Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

BDE Explica: o que é e como funciona a Matriz BCG?

por Kaíque Moura | 26/07/2017
Copiado!

No mundo globalizado em que vivemos, sabemos da infinidade de produtos e serviços que estão disponíveis para satisfazer as nossas necessidades e facilitar as atividades de rotina e entretenimento. É de nosso conhecimento também que dentro das empresas sempre é feito um estudo prévio de uma ideia que possa virar um produto. Estudos como custos de produção, viabilidade e aceitação no mercado são algumas das análises que devem ser feitas antes de se lançar um produto ou serviço. Hoje estudaremos uma ferramenta essencial para analisar os produtos da empresa e tomar decisões em relação a eles: a Matriz BCG.

Um mundo globalizado nos proporciona produtos inovadores. (Créditos: zaumlangs.com)

Um mundo globalizado nos proporciona produtos inovadores. (Créditos: zaumlangs.com)

Mas o que é essa matriz BCG?

A matriz BCG é uma ferramenta gráfica utilizada para analisar o portfólio da empresa. Ela auxilia os gestores na tomada de decisão como, por exemplo, deixar de fabricar um produto que não esteja trazendo o lucro esperado. Ela proporciona clareza na análise do ciclo de venda e prioriza aqueles que melhor equilibram maior potencial de lucro com menos recursos.

 Quem inventou e quando surgiu?

Bruce Henderson. (Créditos: en.wikipedia.org).

Bruce Henderson. (Créditos: en.wikipedia.org).

Ela foi desenvolvida por Bruce Henderson para a empresa de consultoria empresarial americana Boston Consulting Group (por isso a sigla BCG) em 1970, com a finalidade mencionada anteriormente. Bruce afirmava que quanto mais vezes uma tarefa fosse executada, menores seriam os seus custos, visto que a experiência possibilita melhorias nos processos. Isso vale para qualquer departamento – como marketing, administração, produção, distribuição, etc.

Legal, mas como funciona essa matriz?

A matriz BCG é composta por dois eixos:

  • Taxa de crescimento do mercado;
  • Participação do produto no mercado.

Cada eixo é composto por dois setores, resultando em um quadrante onde são alocados os seguintes grupos de produtos:

  • Vaca leiteira: produto ideal para empresa, pois gera muito lucro sem a necessidade de grandes investimentos de tempo ou dinheiro em marketing ou vendas. Este produto encontra-se estabelecido no mercado e se “autopromove” por sua qualidade e/ou reputação junto ao público consumidor.
  • Estrela: produto que gera muito lucro, mas, ao contrário da vaca leiteira, exige considerável investimento para que alcance esta boa performance de vendas.
  • Ponto de interrogação ou Oportunidade: este produto ainda não gera grande receita, mesmo com alto investimento em marketing e vendas. Costumam estar nessa categoria produtos recém-lançados ou disruptivos no mercado, que constituem apostas da empresa.
  • Abacaxi: produto com baixa performance de vendas e/ou margem muito ruim. Deve ser submetido a análise de viabilidade e, caso os planos de recuperação envolvam altos investimentos, a descontinuação do produto deve ser considerada.

Isso tudo se resume na imagem abaixo:

Matriz BCG. (Créditos: slideplayer.com.br/slide/385219/).

Matriz BCG. (Créditos: slideplayer.com.br/slide/385219/).

 

Quais são as vantagens de se utilizar a Matriz BCG?

  • É excelente para demostrar a situação de um produto em determinado mercado;
  • Ajuda a empresa tomar as atitudes necessárias para determinada situação, com elaboração de novas estratégias.

E as desvantagens?

  • A participação de mercado não é o único fator para determinar o sucesso de um produto;
  • Crescimento do mercado não é o único aspecto relevante para a decisão de atuar ou não em um segmento.
Créditos: www.mazzolanet.com.br.

Créditos: www.mazzolanet.com.br.

Mesmo com algumas limitações, a Matriz BCG ajuda no equilíbrio do portfólio de produtos. Isso é fundamental para que a empresa atinja estabilidade no mercado e se estabeleça de forma consistente no médio e longo prazo. A matriz BCG é considerada uma das formas mais práticas de realizar análise de portfólio e tomar decisões assertivas sobre o ciclo de vida dos produtos. Com isso, utilize-a em sua empresa (e evite os abacaxis!). 🙂

Copiado!
Engenharia 360

Kaíque Moura

Graduando em Engenharia de Produção no Centro Universitário Santo Agostinho (UNIFSA) e Técnico em Mecânica pelo Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Comentários