Engenharia 360

Baterias de potássio mostram potencial de concorrência com as de lítio

Engenharia 360
por Larissa Fereguetti
| 05/03/2020 | Atualizado em 05/09/2023 3 min
Imagem de WangXiNa em Freepik

Baterias de potássio mostram potencial de concorrência com as de lítio

por Larissa Fereguetti | 05/03/2020 | Atualizado em 05/09/2023
Imagem de WangXiNa em Freepik
Engenharia 360

Atualmente, as baterias de lítio são largamente empregadas em eletroeletrônicos como smartphones, notebooks e muitos outros. Porém, apesar de apresentarem um desempenho melhor que as usadas há alguns anos, elas não duram o quanto gostaríamos. Na busca da ciência por opções melhores (a qual não é pequena), as baterias de potássio mostraram que podem concorrer com as de lítio.

Baterias normalmente contêm dois eletrodos: um cátodo e um ânodo. No caso das baterias de lítio, o cátodo é deito de óxido de lítio cobalto e o ânodo é feito de grafite. O ato de carregar/descarregar faz com que os íons de lítio se desloquem entre o cátodo e o ânodo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ciclo de funcionamento de uma bateria de íons lítio
Imagem: Aranha (2018)

Segundo noticiou o TechXplore, a substituição dos óxidos de lítio cobalto por óxidos de potássio cobalto acarretaria a diminuição do desempenho, uma vez que o potássio é menos denso em energia. Para contornar esse problema, os pesquisadores do Rensselaer Polytechnic Institute, nos Estados Unidos, tentaram aumentar o desempenho substituindo o ânodo de grafite pelo potássio.

O professor de engenharia mecânica, aeroespacial e nuclear da instituição, Nikhil Koratkar, afirmou que “em termos de desempenho, isso poderia rivalizar com uma bateria tradicional de íons de lítio”.

Qual o diferencial das baterias de potássio?

Uma das grandes vantagens do potássio é que ele é muito mais barato e mais abundante que o lítio. Um problema é que há depósitos de metal no ânodo (os chamados dendritos). Eles são formados devido à deposição não uniforme de potássio à medida que os ciclos de carga e descarga acontecem.

De acordo com as informações fornecidas pelo instituto Rensselaer, “se crescerem demais, eles eventualmente perfuram o separador de membrana isolante destinado a impedir que os eletrodos se toquem e causem curto-circuito na bateria. O calor é criado quando uma bateria entra em curto e tem o potencial de incendiar o eletrólito orgânico dentro do dispositivo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nessa pesquisa desenvolvida, a qual foi publicada no Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores solucionam esse problema se baseando no fato de que o uso das baterias de potássio a uma taxa de carga e descarga elevada pode aumentar a temperatura dentro interior de forma controlada, incentivando os dendritos a se “autorrepararem” a partir do ânodo.

Para que isso seja possível, Koratkar afirma que “a ideia é que, durante a noite ou sempre que você não estiver usando a bateria, você teria um sistema de gerenciamento de bateria que aplicaria esse calor local que faria com que os dendritos se recuperassem”. Os mesmos pesquisadores já mostraram antes o mesmo efeito na bateria de lítio, mas baterias de potássio podem ser mais eficientes, seguras e práticas.

bateria de lítio comum em smartphone
Bateria de lítio de smartphone, comumente usada. Imagem: dignited.com

Ter baterias mais promissoras significa um grande avanço para a tecnologia. Além da nossa alegria por não precisar recarregar os celulares uma ou mais vezes por dia, poderemos ter notebooks e veículos elétricos com maior desempenho, por exemplo, e sistemas de armazenamento de energia renovável (como eólica e solar) melhores.

Veja Também:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: Rensselaer Polytechnic Institute; PNAS.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Cientista e Engenheira de Saúde Pública, com mestrado, também doutorado em Modelagem Matemática e Computacional; com conhecimento em Sistemas Complexos, Redes e Epidemiologia; fascinada por tecnologia.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo