Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Cientistas desenvolvem liga de ferro com eficiência energética

por Kamila Jessie | 29/04/2019
Copiado!

As transformações que geram eletricidade, bem como sua transmissão, promovem uma série de perdas de energia. No sentido de diminuir isso, há esforços da engenharia em buscar novos materiais. A gente mostra um exemplo de liga de ferro com eficiência energética.

Direta e indiretamente, materiais “engenheirados” para promover eficiência energética têm por objetivo promover economia de energia em sua produção e uso, ajudando a reduzir as emissões de carbono. Seu desdobramento, no caso é permitir a fabricação de dispositivos eletrônicos menores e mais eficientes.

liga
Imagem: misis.ru

Uma liga de engenheiros (trocadilho intencional) da China, Japão, Rússia e Estados Unidos assumiu essa empreitada e, como produto, gerou uma liga amorfa que se origina de um sistema de “baixo” custo, que combina Fe-Si-B-Nb-Cu (ferro-silício-boro-nióbio-cobre). O material combina com sucesso altas propriedades mecânicas e magnéticas, estando associado a um baixo custo de produção, conforme relatado no artigo publicado na revista científica Journal of Alloys and Compounds. Nesses trabalhos, podemos ver como engenheiros de materiais mergulham nos fundamentos da ciência para trazer derivações de tecnologia que chega nas nossas mãos sem que a gente sequer perceba.

liga
Imagem: sciencedirect.com

“Para o desenvolvimento de novas ligas à base de ferro com um alto complexo de propriedades magnéticas e de resistência, analisamos um grande número de composições de ligas. Ao mesmo tempo, tentamos evitar o uso de elementos de liga caros, como nióbio e molibdênio Todas as ligas examinadas no trabalho foram obtidas por meio de tecnologia industrial – endurecida a partir de um estado líquido (técnica de derretimento da fiação), “disse Andrei Bazlov, um dos engenheiros que participaram da elaboração da pesquisa.

Como várias combinações das ligas foram testadas, foi possível estudar os efeitos das suas composições químicas e modos de tratamento térmico nas propriedades magnéticas e mecânicas. Os engenheiros foram então capazes de obter ligas com altas propriedades magnéticas, plasticidade tecnológica e resistência ultra-alta.

“Em termos de suas propriedades, as novas ligas à base de ferro amorfo obtidas por nós superam os análogos industriais comuns não apenas na Rússia, mas também em demais locais. Suas vantagens indiscutíveis são o fato de apresentarem custo relativamente baixo (devido à falta de elementos caros de liga) e simplicidade de produção “, acrescentou Andrei Bazlov.

Agora, os cientistas planejam continuar a procurar e projetar novas composições e regimes de processamento de ligas leves magneticamente amorfas que possam ser implementadas na indústria.

Referência: MISIS

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários