Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

CANAIS ESPECIAIS


Homem escala arranha-céu com perna biônica controlada pelo cérebro

por Eduardo Mikail | 06/11/2012

O engenheiro de software Zac Vawter, de 31 anos, escalou até o topo da Willis Tower, com uma perna biônica comandada por seu cérebro, no último domingo (4). O prédio localizado em Chicago nos Estados Unidos tem 103 andares e é um dos maiores arranha-céus do mundo. Vawter terminou a escalada em aproximadamente 45 minutos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Zac Vawter colocou uma inovadora perna biônica comandada por seu cérebro (Foto: Reprodução/Huffington Post)

A escalada foi parte do desenvolvimento de uma das técnicas de interação entre homem e máquina mais avançada do mundo para uso clínico. O projeto consiste na criação de uma prótese de perna extremamente confortável e que responde a estímulos vindos diretamente do cérebro do paciente. Em fase de testes, a perna robótica vem trazendo esperança de vida normal a milhares de portadores de deficiência espalhados por todo o mundo.

A perna binônica ainda demorará a chegar ao mercado (Foto: Reprodução/Huffington Post)

Vawter, logo após perder a perna direita ao sofrer um acidente de moto em 2009, inscreveu-se no projeto se voluntariando a testar a pioneira prótese que pode ser controlada por seus pensamentos. A perna robótica foi desenvolvida para responder a impulsos elétricos de músculos de seu tendão.

O evento deste domingo, que foi nomeado de SkyRise Chicago, foi o primeiro teste público da perna biônica e para se preparar, Vawter e os cientistas passaram horas ajustando os movimentos da perna. Ele chutou uma bola de futebol, andou pela sala e subiu escadas. Uma equipe de pesquisadores acompanhou Zac durante toda a subida e monitorou o desempenho da perna inteligente. Esse foi o primeiro teste em público do aparelho.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como engenheiro, Vawter gosta de aprender como funciona a perna biônica que, segundo ele, é mais ágil e confortável em comparação com a sua prótese regular.

O projeto, que custa cerca de oito milhões dólares, é financiado pelo Departamento de Defesa dos EUA e envolve a Universidade de Vanderbilt, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, a Universidade de Rhode Island e a Universidade de New Brunswick.

Via TechTudo

Comentários

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Engenheiro Civil e empresário, tem o empreendedorismo como estilo de vida. Já trabalhou em uma das maiores construtoras do país e hoje é sócio-fundador da Mikail Engenharia, além do portal Engenharia360.com, um dos pioneiros e maiores veículos especializados no Brasil. É formado também em Administração com especialização em Marketing pela ESPM. Adora viajar e adquirir conhecimento, pois acredita que é a maior riqueza do ser humano. Busca constantemente transformar as dificuldades em desafios. Segue lá no Instagram @eduardomikail