Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

EMAS: conheça a tecnologia de Segurança em Aeroportos implantada em Congonhas

por Redação 360 | 03/09/2021

O EMAS é um sistema de engenharia que pode ajudar a evitar certos tipos de acidentes com aeronaves em aeroportos. Conheça seus detalhes!

O Ministério da Infraestrutura anunciou que até março de 2022 o Aeroporto de Congonhas (Aeroporto Deputado Freitas Nobre), localizado na cidade de São Paulo, terá um novo sistema de frenagem de aviões, a tecnologia EMAS. Mas por que será que essa notícia é tão impactante? Você sabe? Lembra do lamentável acidente aéreo de 2007, com o voo TAM 3054? Agora, continue lendo este texto para entender a relação!

Sistema de segurança
Imagem reproduzida de Melhores Destinos

Conhecendo a tecnologia EMAS

O EMAS (Engineered Material Arresting System) é uma tecnologia utilizada para aumentar a segurança dos aeroportos e evitar acidentes graves, principalmente em aeroportos com limitação de espaço para a pista. Um exemplo desta limitação é o Aeroporto de Congonhas. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas voltando à questão do EMAS, o sistema é composto por uma superfície especial, formada pelo ajuste de blocos de concretos diferenciados. Sua finalidade é desacelerar e parar as aeronaves que, numa emergência, estiverem aterrissando e ultrapassarem a área limite do final da pista. E isso, infelizmente, é o que aconteceu no dia 17 de julho de 2007, quando um voo doméstico Airbus A320-233 tentou pousar na pista 35L em São Paulo, mas não conseguiu frear, ultrapassando os limites da pista.

Sistema de segurança
Imagem reproduzida de Cavok Brasil
Sistema de segurança
Imagem reproduzida de Airway

Velho sistema x novo sistema

Inicialmente os aeroportos usavam camadas de cascalho. Contudo, o material duro que era jogado para cima na hora da frenagem tendia a perfurar os tanques de combustível das asas. O combustível derramado sobre os cascalhos e o atrito do avião sobre eles iniciavam um incêndio difícil de extinguir. 

Já com a tecnologia EMAS, quando a aeronave ultrapassa o limite da pista, e avança sobre a área de blocos de concreto celular pré-moldados, ela esmaga os blocos e os arrasta. E, na sequência, quanto mais ela avança, maior é a desaceleração.

O sistema foi projetado para que os blocos sejam esmagados sob o peso da aeronave, de forma confiável e previsível, facilitando uma desaceleração rápida e suave. Entretanto, também foi desenvolvido para aeronaves pesando acima de 5700 Kg de MTOM (massa máxima de decolagem), não sendo tão eficaz para aeronaves menores.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A tecnologia, que começou a ser desenvolvida na década de 1990 pela FAA (Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos), já é utilizada em aeroportos da Europa, Ásia e Estados Unidos e conta com certificação internacional de diversas autoridades de aviação civil pelo mundo. 

Sistema de segurança
Imagem reproduzida de Airway
Sistema de segurança
Imagem reproduzida de Aviation Today

Caso Congonhas

O Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, será o primeiro aeroporto da América Latina a usar esse sistema. Segundo o governo, a tecnologia foi contratada em fevereiro de 2021 a um custo de 122,5 milhões de reais. E as obras já estão com 51% dos trabalhos prontos e a previsão para a entrega do sistema é março de 2022.

A pista principal do Aeroporto de Congonhas terá duas áreas de escape: uma de 70m x 45m na cabeceira de uma pista e outra, de 75m x 45m, na cabeceira da outra. Explicando com mais detalhes, a profundidade da camada de blocos vai aumentando gradualmente conforme vai aumentando a distância entre o início do sistema e o fim da pista, normalmente de cerva de 25 cm até 75 cm.

Sistema de segurança
Imagem reproduzida de AEROIN

Aliás, a pista do aeroporto de Congonhas já havia recebido, em setembro de 2020, uma Camada Porosa de Atrito (CPA) para evitar a aquaplanagem das aeronaves – algo que ocorre quando o avião perde o contato com o solo em dias de chuva. Este sistema já facilita o escoamento da água dando maior aderência aos pneus da aeronave. Nesse momento, a reforma da pista teve o custo de 11,5 milhões de reais.

Mas as obras do Aeroporto de Congonhas só foram iniciadas 15 anos após o acidente que envolveu uma aeronave modelo A320 da companhia aérea TAM. Infelizmente, na tragédia 187 pessoas, passageiros e tripulantes, que estavam a bordo, e mais 12 pessoas, que estavam em solo, perderam suas vidas. Com a nova reforma, todos esperam que acidentes como este nunca mais se repitam!

Sistema de segurança
Infográfico da Infraero sobre a aplicação do sistema EMAS no Aeroporto de Congonhas (Infraero) – Imagem reproduzida de Airway

Veja Também: Aeroporto na China é transformado em parque público

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: G1. Skybrary, Aeroin, Airway.

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Engenharia para todos.