Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

CANAIS ESPECIAIS


Curso de Engenharia Ambiental testa sacolas biodegradáveis

por Eduardo Mikail | 08/09/2012

Objetivo é saber se estas sacolas se decompõem no prazo indicado e diminuem a poluição ambiental

O curso de Engenharia Ambiental do Cesumar deu início a um pesquisa para testar o índice de degradação de sacolas plásticas biodegradáveis e oxibiodegradáveis utilizadas nos supermercados de Maringá e assim saber se de fato elas estão diminuindo a poluição do meio ambiente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O uso de sacolas biodegradáveis tornou-se obrigatório para os supermercados desde 2009, mas não existe comprovação se de fato elas se decompõem no prazo de seis meses conforme informado, segundo observou a coordenadora da pesquisa, professora Thaise Moser Teixeira.

De acordo com a pesquisadora, que tem ao seu lado um grupo de estudantes do segundo ano do curso, existem pesquisas em Minas Gerais e São Paulo mostrando que as sacolas não se degradaram no tempo esperado. “Nós resolvemos então investigar essa situação em nossa região, testando as sacolas encontradas nos supermercados de Maringá.”

A pesquisa demorará de seis meses a um ano para ter os resultados finais, uma vez as sacolas recolhidas nos supermercados da cidade foram enterradas e somente serão desenterradas dentro desses dois prazos. Ao mesmo tempo em que se observará o nível de decomposição, as biodegradáveis também poderão ser comparadas com sacolas de plásticas convencionais enterradas no mesmo dia.

“A maioria das marcas das sacolas encontradas traz a informação de que o plástico vai se decompor em até seis meses, uma vez que a sacola, quando descartada, começaria a ser utilizada como nutriente pelos micro-organismos do meio ambiente. Então, essa sacolinha seria aos poucos digerida, algumas partes sendo corroídas até a decomposição e a destruição total do plástico. Daqui a seis meses poderemos saber se isso de fato acontece e qual o nível de decomposição com as marcas utilizadas em Maringá”, esclareceu a professora Thaise Moser.

Via Inteligemcia

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Comentários

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Engenheiro Civil e empresário, tem o empreendedorismo como estilo de vida. Já trabalhou em uma das maiores construtoras do país e hoje é sócio-fundador da Mikail Engenharia, além do portal Engenharia360.com, um dos pioneiros e maiores veículos especializados no Brasil. É formado também em Administração com especialização em Marketing pela ESPM. Adora viajar e adquirir conhecimento, pois acredita que é a maior riqueza do ser humano. Busca constantemente transformar as dificuldades em desafios. Segue lá no Instagram @eduardomikail