Engenharia 360

Descoberta alarmante: Ação humana deixa cicatrizes no fundo dos oceanos, alertam pesquisadores

Imagem padrão usuário
por Luciana Reis
| 09/05/2017 | Atualizado em 18/07/2023 3 min
Imagem de Paul Bates por Pixabay

Descoberta alarmante: Ação humana deixa cicatrizes no fundo dos oceanos, alertam pesquisadores

por Luciana Reis | 09/05/2017 | Atualizado em 18/07/2023
Imagem de Paul Bates por Pixabay
Engenharia 360

As consequências da ação humana em relação à natureza ficaram ainda mais evidentes com a divulgação de um estudo na revista científica britânica Nature sobre oceanos. Esse estudo revelou altos níveis de poluentes em uma região inesperada: as fossas das Marianas e de Kermadec, situadas entre o Japão e a Nova Guiné, que são locais remotos com mais de 10 mil metros de profundidade.

poluição oceanos
Imagem reproduzida de Receveur Aurore via Researchgate

A Contaminação Oculta nas Profundezas

Segundo a pesquisa, os níveis de contaminação nessa área são mais elevados do que aqueles encontrados em regiões próximas a indústrias. Os poluentes em questão são chamados de poluentes orgânicos persistentes (POPs), que incluem pesticidas e gases liberados por incineradores industriais, sendo substâncias altamente tóxicas que resistem à degradação biológica e química.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Impacto Devastador do Plástico nos Oceanos

Os cientistas concentraram seus estudos na avaliação das espécies de animais que habitam as profundezas dos oceanos, como os anfípodas, que se assemelham ao camarão. Durante as pesquisas, foram encontrados dois tipos de poluentes: os éteres difenílicos polibromados, utilizados como retardantes de chamas, e os bifenilos policlorados, presentes em isolantes de mecanismos elétricos. Estes últimos são proibidos pela convenção de Estocolmo e também no Brasil desde 1981, mas ainda assim foram encontrados em altas concentrações no oceano.

poluição oceanos
Imagem reproduzida de WESTON, J.N.J. via Wikipédia - https://pt.wikipedia.org/wiki/Eurythenes_plasticus#/media/
Ficheiro:Eurythenes_plasticus_(10.11646-zootaxa.4748.1.9)Figure_4(cropped-female).jpg

A liderança dos estudos ficou a cargo de pesquisadores das Universidades de Newcastle e Aberdeen, na Inglaterra, incluindo o biólogo marinho Alan Jamieson. Para realizar as pesquisas, foram enviadas 10 máquinas para diferentes pontos das fossas abissais. Infelizmente, as conclusões dos pesquisadores não são otimistas, uma vez que os animais marinhos tanto nas águas profundas como aqueles que vivem perto da superfície apresentaram altos níveis de poluentes.

Os Poluentes na Cadeia Alimentar Marinha

A origem dos poluentes encontrados ainda é motivo de investigação. Embora seja normal encontrar depósitos naturais no fundo do mar, o que surpreendeu os pesquisadores foi a quantidade de poluentes nessas amostras, que se comparou a habitats conhecidos por serem altamente poluídos, como o rio Liao, na China.

Outra possível fonte dos poluentes é a grande quantidade de plástico lançada nos mares e oceanos. Esse material tem sido responsável por uma poluição acima do esperado, liberando partículas e poluentes nocivos ao meio ambiente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

plásticos oceanos
Imagem de rawpixel.com
em Freepik

Embora não haja conclusões definitivas sobre o impacto desses poluentes nos seres humanos, é evidente que eles estão afetando a cadeia alimentar dos ecossistemas marinhos. Essa descoberta reforça o quanto a ação humana, quando não considera as consequências para o meio ambiente, pode causar desequilíbrios graves na natureza, e, no fim, retornar com consequências sérias para a própria humanidade. É essencial que medidas sejam tomadas para reduzir a poluição e preservar os ecossistemas marinhos, garantindo a saúde do nosso planeta e de todas as formas de vida que dele dependem.

Veja Também:


Fontes: Nature, Superinteressante, Veja.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo