Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

UEPG desenvolve material isolante com alto potencial

Engenharia 360

2 min

POR Bernardo Lopes Frizero 07/11/2012

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) desenvolveu um material, obtido a partir da biomassa renovável produzida na agroindústria. O compósito de carbono-carbono. A universidade já depositou pedido de patente do compósito ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), e iniciou o processo para obtenção da patente internacional.

O material desenvolvido pelos pesquisadores da UEPG é isolante térmico e acústico de alto desempenho, e pode ser usado na forma de mantas, placas, tubos e discos. Sidnei Antônio Pianaro, pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Materiais da UEPG, acredita que o material obtido a partir da biomassa pode revolucionar o mercado, também pela economia. “A maioria dos materiais compósitos carbono-carbono é importado e usa em sua tecnologia matéria-prima de custo elevado”, diz. Esses protudos são protegidos por patentes internacionais.

Visando à inserção do novo material no mercado, através da, a UEPG já depositou pedido de patente do compósito junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), além de iniciar o processo para obtenção também da patente internacional.

EMPRESAS – “Vamos buscar parceria com empresas para a validação da patente, fase na qual sedesenvolvem estudos de viabilidade econômica da produção em série”, diz o diretor da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (Agipi), professor João Irineu de Rezende Miranda. Pela Lei de Inovação do Paraná, recentemente sancionada, é possível a integração entre a iniciativa privada e as instituições de pesquisa.

A Agipi/UEPG já desenvolve estudos para levantar as cadeias produtivas que teriam interesse na validação da patente. Inicialmente, a relação de possíveis interessados inclui a Petrobras, Embraer, indústrias automobilística e bélica e setores da construção civil. Na feira Inovatec Paraná, realizada de 16 a18 de outubro, já surgiram interessados no uso do produto para a fabricação de portas corta-fogo (PCF), utilizadas para garantir proteção contra incêndios, impedindo a passagem de fogo ou fumaça entre dois ambientes. “Testes de laboratório comprovaram que o compósito suporta temperaturas de até 1,2 mil graus centígrados”, comenta o professor Capobianco.



CARACTERÍSTICAS –
 O pesquisador Gino Capobianco explica que o compósito desenvolvido na UEPG aproveita o material que seria queimado pelas indústrias para a geração de energia, liberando gás carbônico na atmosfera. “O diferencial inovador desse produto consiste na utilização de matérias-primas renováveis e provenientes de resíduos da biomassa”, diz o pesquisador.

Conforme Pianaro, pela sua maleabilidade e fácil usinagem, o compósito pode ser usado das mais diversas formas, e mesmo em placas de espessura de 1,5 milímetro, mantém suas característica e propriedades.
Via
Imagens: Divulgação 

blog da engenharia
Blog de Engenharia
Blog Engenharia
compósito de carbono-carbono
dicas de engenharia
Dicas do curso de Engenharia
Engenharia no Brasil
Estudantes de Engenharia
pesquisador Gino Capobianco
site da engenharia
site de engenharia
Site Engenharia
UEPG desenvolve material isolante com alto potencial

Bernardo Lopes Frizero

mais
Imagem padrão usuário Engenharia 360

VEJA TAMBÉM

6 Resultados
USP e UNICAMP oferecem cursos de Cálculo e Física gratuitos e completos no YouTube
Microsoft está treinando robôs em simulações da vida real em situações de risco extremo
5 autores de livros de ficção e algumas distopias | Lista 360
4 TED talks sobre como investir na humanidade e em si mesmo | Lista 360
Quais as atribuições de um Engenheiro de Produção?
Você sabe qual é o melhor horário para estudar?
Podcast 360
Ouça ou baixe podcasts
exclusivos da engenharia
Ver Todos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ