – e uma de acrílico no lado interno do veículo, fixadas com cola especial a uma alta temperatura.

Etapa 4: Blindagem da lataria

Nessa fase do processo, que leva em torno de 30 dias, a lataria recebe 12 camadas de aramida – que é tipo um tecido -, combinando com aço inox laminado.

Etapa 5. Recolocação dos acessórios

Colunas de maçanetas, cintos de segurança e mais recebem o reforço necessário. Nas rodas do carro, por exemplo, são colocadas cintas – isso se os pneus já não vierem run-flat de fábrica. Até mesmo teto solar, se houver, deve ser fixo de um jeito diferente – respeitando a Portaria nº 55 do Exército Brasileiro de 2017.7

blindagem de veículos
Imagem reproduzida de Portal Blindados

Etapa 6. Testes específicos

É claro que, ao passar por essa transformação, o carro não pode perder suas características particulares ou funcionalidades originais. Por isso, são realizados testes específicos para garantir que tudo fique bem, ao mesmo tempo que o veículo possa passar a oferecer o máximo de segurança por meio da blindagem.

Veja Também: Novo pneu a ‘prova de balas’ não usa ar


Lembre-se: é fundamental a colocação correta de bons materiais para evitar falhas que possam comprometer o resultado esperado, salvar vidas humanas!


Fontes: Extra Globo, Quatro Rodas, Facilita Seguros.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo